Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

24/03/2017

“Não matarás” – que mandamento escroto, né?


É difícil construir um país sem que paire sobre sua terra o espectro da morte?

A morte é a solução. O Brasil quer adotar essa regra faz tempo. Luta-se contra uma tal regra aqui e ali, mas a nossa população, dita “pacífica, ordeira e cordata”, tem uma propensão histórica para a solução higienista: vamos limpar o ambiente, dizem.

Quando alguém engravida, aparece uma feminista de esquerda e endossar a frase: “o corpo é seu, tem que ter o direito de abortar”. A frase da feminista é um eufemismo dessa outra: “aborta aí minha nega, é um direito seu matar”. É necessário poder matar e se manter limpo.

Mas se a moça que recebeu a frase não aborta e seu filho nasce e cresce, em vários casos ela não deixa de ser uma “minha nega”. Então, o garoto é “abortado” pela polícia. Eis que aí o conservador diz: “conseguimos pacificar aquela comunidade”. Mas isso é o eufemismo de “minha nega, eliminamos o bandidinho, o bairro está limpo”.

Um país que precisa matar porque não possui nenhum criatividade para resolver problemas que ele mesmo criou é um país de esquerda e direita tradicionais. É gente dominada antes de tudo pela incompetência.

Paulo Ghiraldelli, 57, filósofo.

Tags: , , , ,

2 Responses ““Não matarás” – que mandamento escroto, né?”

  1. Matheus Kortz
    27/04/2015 at 16:53

    Agora pude entender… tendo me considerado de esquerda, tenho uma visão simpática à voz da feminista que clama a morte do bebê, mas é verdade, isso é incompetência e anacronismo, afinal poderiam-se estabelecer políticas de apoio a mães indesejosas de seus filhos (estupro, gravidez inesperada, desamparo do garotão que “foi lá e fez” entre outros), bem como de punição a homens “relapsos”, ou outra coisa. Finalmente pude entender seu ponto de vista e ainda bem que me livrei da sequência ilógica do “não defende o aborto, logo machista!”.

    • ghiraldelli
      27/04/2015 at 17:33

      Não ponho posição política na frente de posição filosófica. Mas, mesmo para os que assim fazem, uma vez que não são filósofos, deveriam poder não se alinhar de modo imediato. A política não é boa conselheira da razão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

About Paulo Ghiraldelli

Filósofo