Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

23/07/2017

Por que a esquerda está saindo de barriga dessas eleições?


A esquerda está rastejante. Dizem alguns que ela sempre rastejou, mesmo quando estava por cima. É dos répteis o rastejo. Mas o mais interessante  – e triste – é ver as reuniões dos répteis para avaliar “o que deu errado”.

Aquele Frei que não é frei diz: o PT desconsiderou a mídia e também não trabalhou a dimensão ética junto das conquistas sociais. Dimensão ética? O PT iria trabalhar a “dimensão ética”? Jura?! E a mídia? Ora, a mídia é “golpista”, né? Mas de Frei que não é frei até o pomposo Sete-Meses-no-MEC passando por Marilena-Acha-CIA e pelo Historiador-Jesuíta-Que-Quer-Ser-Filósofo (1) chega-se ao mesmo lugar: há erros estratégicos, há o “consenso neoliberal”, há a “globalização”, há a “onda conservadora” etc. Nunca aparece o erro que é erro moral: o PT roubou e depois roubou e, ao final, roubou mais um pouco. Não, mais um pouco não, mas muito mais. Junto disso, administrou mal: fez o BNDS emprestar dinheiro aos ricos, enquanto propagava que estava tentando ajudar os pobres. Criou uma dívida que fez os investimentos fugirem e aparecer o desemprego. A esquerda faliu o Brasil. E o que é pior, o PT hegemonizou a esquerda de tal modo que carregou consigo até os seus elementos honestos. Mas agora, na avaliação, não há um elemento sequer que consiga assumir isso. Na política, com cargo, talvez a única voz de esquerda com coragem de uma análise sem canga é o senador Cristóvam Buarque.  Afinal, alguém deve dizer ao Historiador-Jesuíta-Que-Quer-Ser-Filósofo que ele não sabe o que é a PEC 241.

Estamos em uma época de revisão de valores mesmo! Particularmente, tenho insistido que pai como o da Ana Júlia, a garota papagaio (um tipo de Kataguiri de esquerda), é alguma coisa abominável na sociedade brasileira. A justiça deveria lhe tirar a guarda da filha. Não se pode incentivar uma filha a ser “guerreira” se os valores de ser de esquerda contam mais que os valores morais de ser honesta. Guerreira que acha que há algo maior que ser honesta é uma merda. A primeira coisa que a garota deveria fazer, se quer discursar e ser considerada seriamente, é parar de recitar a cartilha do papai, funcionário do PT. Parar de acusar “sociedade”, “mídia” etc., e olhar para o papai e dizer: “meu pai, seu partido é uma quadrilha, vamos mudar, vamos sair disso, vamos ser gente honesta”. Há muitas famílias que não se importam com politização, mas com ser honestas. Isso é o que vale.

Quando em cada família que quer ser de esquerda tivermos os valores da honestidade moral maiores que os valores de qualquer tipo de postura política, então realmente fará sentido algum ideal. Fora disso, não mesmo. Fora disso a política de direita, odiosa quando se torna deliberadamente hostil aos mais pobres e às minorias, terá o mesmo valor da política de esquerda.

Paulo Ghiraldelli, 59, filósofo. São Paulo 31/10/206

(1) Eu tenho uma profunda desconfiança de padre (jesuíta, então, meu Deus!) que larga a batina, mas que então, já sem travas morais institucionais, usa instrumentalmente a catequese no trabalho de auto-ajuda, na atividade comercial de vender afagos.

 

Tags: , , ,

26 Responses “Por que a esquerda está saindo de barriga dessas eleições?”

  1. 06/11/2016 at 11:28

    Estou rindo de você, aqui, meu caro “esquerdófilo”! Ou qualquer palavra parecida com estaúltima… Cala-te, boca!

  2. 06/11/2016 at 05:30

    E eu sou antiliberal e anticomunista, a um só tempo. E essa história de esquerda e direita? Bom, José Chasin já dizia, ainda em 1989: “A esquerda morreu”! Logo ele que até então fora marxista…

    • 06/11/2016 at 09:09

      Zito, querido galinha verde, volte para seu túmulo. O mundo caminha para outro lado.

  3. 05/11/2016 at 11:23

    “Antifascista”? E desde quando Integralismo foi ou é sinônimo de “fascismo”? Isso sempre foi intriga da oposição! José Chasin que, à época da pulblicação de seu livro, era marxista, discordava radicalmente dessa interpretação. Mas, enfim, tudo é uma questão de ponto de vista. Reitero: (re)leia a obra dele.

    • 05/11/2016 at 11:24

      Zito então sou anti-integralista, anti-Zito, anti-toda essa sua burrice de direita.

  4. 05/11/2016 at 10:46

    Acho que não me fiz entender, Paulo. Serei mais direto, então. Quando falo de democracia orgânica ou integral estou falando do Integralismo de Plínio Salgado que, já na década de 30, propunha essa ideia. Hoje, em pleno século XXI, eu falaria de um “neointegralismo”, um Integralismo renovado e mais coetâneo com os novos tempos, uma possível alternativa à democracia liveral, puramente reprepresentativa e “partidocrática”, entre outras tantas ideias que não cabe a mim aqui elencar, pois não quero aborrecer você e seus leitores. Apenas sugiro-lhe que acesse o site da F.IB, Frente Integralista Brasileira, sucedânea do Integralismo de Plínio Salgado nesse início de século. “Más recordações”? Muito pelo contrário, meu caro! Por favor, leia( ou releia)o livro de José Chasin a respeito do Integralismo, “O Integralismo de Plínio Salgado”, de José Chasin, vendido na Estante Virtual. . E foi justamente essa mesma democracia liberal de matriz anglo-americana que Plínio mais criticou e rejeitou. Essa democracia liberal-burguesa, a serviço do Grande Capitalque, por seu turno, é iinimiga do Comunismo apenas na superfície. Ambas servem, cada uma a seu modo, à “Conspiração Judaico-Maçônica”, hoje em franca ascenção.

    • 05/11/2016 at 11:02

      Você se fez entender, e eu respondi certo ao dizer que tais palavras não eram bem vindas. Sou anti-fascista cara.

  5. 04/11/2016 at 20:16

    Não sei o que você pensa a respeito, Paulo, mas o que defendo é um outro tipo de democracia que, tenho absoluta certeza, substituirá com larga vantagem essa carcomida democracia liberal representativa: a democracia orgânica ou integral, que porá um ponto final nessa malfadada “partidocracia”. É uma bela discussão, não é mesmo?

    • 05/11/2016 at 08:15

      Zito prefiro viver na democracia liberal de tipo americana, com candidatos de partidos e avulsos. Não sei o que é “orgânico” e “integral”, mas fujo dessas palavras, elas trazem péssima recordação.

  6. gay enrustido
    01/11/2016 at 21:46

    Paulinho, às vezes acho que você tem ciúmes, inveja do Janine, do Karnal, do Pondé, até do Olavo voce deve ter inveja.

    Cristóvam Buarque de esquerda? Defendendo uma PEC que alivia a carga dos mais ricos? Paulinho, Paulinho…

    • 02/11/2016 at 09:54

      Caro Viado Enrustido. Não pode me chamar de Paulinho, não sou seu amigo. Agora veja: Aristóteles criticou Platão por inveja, Agostinho criticou os céticos por inveja, Tomás criticou Agostinho por inveja, Descartes criticou os Jesuítas por inveja e assim por diante. Marx, o grande invejoso, criticou Feuerbach e Hegel. Nos nossos dias, toda a filosofia americana é só inveja, uns criticam os outros. Ciúmes e inveja. Assim anda a filosofia, não é, Gay? Há críticas boas e críticas que, apesar de ranhetas,são boas. A filosofia tem problemas objetivos, e a crítica filosófica é objetiva e subjetiva, correta e ranheta, mas é pela objetividade que caminha a filosofia. Quem está no meio filosófico, sabe disso. Você não está, então, para você, tudo parece exterior. Alguns pensadores são pensadores de verdade e respondem críticas, outros não, respondem no privado e não no público. Eu sempre prefiro o meio público. Sou como o Calligaria dizendo para o Safatle: falou de mim sem me citar? A filosofia é assim! Fiz uma crítica à Marilena Chauí, tanto em termos da filosofia (pontualmente: sobre Sócrates) e uma crítica política. Ela não quis ouvir, ou ouviu e não tem mais resposta. Assim caminha a coisa. Agora, Gay, quando um filósofo critica o outro, como eu faço, não o invejo, pois eu não invejaria o erro. Aliás, se tenho algo contra o filósofo, pessoalmente, mágoa, eu não o critico, evito. Mas tenho a responsabilidade perante a filosofia e fazer a crítica, de me mostrar, de dizer: ainda que ele se cale, eu preciso avisar meus alunos, eu vou continuar meu trajeto. Tudo isso, é difícil de ser entendido por pessoas como você, dado que escolheu ser “viado enrustido”, ou seja, alguém que tem vergonha do próprio nome. Sobre Cristóvam e a PEC, nesse caso, já respondi em vários artigos. E acho que pela linha que você escreveu, você não entendeu minha posição, e nem quer entender. BEm, respondi a você, ao contrário de outros que não respondem. Garanto, não foi por ciúmes ou inveja, não tenho inveja de viado? Não, não é isso, não tenho inveja de quem tem vergonha de se identificar. Tá feliz? Bem, se vier com as mesmas perguntas, a mesma coisa, terei o direito de não responder mais, certo?

    • 02/11/2016 at 13:30
  7. Eduardo
    01/11/2016 at 11:53

    Paulo, o que você pensa sobre o livro “O ópio dos intelectuais”, de Raymond Aron? Pode ser considerada uma obra de referência?

  8. Henrique
    01/11/2016 at 03:06

    O PT errou muito, mas a direita brasileira é muito pior que o PT. Por isso espero que o PT se recupere logo e ajude o povo novamente na construção da democracia brasileira. A esquerda tem que se reerguer, para o bem de todos.

    • 01/11/2016 at 11:38

      Henrique eu acho que você realmente não bate bem da cabeça. O PT é uma quadrilha cara. Não é como a direita, que rouba individualmente ou forma grupelhos de roubo. O PT acabou. A população vai procurar esquerda noutro lugar, mas não vai repetir mais o erro, pois o erro do PT é o erro da esquerda que o PT combatia. A forma de partido de esquerda, sem democracia interna, está errada.

  9. Eduardo
    01/11/2016 at 01:10

    Paulo, você me indicar algum livro sobre neoliberalismo? É que alguns materiais que já li sobre o assunto escritos por intelectuais de esquerda são sofríveis. Você percebe logo o teor militantes das abordagens.

    • 01/11/2016 at 01:45

      \Procure aqui no meu blog o artigo do Alberto Tosi Rodrigues. Sobre as teorias gerais o livro meu Filosofia política para educadores (Manole)

    • Eduardo
      01/11/2016 at 01:53

      Encontrei. Obrigado pela indicação. Vou adquirir o livro também.

  10. Luciano
    31/10/2016 at 21:35

    Paulo, esquerda e direita podem ser definidas por estatismo e não-estatismo? Pra mim parece uma definição bem simplória.

    • 31/10/2016 at 22:28

      Não, claro que não. Veja no meu blog tem essa questão em vários artigos. Procure. A definição por estatismo não é simplória, é errada. É ela que faz com que energúmenos olavistas vejam o nazismo como de esquerda. É coisa de gente analfabeta.

    • Luciano
      01/11/2016 at 00:09

      Pois é. Ouvi isso de um fã do Pondé. Deve ser olavete tbm. Estatismo = esquerda e não-estatismo = direita, não -estatismo do bem e estatismo do mal. Me deu vontade de rir. Esse pessoal não gosta de estudar. Vou procurar seus artigos sobre o assunto.

    • 01/11/2016 at 01:46

      Luciano, mas isso não é questão de estudo, é apenas ter feito o ensino médio.

  11. Cesar Marques - RJ
    31/10/2016 at 20:39

    Bom, como todos os males da sociedade brasileira residem no PT(ismo) e dado que esse partido foi varrido do cenário eleitoral, suponho que agora o Brasil está no rumo, em pleno vapor, do nosso sonhado desenvolvimento econômico-social. E isso com Dória e Crivella como pontas-de-lança.

    • 31/10/2016 at 22:29

      Crivela era ministro do PT, César. Já vi que quer ser burro. Seja.

  12. Matheus
    31/10/2016 at 15:34

    Resta saber se a esquerda rasteja como crocodiliano ou como víbora mesmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *