Go to ...

on YouTubeRSS Feed

19/11/2019

Nossa língua nossa vida – e nossa morte.


Nossa língua nossa vida – e nossa morte.

Plutão foi rebaixado da condição de planeta passando a figurar como um asteróide. Isso foi feito da mesma maneira que todas as outras classificações. Não consultamos os negros quando os pegamos na África e os consideramos quase iguais a nós, humanos. Não consultamos as borboletas quando decidimos que elas poderiam ser pregadas e postas em vitrines ao invés de simplesmente comidas, como fazemos com outros animais. Fazemos e desfazemos do mundo. Nós realmente somos pouco democráticos ao decidirmos o destino semântico do que vemos por aí. Não raro, por essa semântica, decidimos também muito mais coisa.

Fazemos assim já há algum bom tempo. A maior parte de nós nunca se perguntou se isso foi o melhor que poderíamos ter decidido sobre nós mesmos, ao nos definirmos como “aqueles que valoram e escolhem”. E o que essa maior parte e também os que nela não se enquadram não sabem é que esse pendor às taxionomias tem mais conseqüências sobre nós mesmos do que aquelas que nossa ciência e jornalismo têm mostrado. Ou melhor, terá conseqüências.

O que conto é que dentre as coisas do mundo uma delas resolveu se insurgir contra essa nossa obsessão de falar de tudo sem saber o que o tudo quer que falemos. Digo isso exatamente a partir de Plutão, ou melhor, do que ocorre em Plutão hoje. Os plutonianos resolveram não aceitar de modo algum que, do ponto de vista da Terra, eles não estejam morando em um planeta. Isso parece claro em todas as redes sociais da internet plutoniana, em especial na mais frequentada, o Plutobook.

A proposta que amadurece no Plutobook é a de tratar o nosso planeta segundo os critérios etnocêntricos e humanistas nos quais surfamos desde sempre. O objetivo é o de ofender-nos tanto quanto eles se sentiram ofendidos. No entanto, os plutonianos têm esbarrado em um detalhe. Até o presente momento, não conseguiram convencer seus cientistas desse projeto. Esses plutonianos ligados à ciência insistem em dizer que um dos critérios pelos quais o nosso planeta é um planeta é que, ao menos para a ciência plutoniana, possuir uma atmosfera é uma condição básica para que um astro seja um planeta. O nosso planeta possui uma atmosfera, inegavelmente.

A disputa que se dá em Plutão no momento, portanto, é esta: homens de ciência dizem que para mudar o modo de tratar o nosso planeta é necessária uma alteração do conceito de planeta, enquanto que o resto da população de Plutão acredita que isso é uma perda de tempo, uma idiossincrasia de intelectuais, e que a decisão pode ser tomada a partir do que estão todos falando no Plutobook.

Mas, até aí, o que isso importa para nós? Até aí nada. Mas, a partir daí, tudo. É que também há no Plutobook uma facção, que cresce vertiginosamente, de plutonianos que acreditam que não basta apenas um troco semântico contra nós, que é necessário, também, uma certa assepsia do sistema solar. Por que os simples asteróides, e não só apenas planetas, têm o direito de ficar no sistema solar? Pela nova nomenclatura plutoniana, nossa Terra não é mais que um asteróide, e seria melhor que caísse fora do sistema solar. Primeiro, por sua natureza espúria. Segundo, pelo seu pecado, o de, mesmo sendo só um asteróide, ter ousado se classificar como planeta e, ao mesmo tempo, destituir Plutão, verdadeiro planeta, dessa condição.

Essa facção do Plutobook advoga, portanto, medidas mais drásticas contra a Terra. Não há dúvida de que tudo se encaminha para uma proposta belicosa, pela qual Plutão arrebanharia energias com o objetivo de construção de uma poderosíssima arma atômica que, então, seria encaminhada em direção a nós, abrindo a Terra em muitos pedaços.

É difícil dizer que não será essa a proposta vencedora. Tudo começou apenas com uma disputa que parecia a de torcida de futebol, mas depois as coisas tomaram um rumo inusitado e mais dia menos dia os plutonianos começarão a construir a tal bomba.

Nada disso que conto é levado a sério aqui na Terra. Vamos perecer por conta do nosso gosto em sermos o umbigo do mundo. Ocorrerá não tanto pela selvageria plutoniana, mas pela nossa indiscriminada prática de tornar a semântica nossa escrava, não nossa inteligência. Vamos morrer pelas nossas palavras, aliás, vamos morrer todos como vivemos. Nunca foi tão verdade, em um sentido extrapolado, que os limites de nossa linguagem são os limites do nosso mundo.

Paulo Ghiraldelli Jr, filósofo, escritor, cartunista e professor da UFRRJ

Tags: , , ,

3 Responses “Nossa língua nossa vida – e nossa morte.”

  1. Rick
    07/08/2013 at 12:50

    Paulo, o que vc está achando do caso da chacina na Brasilândia? Acha que foi o menino mesmo? Se sim, como vc enquanto filósofo vê isso?

  2. Renato Sakamoto
    04/08/2013 at 23:01

    Pela leitura do texto lembrei do filme Distrito 9. Um grupo de alienígenas cai na África do Sul em condições de fome e impossibilitados de retornar ao seu lar, lá todo o grupo sofre uma espécie de apartheid muito parecido com o que sofreram os negros sulafricanos. Eles são tratados como selvagens que devem ser contidos e não seres inteligentes, na verdade os cientistas que estudam o caso deles tratam os aliens como coisas.

    Talvez algum dia cheguemos passaremos a lidar com os animais de uma forma em que eles serão humanizados, dotados de alma e tudo o mais. Sabemos pelo texto que basta que os cientistas deem seu aval para que isso aconteça. Eu inclusive estabeleci por conta própria que meu sharpei é um “ser humano”. ;D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *