Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

27/03/2017

Sloterdijk e Enzensberger trazem novamente para a Alemanha “O pequeno príncipe”


2015: duas traduções simultâneas de O pequeno príncipe na Alemanha? Presentes de dois monstros da cultura atual germânica: o escritor Hans Magnus Enzensberger e o filósofo Peter Sloterdijk. Coincidência?

Quando veio o fim da URSS, Enzensberger fez uma previsão que não se verificou. Disse que com o passar do tempo surgiria um movimento saudosista em relação ao comunismo. Essa sua fala não tinha a ver com desejo subjetivo, mas com algo mais importante: estávamos e agora estamos ainda mais sem qualquer esperança na “sociedade do trabalho”. Ou seja, os jovens viriam a perceber, depois de algum tempo, que o trabalho na garras do capitalismo não era tudo aquilo de bom que imaginavam, após terem se livrado do trabalho odioso levado a cabo pelo socialismo.

Falando da sua tradução, Peter Sloterdijk acentua um elemento do livro: nele não há o trabalho. Ou melhor, até existe, mas é um trabalho completamente esquisito, desprovido de tudo que podemos imaginar que seja um trabalho: contar estrelas. Sloterdijk admira: trata-se de uma forma inusual de trabalho. Ora, na verdade, trata-se do sonho contra o real, contra o trabalho. Esse é o fio condutor.

As traduções simultâneas não me parecem ser frutos de um desejo ingênuo de dar ao povo alemão, mais uma vez, o direito ao sonho. As levas de deserdados do mundo estão batendo às portas dos cantões ricos da Europa. A grande estufa europeia acordou do seu sonho de pós-Guerra Fria. Então, não se trata de buscas para a recuperação de sonho ou capacidade para sonhar, mas de olhar criticamente como ele foi possível, como ele embalou o que o próprio Sloterdijk diz que seu país passou na última década, uma Belle Époque tardia.

Sabemos bem o quanto a Alemanha, após os esforços de recuperação da Guerra e, em seguida, após o duro trabalho de reunificação de 1989, respirou ares de uma invernada capaz de celebrar o mimo.  Rica, poderosa, sem dramas militares, democrática, a Alemanha da última década mostrou-se longe de um lugar ruim. Durante toda a crise mundial mais recente, sobreviveu de maneira a não colocar seu povo sob sofrimento. Chegou mesmo a poder ajudar vizinhos. Ora, talvez agora seja o momento de entender os livros que buscam sonhos e inoculam sonhos, para saber como que, por uma oportunidade pequena, os povos sonham. Entender a cultura da dureza que é a cultura alemã, ao menos aos olhos de outros, é uma coisa. Mas entender que a cultura alemã é também a cultura que agarra pequenas oportunidades de sonhos, parece ser uma tarefa mais difícil. Aliás, hoje a Alemanha talvez represente, com os Estados Unidos, o símbolo da sociedade da leveza. São essas sociedades que têm agora na soleira de suas portas milhares de desgarrados.

O pequeno príncipe volta para o público alemão em duas traduções grandiosas. Como será recebido? Ora, há mercado para tal. Cultura e capitalismo sabem disso. E da parte do segundo polo, o filósofo e o escritor também sentiram que deveriam pegar o livro do aviador.

A Alemanha é hoje uma bússola cultural, em parceria, claro, com o que vem sempre sendo cumprido pelos Estados Unidos. Se os intelectuais germânicos sentem que precisam trazer do francês para o alemão o mundo em que a ocupação é o contar estrelas, isso não nos deve passar despercebido. Talvez também estejamos, aqui no Atlântico sul, não longe desse espírito, dessa “necessidade”. Talvez todos nós do Ocidente tenhamos que elaborar uma arqueologia de nossa capacidade de sonhar. Quem sabe não tenha chegado a hora não de louvar a poesia, o amor, o sonho e a fantasia, mas de elaborar novas compreensões desses nossos louvores para além das primeiras explicações banais que eles provocam.

Paulo Ghiraldelli 58,  filósofo.

Entrevista de Peter Sloterdijk sobre a publicação

Tags: , , , ,

4 Responses “Sloterdijk e Enzensberger trazem novamente para a Alemanha “O pequeno príncipe””

  1. kau mascarenhas
    02/03/2016 at 11:47

    Pedro, há um projeto de lei aqui no Brasil (não recordo se passou e se já está em vigor) impondo mudança de nomes de logradouros públicos que lembrem personagens da nossa ditadura. Questionável. Creio que há algumas realidades que merecem ficar registradas para nos fazer lembrar que algumas sombras fazem parte da nossa própria história. Apagar algumas marcas seria apagar quem somos. Isso dá pano pra muita manga filosófica!

  2. 06/01/2016 at 12:27

    Paulo, por que a Alemanha deixou as marcas da guerra (nos prédios e ruas) intactas? Já ouvi quem se queixasse que a “boa vida” de hoje anda acompanhada da “barbárie” do passado. Apesar de que claro, nada “atrapalha” a boa vida de hoje.

    • 06/01/2016 at 13:40

      Pedro, Arendt dizia que os alemães se tornaram democratas e comunistas tão rápido quanto haviam se tornado nazistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

About Paulo Ghiraldelli

Filósofo