Go to ...

on YouTubeRSS Feed

20/10/2019

Qual o serviço de Bolsonaro?


Bolsonaro reclamou do cargo de presidente. Segundo ele a função é chata, trabalhosa, da dor de cabeça etc. A maior parte dos governantes que titubeiam fazem isso. Querem e não querem. Nessas horas, as pessoas acabam se perguntando: mas se não gosta, por que quis tanto, e por que fica? E elas mesmas respondem: é para roubar! Nem sempre acertam nisso!

Essa classe média que acaba sempre dizendo que política é roubo, falcatrua, que o problema do Brasil é a corrupção, em geral vai para a direita, mas até mesmo na esquerda há gente assim. Afinal, Lula se elegeu, em grande parte, com a ideia de combate à corrupção. A visão da corrupção como sendo o grande problema da nação, ou das nações, é um elemento falso e despolitizador. Em geral, encobre uma visão que pode ser melhor, mais útil, a de que, enfim, disputa-se o governo de um país porque isso é um desdobramento da luta de classes.

Mas é aí que as coisas se complicam. Se há luta de classes, e se essa questão está sob o crivo de quem se apropria da mais valia, tal apropriação se dá na disputa entre patrões e empregados, desse modo, tomar o estado significa pouco, talvez só mais trabalho e dor de cabeça. É aí que temos que notar um fenômeno moderno, que repõe a questão da necessidade de tomar o poder, o controle estatal, o governo: trata-se da mudança a respeito de como se apropriar do produto social, para além da mais-valia tradicional.

Recordo aqui um trecho de O capital improdutivo, de Ladislau Dowbor:

“A exploração dos trabalhadores e dos “99% em geral se dá por meio de três mecanismos básicos: o pagamento de salários baixos, a redução de acesso a bens e serviços públicos e a exploração por meio de juros elevados. O pagamento de baixos salários nos é familiar, gera a mais-valia para os proprietários de meios de produção. A redução de acesso aos bens e serviços públicos afeta indiretamente a renda da população: na Suécio ou no Canadá os salários podem ser mais baixos do que nos Estados Unidos, mas o salário indireto sob a forma de educação, saúde, infraestruturas públicas de lazer e outros, com acesso universal gratuito, mais que compensa a diferença, porque a educação privatizada, por exemplo, drena os salários dos trabalhadores. Os planos privados de saúde igualmente. A exploração pelas taxas de juros elevadas, drena a capacidade de consumo das famílias, a capacidade de investimento das empresas, bem como investimento em infraestruturas e fornecimento de bens e serviços públicos por parte do Estado pelos juros elevados. Se o juro é mais elevado do que o impacto produtivo gerado, está se drenando a economia real em proveito de atravessadores financeiros” (p. 303).

O mais-valia tradicional tem um limite matemático. Pode-se ampliar o tempo de trabalho, mas a jornada é finita. O dia é finito. Pode-se, então, apelar para a mais-valia relativa, que surge pela possibilidade da tecnologia: o trabalhador passa então, mais ainda, a produzir mais do que aquilo que necessita para repor a sua força de trabalho. Mas, também nesse caso, há um limite. Aliás, um limite estranho: a robotização pode ser introduzida para substituir de vez o trabalhador. Assim, ressurge a luta política no sentido de querer tomar o poder de estado. Controlar as diretrizes políticas do estado é tentar controlar as atividades dos “atravessadores financeiros”, que em geral ficam, cada vez mais, com o produto social.

Nesse sentido, as classes dominantes se engalfinham na luta pelo controle do estado. Se se dividem, podem apresentar contradições no interior de projetos políticos da direita. Mas, de qualquer forma, se não conseguem suprimir a democracia, ou restringi-la, devem disputar o controle estatal também com os partidos da esquerdas, que visam ser os porta vozes dos setores que, enfim, sentiriam a exploração.

Desse modo, a política nada tem a ver, em princípio, com corrupção. Ela é a administração da cidade, da polis, mas uma administração que deve conter ou avantajar a exploração do produto social, compensando os limites de exploração que se faz para além dos mecanismos tradicionais da mais-valia.

Bolsonaro pode reclamar do cargo. Pode não entender o que faz ali. Mas o capital financeiro sabe bem o que ele deve fazer ali, e vai tentando trazê-lo para uma tal função, a de colaborar com os setores dominantes no sentido da apropriação do produto social. Nessa hora, um agente mais consciente de sua representatividade, como Maia, puxa-lhe as orelhas.

Paulo Ghiraldelli, 62, filósofo.

Tags: , , , , , ,

18 Responses “Qual o serviço de Bolsonaro?”

  1. andre ribeiro filho
    15/08/2019 at 10:46

    BÔA RECUPERAÇÃO, PROFESSOR…!!!!! ÔÔÔ Professor…. a previdência foi pro vinagre…. mas o zoêro continua esquisito…. ÔÔÔ Professor…. o zoêro tá torcendo pra dar tudo certo na sua cirurgia….. e pro senhor se recuperar o mais rápido possível….. e também….. pro senhor continuar colocando luzes nos caminhos da esquerda e do restante da população…. ÔÔÔ Professor…. o senhor é o nosso “”zé da luz…!!!!'””””” ….

  2. Mônica Milléo
    05/08/2019 at 17:09

    Adoro seus textos, são pratos cheios para quem prioriza o pensar.
    Gratidão_/\_

  3. bELINHA sANTOS
    18/07/2019 at 11:22

    aH! cOERE ESSA, FILÓSOFO! eSSA HISTÓRIA DE “LUTA DE CLASSES” VEM LÁ DA revolução fRANCESA, PASSANDO POR mARX, ATÉ CHEGAR NO INEFÁVEL lÊNIN. qUE COISA MAIS ULTRAPASSADA!

    • 24/07/2019 at 20:49

      Belinha, eu sei que você não consegue entender nada da vida, mas não precisa vir aqui passar vergonha

  4. andre ribeiro filho
    13/07/2019 at 15:47

    VAMOS AGIR, PROFESSOR…!!!!! QUE NEM FORMIGAS…!!!! A ESQUERDA TODA JUNTA NUM CEMITÉRIO…!!!! ÔÔÔ Professor…. olha só…. há alguns anos atrás…. o zoêro se lembra…. eu assisti a um documentário que eu achei interessante…. num canal da TV a cabo….. onde só passavam filmes nacionais…. fizeram várias entrevistas…. com vários ex-atores e ex- atrizes das pornochanchadas brasileiras dos anos 70…. e o tema…. era pra falar sobre o que ocasionou o fim das pornochanchadas… e num desses entrevistados…. ( eu achei interessante o fator inusitado…. achei interessante o pedido dele…) eu já não lembro mais o nome dele…. ele chamou a produção do documentário pra entrevistá-lo simplesmente num cemitério…. e ele falou textualmente que era pra realmente simbolizar a morte das pornochanchadas nacionais…. e o zoêro pensou…. na época… comigo mesmo…. mais ou menos assim…. _ “””” é… realmente o lugar combina com o documentário …!!!””””” ÔÔÔ Professor…. tendo como inspiração essa minha memória cultural…..olha só a minha idéia….!!!! como 378 deputados decidiram a infâmia de acabar com a aposentadoria dos trabalhadores do INSS…. eu fiquei pensando…. que tal se os 130 e poucos deputados que….. heroicamente….. votaram contra o desmonte do INSS…. que tal se eles decidissem….. simplismente…. em faltar ao plenário no dia da votação no segundo turno da previdência…. e pra calar a bôca dessa imprensa direitista… dessa imprensa chapa branca… pra evitar que essa imprensa nefasta chamem esses deputados e deputadas de “””gazeteiros”””…. que tal se seus passarinhos….. pedissem….. pra que esses deputados de oposição….. se reunissem todos juntos …. sabe aonde, professor…????? num cemitério popular…..!!!!! num cemitério bem popular de brasília…. daqueles bem fudido….!!!! todo detonado…. com mato alto… muros pixados…. e passassem a tarde desse dia de votação da previdência fazendo faxina nesse cemitério…. em sinal de protesto…. capinando o mato… passando tinta cal nos muros…. fazendo uma faxina na casa da administração… enfim…. uma atividade cívica…. em sinal de protesto contra a morte das aposentadorias do INSS….e….aí… quase no finzinho da tarde… lá pelas 17 horas…. apareceriam quatro ou cinco ônibus alugados…. e levariam esses quase 150 heróis….. com a mesma roupa do corpo…. bem pra porta de uma agência do INSS em brasília…. de preferencia…. a agência do INSS mais próxima possível do congresso…. e lá…. estariam aguardando por eles…. um carro de som com um microfone em destaque … e as militâncias reunidas… e sem interromper o atendimento dos velhinhos nessa agência… pois… pelo horário…. por volta das 18 horas… não tem mais atendimento aos velhinhos…. ÔÔÔ Professor…. imagina a cena…. cada um dos deputados teriam cinco minutos no microfone pra justificar o porquê de ter votado contra o desmonte da previdência…. mais ou menos como numa votação simbólica… como num palanque…. quase como aconteceu na votação do impichima…. repito…. seria como se fosse uma votação simbólica em sinal de protesto…. ÔÔÔ Professor…. essa minha idéia tem três finalidades…. a primeira…. é pra constranger os deputados no congresso favoráveis à morte da previdência do INSS… porque eles não terão oposição pra debater…. ficaria pra eles uma coisa bem “”café com leite””” no plenário…. e eles vão ficar certamente com sorriso amarelo diante das câmeras…. segundo…. pra população ter a real noção da importância da militância de esquerda no brasil……. da falta que ela faz… e o que vão fazer com a aposentadoria delas….. e em terceiro lugar…. não vai mudar o rumo da votação favorável… mas…. o presidente da câmara…. ao ver apenas 380 deputados presentes…. mesmo sabendo que eles vão votar favoravelmente à morte da previdência…. que ele… presidente da câmara…. pode ficar um pouco receoso de botar a votação do segundo turno nesse dia…. pois….. certamente…. ele pode pensar que esse simbolismo da esquerda…. na repercussão desse “”choque visual””” da oposição…. toda junta…. reunida… limpando túmulos num cemitério…. pode repercutir negativamente junto ao “”psiquê””” da população de baixa renda… fazendo a população de baixa renda refletir sobre o que estão fazendo com a aposentadoria delas… enfim… fazer a população refletir sobre esse momento bizarro….. e pode fazer até fazer alguns deputados “”balançarem”””… ou quem sabe…. num milagre…. fazer eles mudarem de idéia na hora da votação….com medo da repercussão negativa que vai ser pra eles…. ÔÔÔ Professor…. como o momento pro povo é meio bizarro …. eu sei que essa minha idéia é mêio maluca….. mas o zoêro acha que esse simbolismo “””combina””” com esse momento …. e tem também um ditado…. (o zoêro gosta muito de ditados…)…. que diz assim….. “”””fudido….!!!!! fudido e mêio…!!!!!”””””

  5. Marcos Paulo
    07/07/2019 at 14:27

    O nosso dileto presidente da República, parece-me, tem um pezinho no bonapartismo, uma vez que ele acaba de declarar que o Povo, em sua totalidade, é algo superior, qualitativamente, ao próprio Parlamento e ele, Bolsonaro, é seu mediador direto e privilegiado, tal como o famoso imperador francês e sua política autoritária.

  6. José Paulo
    05/07/2019 at 21:06

    Olá,Professor!
    Sou um grande admirador do seu trabalho como um grande pensador e critico politico. Como professor de História agradeço muito ao compartilhamento da sua produção intelectual,pois contribui imensamente na construção do processo ensino-aprendizagem.

  7. Milton Paiva Nemert
    04/07/2019 at 15:11

    Professor Paulo, tenho duas questões para o senhor analisar: Bolsonaro, na realidade, é um “pré-moderno”, ao passo que, Fernando Collor de Mello, à sua maneira, era um “pós-moderno”. E outra: Bolsonaro tem um claro pendor bonapartista, uma vez que ele acaba de proclamar que “o Povo( essa entidade abstrata, etérea) é mais importante que o próprio Congresso Ncional”. Em 15 de agosto próximo a França comemora os 250 anos do nascimento de Napoleão Bonaparte.

  8. 26/06/2019 at 16:45

    Professor, me desulpa, mas apenas concordo em partes!

  9. Helena Maria Rodrigues Gonçalves
    25/06/2019 at 19:38

    Olá! Dizem aqui em casa que há uma Helena antes das aulas de Ghiraldelli é outra depois. Obrigada, mais uma vez, pelos ensinamentos. Tenho usado seus textos nas aulas de redação (sou professora de português e revisora). Continuemos rompendo com deficiência cognitiva programada!

    • 26/06/2019 at 00:19

      Helenas são conhecidas por antes e depois. Você sabe o que eu falo, falo de Troia

  10. Rita de Cassia dos Santos
    21/06/2019 at 01:53

    Professor eu me emociono pq estou adquirindo conhecimento e entendimento pelo seu despojamento de disseminar conhecimento, ensinamentos de forma didática sem sombra de duvidas. Algumas vezes o alarme da ñ concordância ocorre. Ai vou buscar informações. Algumas vezes em livros sugeridos ou na internet. Pq me emociono ? Gostaria q muito mais pessoas tivessem acesso a este crescimento critico de pensamento. Principalmente os jovens.
    Obrigada por tanta dedicação !!!

  11. Joab fernandes
    20/06/2019 at 20:09

    Obrigado por nos fazer pensar e nos prepararmos para reconquistar o poder perdido para está direita. Somente através de conhecimento e informação inteligente nos deixará prontos para já nas eleições municipais do ano que vem eleger os candidatos progressistas e camimharemos firmes em 2022. Um forte abraço ao digníssimo professor. Já pensou em candidatar a algum cargo eletivo?

  12. Mario Ângelo Gazos Lopes
    20/06/2019 at 19:57

    Boa Noite.

    O conjunto das intervenções do Bolso prestigia o CApital e logo a Classe Dominante quando diz que quem delimita as terras indígenas, quilombolas é ele, e tranferindo para o Ministério da Agricultura e tantas outras.

  13. Fernando Pinheiro Guimar?es
    20/06/2019 at 17:41

    Professor, obrigado pela disseminação de tanto conhecimento altamente pertinente.
    Um abraço e obrigado,
    Fernando

  14. Eduardo Henrique
    20/06/2019 at 15:16

    O surgimento no mundo de uma aristocracia financeira parasitária está tornando a economia mundial numa espécie de “feudalismo capitalista” onde grupos ganham sem trabalhar e sem produzir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *