Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

25/03/2017

Heidegger

O que é a filosofia após o fim da filosofia?

Quando o personagem louco de Nietzsche declarou “Deus está morto”, muita coisa mais havia morrido. A busca pelo absoluto não interessava ninguém mais a não ser os físicos, que então acreditavam – como acreditam ainda – poder encontra-lo exatamente no pior lugar para se procurar, que é o mundo terreno, material e mutável. A filosofia

Lacan básico

O que disse Jacques Lacan (1901-1981) para a filosofia? Aparentemente, só disse alguma coisa para a psicanálise. Aparentemente. Não apenas nas entrelinhas como nas linhas, disse muito para filosofia. Exatamente à medida que releu Freud de um modo a privilegiar uma noção especial da linguagem, com instrumentos do estruturalismo de Ferdinand Saussure.

Peter Sloterdijk e as saudades de Mileto

“Tudo é água”, disse Tales. Seu discípulo Anaximandro acreditou que a água era excessivamente determinada para ser um princípio de todas as coisas, um arkhé; o que governa o cosmos é o indeterminado, em grego: ápeiron. Mas o discípulo de Anaximandro, Anaxímenes, preferiu voltar ao avô filosófico e encontrar algo entre o completamente indeterminado e a água,

Teoria contemporânea do pecado

Nos anos sessenta as jovens espantaram o mundo e se espantaram mostrando as tetas na rua e em sala de aula. Atualmente todo mundo pode mostrar os seios, não as tetas. Ou seja, o que não se pode fazer é dizer que mulheres têm tetas, ou até mesmo seios!

Nietzsche foi ao velório?

“Deus está morto”[1] – duvido que exista outra frase de Friedrich Nietzsche (1844-1900) mais popular que essa, e também penso que é uma das mais mal utilizadas.

Todos com a boca escancarada cheia de dentes

“Quem não quiser falar de vampirismo, deve calar-se também sobre a filosofia”. E o filósofo alemão continua: se uma frase assim se confirmasse, então “seria o tempo da segunda oportunidade de Marx”. Dessa forma ele termina seu capítulo sobre Marx em Temperamentos filosóficos – um breviário de Platão a Foucault (Lisboa, Edições 70, 2012). Trata-se

‹‹Newer Posts