Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

25/06/2017

Pouca coisa vende mais que Hitler


Há uma fonte de lucro chamada Hitler. Sabe dela?

Hitler foi sem dúvida o maior pastiche da história, em todos os sentidos. Como o homem que salvaria a Alemanha, uma farsa que enganou até bons intelectuais. Como o homem que fez todo alemão se tornar nazista e criminoso, uma mentira. Como o substituto do demônio, um claro exagero e uma tolice. Por fim, como a encarnação de um doente mental inimputável, uma bobagem escapista sem tamanho – Hitler não foi nenhum doente, não mais que um de nós que vê comunista embaixo da cama ou Incas Venusianos comandando São Paulo.

A única verdade de Hitler foi a de que ele usou da ideia de socialismo de uma maneira torpe: estatizou empresas não para colocá-las sob o comando popular, mas para subjugá-las a membros do seu partido que passaram a funcionar como falsos e desastrados capitalistas. O nacional socialismo foi um capitalismo de estado com a justificativa da beligerância e com o apoio de um xenofobismo histórico que a Europa sempre conhecem bem. Foi um dos maiores fracassos econômico-administrativos já vistos na história. Uma cambada de fracassados escolares e sociais, muito parecidos com Hitler, puseram uniformes impressionantes e bota bem lustradas e passaram a administrar empresas e órgãos estatais, e rapidamente puseram tudo a perder. E a guerra pouco teve a ver com isso.  Nunca se viu tamanha ineficiência administrativa empresarial que no tempo de Hitler.

Mas hoje há uma outra verdade de Hitler: ele é o produto cultural mais vendável que temos. Qualquer filme ou livro ou peça teatral ou narrativa jornalística ouhitler1 descoberta de arquivos que tenha o nome “Hitler” atrai uma massa enorme de consumidores. Hitler governou usando de uma censura que parecia não ser censura e fez do ato de guerra uma pilhagem sem fim. Então, produziu uma névoa histórica fantástica: todos nós acreditamos que há algo a ser dito que ainda não foi dito. Como ele, um pintor medíocre e um homem recalcado conseguiu comandar uma nação de grandes cérebros? Como ele, um homem que serviu de chacota mundial para Chaplin, conseguiu impressionar pessoas inteligentes? Como que ele conseguiu contar a verdade da guerra, mostrando perdas, e ao mesmo tempo esconder – sem de todo esconder – o cheiro de carne humana queimada vinda dos campos de concentração? Por que só se casou ao final da guerra? Era ou não homossexual? Por que foi capaz de proibir a caça e o maltrato aos animais e, ao mesmo tempo, tratar seres humanos abaixo de qualquer condição de animais de abate? Como morreu de fato? De que maneira colocou os alemães dentro de Berlin para usufruir de uma prostituição famosa e condenada pelo Reich? De que forma ele próprio acreditou na sua farsa biológica e nas pesquisas pouco saudáveis de médicos esquisitos? Todas essas perguntas já foram respondidas e tais repostas causam de novo chances para novos relatos e reposição das perguntas. Se alguém tiver uma carta de um parente de Hitler, ainda que seja de uma linha, ela vale mais que um testamento inteiro mostrando real e verdadeiramente sexo entre Jesus e Maria Madalena. Hitler é o único homem que ainda faz a palavra “escândalo” vir a ter uma semântica que dispensa a invocação de implicações sexuais.

Quanto mais se descobre coisas a respeito do nazismo, mais a curiosidade aumenta. É uma fonte inesgotável de histórias. Ao mesmo tempo – e Tarantino provou isso – é um buraco sem fim de expiação de nossas culpas. Se há algo que faz Stalin abaixar a cabeça para Hitler, lá no inferno, é justamente essa tendência do segundo de poder arrancar mais curtidas no facebook do reino de Satanás que o primeiro. Stalin não criou nenhum mistério, ainda que o fim da URSS tenha agarrado todos nós de surpresa, diferente do fim da Alemanha nazista. Stalin possui um filme biográfico, a partir de narrativa de sua filha. Hitler é fonte de uma indústria cinematográfica que só vai aumentar, mesmo agora, no século XXI, quando a sua imagem está começando a ficar distante.

Hitler não chama a atenção por conta de existirem neonazistas no mundo. Ele é fonte de curiosidade exatamente porque ele jamais foi racional. Sua construção da Grande Alemanha sempre trouxe no seu interior a ideia de que aquilo poderia não se realizar, ou mesmo que nunca se realizaria, e que o destino da Guerra seria a destruição total da Alemanha, o que de fato ocorreu. No ano de libertação, milhões de pessoas na Alemanha não se sentiram libertadas, e se mataram. Colocaram fins em suas vidas porque foram estupradas pelos exércitos democráticos da frente Ocidental e pelo Exército Vermelho na outra frente. Milhares se mataram por causa da fome. Outros milhares se mataram por não terem mais nenhuma força para a reconstrução diante de uma culpa imensa imposta pelo mundo. Mas Hitler pode ainda ser investigado e despertar curiosidade legítima porque a Alemanha está aí, contra ele e a despeito dele, como potência mundial democrática, elevada por uma reconstrução inaudita e sem precedente histórico.

Um souvenir nazista hoje dá de mil em cima de qualquer peça da cueca que Chê Guevara ou de um alfinete de frauda de Stalin.  Não sei se isso deva ser comemorado pela direita. Mas, se imaginarmos neonazistas ou fascistas, como funciona a cabeça deles, talvez isso seja sim, para eles, um motivo de orgulho.

Paulo Ghiraldelli, 58, filósofo,.

Tags: , , ,

31 Responses “Pouca coisa vende mais que Hitler”

  1. Paulo
    05/04/2017 at 21:33

    Vc é um estupido.

    • 05/04/2017 at 22:11

      Solevida1967 tadinho de você. Sinceramente, fiquei com pena.

  2. Robert duarte
    16/07/2016 at 10:02

    Paulo além dos intectuais que apoiaram o nazismo
    Evangélicos. Católicos. Etc
    TB o apoiaram?

    • 16/07/2016 at 10:33

      E daí? Já vi intelectual dar apoio até para …o PT! Até para o Bolsonaro.

  3. Marcos Silva
    14/07/2016 at 09:43

    Parabéns pela clareza textual.

  4. Homero
    13/07/2016 at 19:47

    Talvez essa obsessão por Hitler nos diga mais sobre nós mesmos do que quando tentamos achar algo sobre ele.

  5. Valmi Pessanha Pacheco
    13/07/2016 at 10:13

    Prof. PAULO
    Tanto o Nacional-Socialismo quanto o Socialismo/Comunismo, conforme ilações do seu excelente texto, nada mais são que extremos que se tocam e prejudicaram sobremaneira o processo civilizatório. Realmente, tanto um modelo como o outro demonstraram notável incompetência de gestão e se exaurem na própria fragilidade dos objetivos e metas que constituem a economia planificada na qual as pessoas, com seus sentimentos, anseios e frustrações, são ignoradas pelos planejadores impregnados de vã ideologia.
    Parabéns.
    Valmi Pessanha

    • 13/07/2016 at 10:50

      Não sei Valmi se se tocam. Parece que se tocam, mas são totalitarismo completamente distintos e forjam subjetividades b em diferentes.

  6. Danilo Briz
    12/07/2016 at 08:19

    PAULO GHIRALDELLI CONFIRMA PRA MIM. FOI VOCÊ QUEM DISSE QUE “A RACHEL SHERAZADE DEVIA SER ESTUPRADA ?”, PORQUE TODO MUNDO VIU E CURIOSAMENTE COM VOCÊ A MARIA DO ROSÁRIO NÃO TEM TRETA.

    • 12/07/2016 at 08:27

      Claro que não disse isso. Ela foi na justiça e perdeu para mim. O caso se encerrou na própria delegacia. Provei que não era eu. Agora, no mesmo período, ela tomou vários processos por calúnia e está pagando multa alta. Agora, sobre Rosário, eu não sei quem é.

    • André
      12/07/2016 at 19:08

      Eu não sei como o prof. Paulo conseguiu provar que não postou as ofensas – espero que não as tenha feito mesmo. O certo é que ele frequente e desnecessariamente é agressivo com as pessoas, o que é uma pena, pois seus textos em geral são bons. Isso acaba afugentando leitores atentos e atraindo leitores panacas – o que parece ser o seu caso.

    • 13/07/2016 at 08:47

      André eu não sou desnecessariamente ofensivo, e minha ofensa não atrai leitores ruins, eles já vieram, levam patadas, e caem fora. Veja seu caso. Você veio num artigo meu não para falar do artigo, mas para fazer fustigação pessoal, que não cabe aqui nesse espaço. Quem é você? Um leitor ruim, um leitor que não quero. Quero só leitores inteligentes e interessados nos próprios artigos, não olavetes ou gente que quer proteger uma Sherazade, uma mulher que vai na TV elogiar os caras que amarraram um negro num poste. Leitores assim devem procurar outro lugar. Não sou político ou escritor de auto-ajuda, não preciso de mais leitores do que já tenho. Gosto dos bons leitores. Agora veja você: “eu não sei como conseguiu provar …”. Viu como o ofensivo é você? Então, como o ofensivo é você, a pancada vai para você. Agora Adeus, não volte. Se você voltar vai levar mais pancada. Talvez esteja gostando. Mas não se acostume, não tenho tanto tempo a perder com panacas.

  7. Danilo Briz
    12/07/2016 at 08:17

    PARTIDO NACIONAL SOCIALISTA ALEMÃO ?
    SOCIALISMO DE DE DIREITA ?
    HITLER ERA LIBERAL ?

    • 12/07/2016 at 08:31

      Em resposta a Danilo Briz:
      Danilo, um liberal não necessariamente é de direita. Um liberal com traços fortes de conservadorismo, sim. O Nacional Socialismo visava estatização, mas nada de socialização de meios de produção e muito menos controle da produção e da vida social que visse das mãos da população em geral. Nasceu aí a noção de nacional socialismo, ou seja, nazismo, com um forte pendor para a hierarquia e para a vida hierarquizada segundo um meritocracia ideológica, e não de competência. Ou seja, o oposto do socialismo. Assim foi e assim se ensina nas escolas e é assim que o vestibular pede. Os desescolarizados não conseguem entender isso, e não têm problemas, já que não farão vestibular. Além do mais, teimarão em serem auto-didatas e estarão sempre passando vergonha. Sorte que não sabem, eles mesmos, que passam vergonha. É como funciona um Olavo de Carvalho.

    • Danilo Briz
      12/07/2016 at 08:50

      é assim que o vestibular PEDE, porque vocês são CONTRA a desideologização da educação, se vocês não tivessem aparelhado o MEC e o ministério da educação, nenhumas dessas camadas sobre camadas de mentiras estariam sendo contadas e NENHUM VESTIBULAR forçaria os alunos a aprender mentiras e propaga-las para ter um diploma.

    • 12/07/2016 at 08:52

      Danilo, os vestibulares do mundo, meu caro. Danilo, esqueça, educação, leitura, escola, estudo isso não é seu forte. Procure algo ligado ao trabalho manual.

  8. Tiago Mello
    11/07/2016 at 21:19

    O nazismo era direita?

    • 11/07/2016 at 21:24

      Porra, não vai me dizer que você não foi na escola? Tem dó né? O nazismo é a extrema direita. Meu Deus!

    • Danilo Briz
      12/07/2016 at 08:27

      por uma lado você diz que a escola ensina que Hitler era de extrema direita, mas por outro defende que os professores militantes possam dar a aula na perspectiva ideológica que quiserem, então, você ta só de picaretagem.NA ESCOLA SÓ ENSINAM ISSO PORQUE GENTE COMO VOCÊ ENSINA ISSO POR ORIENTAÇÃO IDEOLÓGICA.

    • 12/07/2016 at 08:53

      Danilo o mundo todo ensina assim, o fato de você não conseguir entender isso é porque você foi o doutrinado. Doutrinado na burrice.

    • Thomas
      12/07/2016 at 10:44

      Nem todo lugar do mundo e não era de direita a única diferença entre o nacional socialismo e o comunismo é que o nacional socialismo não pretende chegar ao comunismo porque é impossível.
      Já demonstrado na prática e teoricamente.

    • 12/07/2016 at 11:22

      Thomas não, não é isso. Ai meu Deus!

  9. 11/07/2016 at 12:46

    esta sua explanacao nao tem logica nenhuma , pois este mpartido que esta no poder lembra este bandido do hitler, voce e um bocal letrado e tenho do de individuos como voce

    • 11/07/2016 at 19:10

      Leopoldo termina o ensino fundamental que aí, talvez,dará para entender o que escreve.

    • Danilo Briz
      12/07/2016 at 08:30

      novamente, QUAL A VALIDADE DE UM ENSINO FUNDAMENTAL AONDE PROFESSORES SÃO ORIENTADOS IDEOLOGICACAMENTE A ENSINAR SÓ O QUE LHES INTERESSA PAULINHO ?

  10. LMC
    11/07/2016 at 11:46

    O pessoal da Escola Sem Partido deve
    gostar muito de Hitler.Eles odeiam Marx!
    kkkkkkkkkk

    • 11/07/2016 at 19:12

      Hitler jamais defendeu o que eles defendem, só Marx.

  11. Walyson
    11/07/2016 at 11:46

    Concordo, acho importante ressaltar o fato do seu livro neste ano estar sendo reeditado para venda. Nas primeiras semanas tornou-se um dos mais vendidos na Europa, e outros lugares… No certo, o pensamento de Hitler, ainda hoje, desperta curiosidade de mutos, o cinema de Hollywood explora muito isto, principalmente, o holocausto- Steven Spielberg, acertou em cheio, 9 Oscar- entretanto, é necessário que seja debatido o teor psicótico contigo neste livro, Mentes fracas facilmente caíram nas palavras de Hitler, hoje facilmente poderia se repetir.

  12. Izaias
    11/07/2016 at 11:32

    Matias Freitas Agora, sim estamos de acordo… uma coisa que tenho reparado nos últimos anos é a imensa quantidade de revistas sobre Hitler que inundam as bancas de São Paulo todos os meses; não só em bairros nobres ou do centro de SP mas tbm nas periferias… se vende eu não sei mas elas estão lá,,, às vzs mais de uma… Quem andar pela avenida Paulista não encontrará sequer UMA banca de revistas sem uma publicação sobre esse canalha… parece até algo bem planejado…

    • 11/07/2016 at 11:37

      Não invente teorias da conspiração para além do que já temos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *