Go to ...

on YouTubeRSS Feed

25/09/2018

Pode JAIR se acostumando com facada?


[Artigo para o público em geral]

Expliquei durante três dias, com várias técnicas didáticas, para a Janaína Paschoal, que ter uma arma em casa ou na cintura não evita assaltos, assassinatos etc. População armada não diminui a violência, ao contrário, aumenta. Todas as estatísticas mundiais mostram isso. Mas não lancei mão de estatísticas, relatei para ela como que um ataque pessoal ocorre, como a iniciativa sempre leva vantagem. Ela não entendeu. A cabeça dela se perdeu para a cabeça do Bolsonaro. Ele também não entende.

Como não entenderam com meus exemplos, talvez agora, com a ajuda do áudio-visual da Rede Globo, mostrando o Bolsonaro sendo esfaqueado, talvez aprendam. Realmente foi mão de Deus! Mão de Deus no sentido de tentar ensinar o que tentei ensinar com exemplos falados. Mas o recurso áudio visual, para os de cabeça dura, é melhor né? Bolsonaro tinha cinco policiais militares ali do lado dele, colados nele, todos armados. O mineiro maluco, insuflado pela própria violência verbal de Bolsonaro, furou o deputado. Os armados evitaram? Não! Evitariam? Não, fica claro isso no vídeo.

Espero que Bolsonaro saia dessa. Espero que ele continue exercendo seu fascismo, mas que seu fascismo não chegue à presidência. Mas, agora, talvez o fascismo dele consiga ser aplainado, diminuído em estupidez, deixado num nível aceitável para que ele viva entre nós. Há espaço para a direita. Para a extrema-direita. Mas não pode haver espaço para a burrice de quem não entende nem vendo audio-visual. Se agora ele e Janaína, e outros defensores de armas na cintura, não aprenderem agora, não olharem o vídeo e notarem que ninguém é super herói diante da iniciativa do agressor, aí eu desisto. Terei de aprovar e selar a teoria de que existe o burro, e que o burro é de direita.

Paulo Ghiraldelli Jr., 61, filósofo.

Tags: , ,

One Response “Pode JAIR se acostumando com facada?”

  1. Vinícius
    07/09/2018 at 19:52

    O filho de Bolsonaro não vai entender, na sua afirmação: ” não são armas que matam, são pessoas”.
    Isso é o óbvio que são pessoas que matam, mas por meio de armas, que com licença liberada do uso de tais armas de fogo, já poderia ter ceifado a vida de sua figura paterna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *