Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

17/08/2017

O pensamento sem utopia é pensamento?


O pensamento se estabelece como um vento, dizia Heidegger a respeito da atividade de Sócrates. O pensamento desloca o que está estabelecido.

As utopias clássicas não são históricas, isto é, elas não são meias utopias que, sub-repticiamente, querem se realizar e se negam, então, como utopias. Elas são exatamente o que não existe e não vai se realizar, e suas narrativas deixam isso claro, uma vez que só um tolo não percebe como elas são detalhistas e francamente descabidas. A função delas é o exagero do oposto ao real, de modo a fazer com que as pessoas possam pensar segundo a obra do vento, pensar deslocando, no âmbito mesmo do pensamento, o que está estabelecido.

Podemos rir muito ao ver Thomas Morus detalhando as formas de convívio em sua comunidade utópica, chegando a dar o tamanho das mesas. Podemos nos divertir mais ainda vendo pedagogas querendo agir do modo como Rousseau diz que teria de se fazer com Emílio, no romance com este mesmo nome, ou seja, de esperar ele inventar um telescópio para só então aprender astronomia.

A utopia é o detalhismo em favor do vendaval. Ela é negativa. Pode ser positiva? A utopia tem muito a ver com as obras do chargista.  A versão positiva dela não é filosófica, mas sociológica, e apareceu no “tipo ideal” de Weber. Aliás, este pensador dizia que a sua tarefa era a de exagerar.

Pensar sem utopia dificilmente é pensar. Um homem que diz que pensa e não consegue oferecer utopias não é um pensador, é apenas um operário de maquinações mentais, não tem vocação para a filosofia. A filosofia tem o dom da utopia. A utopia é a forma maximamente radical de receber um choque de realidade.

Os enraivecidos contra utopias possuem dificuldades imensas quanto à compreensão do que leem, pois a leitura boa é a leitura do que em algum nível oferece ao menos uma pitada de utopia. A filosofia tem um pé na ficção para apresentar de modo desbanalizador o real. Ela é ingenuidade do não ingênuo. Ingenuidade autêntica.

Paulo Ghiraldelli, 58, filósofo.

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *