Go to ...

on YouTubeRSS Feed

28/05/2018

Nietzsche

Da impossibilidade de ser um pensador trágico

[Artigo preferencialmente indicado para o público acadêmico] Admirar a tragédia é uma coisa, querer ser um pensador trágico é diferente. Nos nossos dias, fazer isso é, não raro, sinônimo de ignorância. Ou ignorância de quem não aprendeu as línguas ocidentais modernas (um alienígena entre nós) ou a ignorância tosca, ginasiana, de quem não entendeu o

De Sofia no Manicômio à cura gay

[Artigo para o público em geral] Pedir a um romano um arrependimento por atos que um cristão acha cruel é uma grande bobagem. Ben Hur ficou sabendo disso a dura penas. Ao vencer o oponente na corrida de bigas, foi pedir desculpas a ele, pelo destino cruel que lhe infringiu, mas o romano, seu ex-amigo

Como não entender narrativas históricas. O modo Safatle de não entender.

[Artigo escrito para o público acadêmico] Há uma história que não sabe procurar responsáveis, só culpados. Ela até ajuda, às vezes, o pensamento crítico, todavia, quando impregna a cabeça dos professores exageradamente, transforma-os antes em policiais que em verdadeiros pesquisadores. São absorvidos não por uma visão moral, mas por um moralismo de perseguição que rapidamente

Os engenheiros da linguagem. A confecção da sociologia e das ciências humanas.

[Artigo indicado preferencialmente ao público acadêmico] Quando Durkheim disse que deveríamos tratar os acontecimentos sociais como “coisas”, ele estava tentando ensinar que o cientista social, então emergente, teria de tomar a vida humana como os físicos estavam tomando a vida natural. Nada de colocar no âmbito de acontecimentos da natureza qualquer antropomorfismo. Assim, se a

Sujeito clássico ou grupos de pressão?

[Artigo indicado preferencialmente para o público acadêmico] Os europeus são filósofos, os americanos não. Essa velha crença do senso comum ainda continua corrente. Essa crença, na sua quase verdade, nubla o ambiente e não nos deixa ver sua mentira. Foi Alexis de Tocqueville, em A democracia na América (1835), quem expôs o retrato mais justo

Subjetividade – novo verbete

[Artigo indicado preferencialmente para o público acadêmico] Os psicólogos tomam o sujeito como o eu psíquico, os sociólogos o notam como o indivíduo humano. Não se trata de preferência, mas, não raro, de erro. Erro conceitual se esses profissionais se deixam envolver pelo mundo científico acriticamente, isto é, sem a análise necessária a respeito da

Os homens bons podem ser bons e fazer o bem

[Artigo indicado para o público em geral] Hélio Schwartsman alerta-nos sobre os “militantes do bem” (Folha, 02/02/2018). Ele diz que estão aumentando. Estão mesmo, e de fato isso já está registrado na sociologia de Gilles Lipovetsky e nos incentivos da filosofia de Peter Sloterdijk. Hélio gosta deles, mas acredita que podem facilmente ficar tentados a

O que é “Bicho”, de Lygia Clark?

Existe o “dentro” e o “fora”? Sabemos que no mundo ocidental essa pergunta não era importante com os gregos, mas que recebeu atenção quando Santo Agostinho inventou a interioridade. Com o filósofo-bispo Deus passou para dentro do homem, por meio de leis incrustadas no coração humano. Séculos depois, Rousseau deu ainda mais importância – como

Identidade moderna: a intensificação de si

Aprendemos no colégio, nas aulas de história, que as “grandes navegações” e o comportamento intrépido de gente que era chamada de “mercadores” deram o tom para a formação do homem moderno. Seguiram a estes os “empresários”, pessoas capazes de correr o risco com dinheiro investido tanto quanto os primeiros correram risco de vida. Max Weber

O vitimismo chegou na direita!

Clint Eastwood representou o macho do cinema após John Wayne. Ambos tinham a carcaça republicana e reivindicaram para si e para seus personagens a silhueta do que seria o americano típico. Self-made-man durão, sedutor de mulheres até por meio da violência, incapaz de reclamar ou chorar, herói de uma selva do salve-se quem puder. Esse

O corpo liso, esse protagonista contemporâneo

Cresce o número de jovens masculinos, ao menos no Brasil, que não suporta o cheiro de vagina. Não fazem sexo oral com suas parceiras! Além disso, exigem que elas se depilem. A tricotomia é internacionalmente conhecida como produto brasileiro. E mais: entre as mulheres, cresce de modo assustador o “clareamento anal”. Acrescento: o Brasil passou

Acorde! Não existe “hacker do bem”!

Um martelo não representa um produto de tecnologia. A tecnologia não se caracteriza pelo uso de instrumentos. A modinha agora é dizer que o mercado quer gente “especialista em segurança e combate à pornografia infantil na Internet”. São os “hackers do bem”. O nome é infeliz. É de uma ingenuidade que só poderia, mesmo, vir

Como ser inteligente no século XXI?

Um concurso mundial para eleger a maior ignorância que caracterizou o século XX, no meu entender, daria o primeiro prêmio à forma dos intelectuais de dividir livros, autores, pensamentos filosóficos, literatura e humor em modelos criados a partir de caixinhas ideológicas, notadamente “esquerda” e “direita”. Isso é algo que desapareceu na maior parte dos bons

O que é a linguagem, afinal?

SE VOCÊ ESTÁ GRÁVIDA nos Estados Unidos então você está pregnant. Se é uma brasileira nos Estados Unidos, grávida, pode entender “pregnant” muito bem, pois tem em sua língua o termo “impregnado”. Algo cheio está impregnado. Importa aí a quantidade. Mas se você está grávida na Espanha ou na Argentina e lugares do castelhano, você

O corpo que parece nosso – Heidegger, Nietzsche e Sloterdijk

Heidegger acreditava que Nietzsche não havia se desvencilhado da “metafísica da subjetividade”, uma das etapas, para ele, do trajeto condenável denominado “esquecimento do Ser”. Uma das “provas” fornecidas por Heidegger a respeito desse mal acabamento de Nietzsche foi a visão deste a respeito do corpo. De fato, o capítulo “Os desprezadores do corpo”, do Zarathustra,

Older Posts››