Go to ...

on YouTubeRSS Feed

16/08/2018

Foucault

Como não entender narrativas históricas. O modo Safatle de não entender.

[Artigo escrito para o público acadêmico] Há uma história que não sabe procurar responsáveis, só culpados. Ela até ajuda, às vezes, o pensamento crítico, todavia, quando impregna a cabeça dos professores exageradamente, transforma-os antes em policiais que em verdadeiros pesquisadores. São absorvidos não por uma visão moral, mas por um moralismo de perseguição que rapidamente

Subjetividade pós-metafísica – um mini verbete

[Artigo indicado preferencialmente para o público acadêmico] “Fim do sujeito” – eis aí um enunciado que pulou os muros da academia e chegou até à imprensa. Isso ocorreu principalmente a partir do final dos anos setenta, especialmente por conta do invólucro chamado “pós-moderno”. Mas, do que se trata? O sujeito não chegou ao seu fim,

Subjetividade – novo verbete

[Artigo indicado preferencialmente para o público acadêmico] Os psicólogos tomam o sujeito como o eu psíquico, os sociólogos o notam como o indivíduo humano. Não se trata de preferência, mas, não raro, de erro. Erro conceitual se esses profissionais se deixam envolver pelo mundo científico acriticamente, isto é, sem a análise necessária a respeito da

Ainda o pênis, esse maldoso!

O pênis parece uma seta. Do mesmo modo que a seta fere e mata, essa simbologia se transferiu para outros elementos semelhantes, principalmente para o pênis, também um agente da morte. Gozar é morrer – ao menos por um pequeno tempo, mas com efeitos duradouros para os dias seguintes, uma imensa boa vontade para com

A revolução vegana é irreversível e rápida

Segundo as estatísticas projetivas de várias universidades americanas, em duzentos anos os veganos e vegetarianos serão maioria. Os consumidores de óleo diminuirão também. Isso será um fato! A indústria da carne e derivados está apavorada, pois segundo suas próprias projeções, em menos de dez anos, já haverá uma queda significativa nos seus lucros. Aliás, isso

Crise da representação

“Fulano de tal não me representa”. Temos visto esse tipo de manifestação, na Internet e nas ruas. Não só no Brasil. Os analistas da vida política falam em “crise de representação”. As pessoas delegam poderes para quem as pode representar na democracia liberal representativa, e logo se sentem traídas. Então, começam a desconfiar de que

Os bichos chegaram

Em 1985 nasceu minha filha. Em 1986 apareceu a doença da vaca louca. O primeiro boato era o de que se alguém comece a carne da vaca louca, principalmente crianças, ficava com os sintomas destrambelhados da vaca. A Inglaterra parecia ser o local da coisa. Mas logo vimos o Canadá não querer comprar nossa carne,

Intimidade e verdade: Montaigne e Rousseau

Há uma passagem de Montaigne a Rousseau que em geral negligenciamos. Um túnel que atravessamos sem nos darmos conta de que caminhamos do homem do Renascimento ao homem da Modernidade alinhados por um aspecto específico: o que fornece uma definição da intimidade como lugar da verdade, e também casa do critério de verdade, e ao

Foucault e a masturbação

Adriana Gonzaga presenteou-me com um texto chamado “O saber gay”, de Foucault (veja aqui). Não conhecia, e me parece que ela, Adriana, acertou bem na sua leitura. Trata-se de uma entrevista de 1978 não incluída em Dits et Écrits. Entre vários assuntos postos, Foucault volta ao tema da masturbação. Ele fala da novidade da interdição da

Eu não preciso agradar, entendeu?

O político vive de voto, precisar agradar. O escritor de auto-ajuda e palestrante vive de falar o que a sua claque quer ouvir, mais que agradar e acredita que tem de puxar o saco de seu grupo. Afinal, e se eles não voltarem? Diferentemente, nós filósofos somos livres, temos o privilégio de desagradar. Mas desagradar

Como ser historiador em tempos de PT?

Para a amiga Janaína Paschoal Hegel dizia que a filosofia é a apreensão de uma época em pensamento. Nos seus termos: apreende-se a história na interpretação dela, racionalizando-a, dando-lhe sentido. Assim, toda filosofia seria, em suma, uma filosofia da história. Hegel entendia que o filósofo, ou seja, o bom filósofo, realizava assim a tarefa de

Older Posts››