Garotas e Norbert Elias

O incorreto do “politicamente correto”. A partir de Norbert Elias

O movimento do “politicamente correto” trouxe para o Brasil ganhos iniciais e, depois, perdas incríveis. Criticando-o, a direita cresceu! Bolsonaro e Pondé, um tosco e o outro falsário, surfaram fazendo críticas a uma tal postura. A esquerda institucional não soube revidar. O “politicamente correto” ficou sendo algo da esquerda. Mas isso não é historicamente uma verdade.

A ideia do “politicamente correto” é a de que há um modo correto de se viver na polis, e este modo é aquele que puder levar todos os habitantes a tornarem o convívio o mais suave possível, e isso deve começar pelos vocabulários.  Deveríamos avançar segundo o propósito inicial do capitalismo: tornar a vida da polis, agora mais ainda centrada no mercado, a menos conflituosa possível, de modo que ninguém se ofenda o suficiente a ponto de parar o comércio.

Se assim olhamos, vemos que o “politicamente correto” nada é senão uma sofisticação do liberalismo: que ninguém tenha motivos para abandonar a compra-e-venda e inviabilizar a nova alma da cidade, o mercado. Em termos de texto, o “politicamente correto” é um subproduto contemporâneo da Carta sobre a tolerância de Locke: que reine o respeito entre os príncipes europeus, que se estanquem as guerras de religião, e isso justamente para que os negócios não se estanquem. Que a Idade Média não mais volte, pois se houve algo de ruim nela, foi única e exclusivamente a sua capacidade de fazer as cidades não funcionarem como cidades.

Quando o “politicamente correto” surgiu de modo mais incisivo nos Estados Unidos, ele imediatamente recebeu críticas jocosas. E não era para menos. Ninguém de bom humor iria perder a chance de criar chistes com as cobranças desse movimento. Pois o “politicamente correto” nunca conseguiu ser uma tese unicamente contra as atitudes grosseiras e agressivas; desde o seu início ele também foi uma advertência de uma tia velha para algo que nenhum humorista poderia deixar passar: a chamada de atenção a favor da “moral e bons costumes”, agora vinda de um grupo que até então não era de falar sobre tais coisas. Era a versão à esquerda de algo que, até então, só a direita tinha a mania de fazer: mandar passar pimenta na boca de crianças que usam de palavrão.

Ora, isso só poderia, mesmo, nascer nos Estados Unidos, uma nação que desde o seu início teve um de seus lados voltado para a prática antes do cultivo exacerbado da religião do que efetivamente para a liberdade religiosa prometida pelo nome “América”. Assim, “pitos morais” nunca deixaram de existir nas famílias americanas, em exagero, ao menos de um lado dos colonizadores, e isso acabou deslizando também para a esquerda, ainda que com outro conteúdo. Foi assim que boa parte da esquerda perdeu seu liberalismo, característico da chamada velha esquerda social democrata e deweyana, mas um tanto que soterrado pela nova esquerda, adoradora de teses descabeladas, economicistas, às vezes notadas no discurso de algum tipo Chomsky. Os mais libertários, vendo que a esquerda os havia abandonado, alimentaram os cartunistas, de modo que a América não perdesse sua característica contraposta: a irreverência. Para estes, o grito de guerra foi só um: que os cartunistas preservem o senso crítico de nossa sociedade, agora não só contra a direita e os conservadores, mas também contra os liberais de araque e os tais “progressistas”, que então adotaram a prática do “pito”.

Paulatinamente, o “politicamente correto” foi ganhando espaço, é verdade, mas junto dele também foi se formando um poço de exageros e cacoetes que deixaram os escritores e desenhistas mais inteligentes com o maior apetite. Todavia, em hipótese alguma se poderia dizer que essas pessoas estariam a favor das atitudes que o “politicamente correto” gostaria de conter, eliminar ou mudar. O que tais pessoas estavam denunciando é que o “politicamente correto” havia desaprendido uma lição que os melhores filósofos e sociólogos haviam ensinado a todos nós, aquela estudada tão bem por Norbert Elias: uma sociedade é civilizada não quando adota cegamente uma atitude de suavidade nas relações e, sim, quando é capaz de criar espaços, pequenos e grandes, para a transgressão dos bons comportamentos, dentro de um plano relativamente razoável. A praia é um lugar assim. Eu explico, um pouco no estilo de Elias.

As pessoas no Ocidente vão à praia quase que nuas e, no entanto, isso não causa nenhuma grande polêmica ou espanto. Nenhum homem na praia vai ter ereção diante de mulheres lindas praticamente nuas. Os corpos já estão educados ou, melhor dizendo, civilizados. Os instintos foram canalizados para uma convivência que não significa promiscuidade, mas, antes, alto grau de civilidade. O rapaz do interior, que nunca viu a praia e que foi educado sob costumes rurais, pode não saber se comportar na praia. Pode se ver, inadvertidamente, com tesão manifesta pelas garotas (com uma ereção repentina) ou pode simplesmente morrer de vergonha alheia. Mas, dado o patamar cultural da vida urbana, logo assimilará o comportamento vigente. Aos poucos aprenderá a olhar as mulheres só de modo estético, ou talvez nem isso. Aprenderá, também, que as roupas são simbólicas, que um micro tapa-sexo pode ser usado no Carnaval, mas não na praia, ainda que o biquíni seja menor que o tapa sexo. Elias olhava para a sociedade capaz de criar tais “relaxamentos comportamentais” não como sociedades aquém da civilização e, sim, como sendo as sociedades, no Ocidente, verdadeiramente civilizadas.

Ora, o “politicamente correto” é uma prática que não sabe sobre quem deve lançar o “pito moral”. Dispara sua metralhadora giratória contra tudo e todos e, então, atinge aquelas pessoas que não estão transgredindo preceitos de civilidade por não terem chegado a eles, mas exatamente atinge aquelas que assim fazem porque estão usufruindo da alta civilidade e, então, praticando o “relaxamento moral” e comportamental de quem já educou maximamente seus instintos e impulsos. É claro que tais pessoas, então, passam a devolver para o “politicamente correto” o “pito”, e fazem assim por meio da ironia. Não raro, tais pessoas percebem rapidamente que o “politicamente correto” está sendo pouco culto ao não perceber essa situação toda. Os que recebem o “pito” do “politicamente correto” o enxergam como censura, burrice e, assim, acabam por taxá-lo como ele de fato se apresenta: algo “brega”. Mas, não raro, ao fazerem isso, essas pessoas se esquecem que há uma camada da população que precisa passar pelo aviso do “politicamente correto”, porque estão aquém do capitalismo, do liberalismo e das mudanças de vocabulário necessários para se adaptar a um mundo menos duro.

Eis aí então a confusão montada: os mais civilizados e, enfim, com bom humor, querem brincar com a civilização, não lhes passa pela cabeça que haverá arranhões nela por conta disso. E de fato, segundo Elias, não haverá mesmo qualquer arranhão. Os conservadores acham boa a crítica desses, mas por motivos pouco nobres irão apoiá-los. E há também os pseudo-intelectuais (Pondé à frente) que não percebem esses gaps históricos entre os que falam a favor e contra o “politicamente correto”. Estes, por sua vez, acham que estão na vanguarda da vanguarda ao falar que o “politicamente correto” é “brega”. Estes, às vezes, se tornam os mais ridículos. Afinal, chamar alguém de “brega” já não virou algo fora de órbita? Gente desse tipo não percebe, tanto quanto os que advogam o “politicamente correto” de modo tosco, que a dinâmica semântica de nossa sociedade é maior do que podemos acompanhar. São pessoas que não notam, por exemplo, que o vocabulário gay mudou muito entre os tempos do filme Filadélfia e os tempos do filme Breakfast in Pluto (dois filmes que considero paradigmáticos do movimento gay). São aquelas pessoas que não viram que a palavra “preto” já aparece na boca de alguns militantes do movimento negro sem qualquer problema.

Filósofos como Rorty e eu mesmo, educados por Sócrates e Donald Davidson, nunca conseguiriam não achar tudo isso como o que é visto de um modo mais apetitoso se posto sob o crivo da dinâmica da conversação, da vida das palavras. Fica mais fácil para nós, quando somos davidsonianos, vermos que as palavras não estão gravadas nas estrelas. Elas não estão gravadas em lugar algum. Nessa ótica, o espaço lógico no qual eles funcionam não é fixo, mas se altera pela própria criação contínua de jogos de linguagem que vamos usando aqui e ali, e que vamos criando e recriando. Essa nossa concepção da linguagem nos dá condições de ver o politicamente correto no interior de uma contínua guerra semântica. Mas, para filósofos de outra formação, um tanto pré-quineanamente ou pré-II Wittgenstein, as palavras tem lá seus significados forjados como âncoras, tudo de modo arrumado, e o mundo não é dado pela linguagem, mas pelo que é não lingüístico.  Intelectuais assim, por não lerem Elias (ou Foucault, que por outras vias nota a suavidade do capitalismo, ou Sloterdijk, que fala do mimo como condição da antropotécnicas), podem se engalfinhar numa luta séria contra o “politicamente correto” e adotarem um irritante atavismo. Podem bem não perceber que os humoristas que elas próprias estão querendo defender, ao falarem do “politicamente correto” como “censura”, não precisam deles como intelectuais.

Quando a segunda onde forte de combate ao “politicamente correto” chegou até nós, no Brasil, a crítica a tal movimento já era algo carcomido. Nos Estados Unidos uma tal reação já aparecia na velha série Seinfield. Todavia, o fato é que quando imaginamos que o “politicamente correto” vai se acomodar a uma certa razoabilidade, ele se transveste sob novas formas. Por exemplo, tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil, ele se revigorou dentro de uma nova praga: o identitarismo. Atualmente, quase tudo que se criticou no politicamente correto, vale para o identitarismo. Pretensas vanguardas de movimentos de minorias, nem sempre autorizadas por tais minorias, surgem aqui e ali para propagandear a noção de “lugar de fala”. Fiz a crítica dessas posições em outro lugar, em especial no artigo “Identitarismo: uma porta aberta para o fascismo“. O identitarismo perde a relação particular-universal, o “politicamente correto”, na sua pior versão, tenta colaborar com ele ao encontrar aqui e ali posições que avalia erradamente  como sendo expressão de “machismo” ou “homofobia” ou “misoginia” ou “racismo” etc. Dessa união entre “politicamente correto” e identitarismo brotam fetos muito feios, como por exemplo o movimento que visa desautorizar a leitura de Monteiro Lobato, por ele ter sido adepto da eugenia e por ele ter passagens em sua obra que são evidentemente racistas. Abre-se aí a oportunidade de se censurar até mesmo um clássico. Uma nação que adota isso como regra, como o que serve de crivo até para clássicos, se perde para sempre.

© Paulo Ghiraldelli 63, filósofo. Uma primeira versão desse texto surgiu em 2011.

9 thoughts on “O incorreto do “politicamente correto”. A partir de Norbert Elias

  1. O politicamente correto adquire criticismos que, por aqui, criam criticadores como Fê Minazzi, que é vista por identitários como uma pessoa de verdade, criada pela esquerda identitária, sem perceberem que ela é de fato uma crítica aos críticos.

  2. Mas qual universal? Será que realmente existe um universal? Será que os paradigmas do ocidente são realmente universais? Ou apenas particulares que triunfaram, não devido ás força das idéias mas pela imposição de suas armas?

  3. Nós anos 70 era mesmo maravilhoso, minha juventude, bons tempos aquele quando os meninos associava pras meninas , era elogio. Eu nem olhava é claro , mas ficava lisongeada .a três anos já faz eu sofri o peso do preconceito no meu grupo de família quando no dia 1 de abril eu fiz uma brincadeira dizendo que ia viajar , os evangélicos me criticaram por eu ter mentido. Não se pode nem brincar

  4. Ghiraldelli, há coisa de 5 anos atrás eu vim aqui nesse espaço e perguntei se você poderia fazer uma crítica ao identitarismo, não lembro ao certo sua resposta, mas em minha memória afetiva você foi meio jocoso comigo. O identitarismo é um câncer e vai comer todo mundo.

    1. Bom, eu acho que você não pode ter comentado isso, pois nesse tempo não existia “identitarismo”, existia movimento de minorias. O que estamos chamando de identitarismo se fixou recentemente. Chamar reivindicações de minorias de identitarismo é um erro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *