Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

30/05/2017

Nietzsche

Para onde pode correr nossas energias utópicas?

Quase ao final de seu belo livro Ira e tempo, de 2006, Peter Sloterdijk escreve, lembrando de trinta anos atrás, quando ainda existia o comunismo: “ninguém teria decaído outrora no patético slogan: um outro mundo é possível. O outro mundo estava entre nós e ele era terrível”. (1)

Será que sou original na minha crítica?

Há pessoas que nunca conseguem criticar. Há pessoas que aprendem a criticar de um modo, digamos, escolar, quase doutrinário. Esse segundo caso é o pior, principalmente se a pessoa não percebe que sua crítica é uma forma de não-pensar. 

O corpo no centro da trama contemporânea

Deixando para trás a utilidade subjetiva de modo a ganhar valor de troca, a mercadoria põe-se como não tendo outra função que não a de se mostrar.  Adquire assim a condição de ser o que se mostra. Cria um mundo de espectadores e, portanto, faz da sociedade uma “sociedade do espetáculo”. Impera como imagem. Essa

Seis livros necessários

Seis livros básicos para você ter alguma cultura filosófica sem ser filósofo. Mas, claro, exigem que você seja escolarizado, bem escolarizado. Fora isso, não leia. 

“Torna-te quem tu és”

“TORNA-TE QUEM TU ÉS”. Essa é uma frase de Nietzsche que, como outras, pega o desescolarizado em filosofia (de Pondé a Kataguri, de Frota a Mainardi) do mesmo modo que a frase de Simone de Beauvoir, a célebre “Não se nasce mulher, torna-se”.

O macaco, minha esposa e eu

“O que é o macaco para o homem? Uma coisa ridícula ou vergonhosa”. Nietzsche confeccionou essa frase para lembrar que assim seria também quando o Übermensch viesse a se por diante do homem. Este, então, seria o ridículo e o vergonhoso.

Em defesa da ingenuidade

Um cientista age corretamente quando diz: tenho uma hipótese sobre o que ocorre. Um religioso está no seu direito de dizer: tenho fé sobre o que conto. O artista às vezes fala: sei lá eu o que está ocorrendo! O filósofo, por sua vez, diz: o melhor seria que ocorresse o que nunca ocorreu. 

Como ler Peter Sloterdijk? (*)

Não falo aqui de um simples “como ler Peter Sloterdijk”, mas também de como entender um novo modo de pensar que ele inaugura, e de como que lê-lo nos leva a ter de praticar esse novo pensamento.

Como usar do trágico para a filosofia – sem estupidez

Há uma modinha entre conservadores: vou ser trágico! Em termos historicamente mais amplos, isso acontece não só entre conservadores, mas também na esquerda há momentos do tragicismo. Quando seus representantes nunca conseguem comandar o que você imagina que eles deveriam comandar, então o mundo fica com destino traçado, de desgraça, e então aparecem esses trágicos.

“Vista a roupa meu bem”

A Playboy americana está repensando sobre a publicação de fotos de mulheres nuas. Tudo leva a crer que as fotos de mulheres em poses eróticas continuarão, mas que a nudez completa desaparecerá. Também os célebres calendários da Pirelli não trarão mais beldades, mas fotos de mulheres “expoentes em suas áreas”. Ora, do que estamos falando?

O que é “pensar com a própria cabeça”?

Uma boa parte dos que dizem “eu penso pela minha própria cabeça” é gente que pensa repetindo o que outros falaram. Até engraçado isso. O indivíduo repete como macaquito e se acha um pensador original, às vezes, um gênio incompreendido! Não raro, se imagina um ensaísta crítico. 

Quem é burro? Há remédio contra a burrice?

A burrice existe. As psicólogas e alguns magoados, que foram tomados como burros, podem tentar nos dizer que a palavra “burro” não pode ser usada. Ninguém acredita nisso. Usamos! Pois encontramos o burro no cotidiano, mais do que deveríamos. E todos nós, mesmo inteligentes, temos nosso momento ou fase de burrice. Ou assuntos nos quais

Por que Zizek não entende Sloterdijk?

Um debate popular entre Zizek e Sloterdijk, no Brasil, daria vitória de “ibope” para o primeiro. (1) Somos um país em que todos reclamam dos impostos que pagam, e com razão, porque aqui a devolução dos impostos em forma de benfeitorias e serviço público não é nada satisfatória, mas, ainda assim, os brasileiros ficariam a

Older Posts›› ‹‹Newer Posts