Go to ...

on YouTubeRSS Feed

15/12/2017

pragmatismo

A vaca balconista

Para Paula e Mariana A vaca entrou na sala de aula. Não, não era uma escola rural. Era uma escola urbana, ainda que do interior. Ocorreu em 1965, ano em que minha professora começou conosco o livro de “Conhecimentos Gerais”. Neste, havia um capítulo só sobre os animais. Foi o ano que encontrei a vaca.

O drama da verdade em filosofia a partir de Tocquevile

O pragmatismo é uma corrente filosófica que a América reivindica, com razão, como sendo de sua propriedade criadora. Seus três grandes heróis nasceram no século XIX: Peirce, Dewey e James. Os escritos desses homens construíram uma parte da história da filosofia no século XX, encorpando trabalhos sobre lógica, epistemologia, teoria moral, política da democracia, estética,

Nossa boa religiosidade atual: entre William James e Peter Sloterdijk

Um bom leitor europeu do pragmatismo americano tradicional? Este: Peter Sloterdijk. Melhor ele fica quando o autor escolhido é William James, nos estudos de religião. A nova publicação em alemão do clássico de James, As variedades da experiência religiosa, traz um estupendo ensaio de Sloterdijk. Neste, encontramos o significativo trecho: “Seu [de James] caminho foi

A democracia não pode ser criticada?

OS ILUMINISTAS diziam que precisávamos de democracia liberal porque ela satisfazia e realizava a natureza humana. A natureza humana teria a ver com igualdade e liberdade. Isso seria ser homem, ou seja, racional na busca de igualdade e de manutenção e ampliação da liberdade individual. Só a democracia liberal estaria coadunada com tal disposição. Mas

Pequena biografia do Espírito a cavalo

O estado em que Kant deixou a filosofia incomodou sobremaneira Hegel. Kant havia dito que para a existência da pessoa, ou seja, do sujeito moral, era necessário que o indivíduo humano viesse a se comportar contra a sua inclinação e a favor do seu dever. Como assim? Bem, todo cuidado aqui é pouco!

A invenção da razão

O pensamento que usa o elenkhós “O bom senso é a coisa mais bem distribuída entre os homens”, escreveu o filósofo francês René Descartes. Sabemos que não é, mas trabalhamos com a mentira de que tem de ser. Em outras palavras: ainda carregamos a velha ideia de Aristóteles de que o homem é um “animal