Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

21/08/2017

A imagem contra os fatos – protestos de março


Posso olhar a foto e dizer: “Manifestantes contra o governo, contra a corrupção, são ricos, não estão nem aí com a pobreza”. Posso olhar novamente e dizer: “Olha só os pobres na rua, Lula não tinha dito que a miséria havia acabado?”. Posso olhar mais uma terceira vez e dizer: “O olhar da criança de classe média é na direção do pobre, mas logo logo ela não olhará mais, ela seguirá o pai e a mãe, que evitam olhar”. 

Claro que a foto possui mais interpretações. Há ainda que falar: “quem tirou a foto estava preocupado com a pobreza, ou apenas em fazer uma boa foto?” Posso voltar essa interpretação crítica para a minha própria direção e perguntar: “não deveria eu me calar diante da foto, ao invés de escrever esse texto? Afinal, o que faço é, talvez, um desrespeito a tudo que é humano, pois estou me aproveitando da pobreza”.

Manifestação na Av. Paulista em 13/03/2016

Manifestação na Av. Paulista em 13/03/2016

Há mais interpretações? Há! Mas a última, para não ser confirmada, deveria encerrar o texto. No entanto, esse é o problema do filósofo, deveria ser calar diante do que já se pode mais interpretar; mas o filósofo é um falante, nunca para. Sócrates morreu dissertando.

Somos da raça amaldiçoada por Marx: os que até agora só interpretaram o mundo. Claro, somos parte do Espírito e este, ao se desdobrar, vai interpretando seu próprio trajeto, sua própria existência, e nós, então, ajudamos nisso. Podemos ir além?

Podemos se, ao interpretar, não soterrarmos os sentimentos.

No caso da foto, não soterrar os sentimentos é não apanhar uma interpretação apenas, mas ver as perspectivas abertas por cada interpretação. Todas elas devem tocar algum sentimento nosso, tem de nos dar alguma indignação, tem de chamar nossa visão sobre o mundo para ela se transforme um audição sobre nós mesmos. Quantos sons ainda somos capazes de ouvir? Ou nosso ouvido já foi educado para escutar apenas frases aqui e ali, todas elas significando apenas um “vitória na guerra” (dita pelo “Pai”, da novela, claro) constante? Ou ainda podemos ouvir a complexidade de nossa situação, nossa aparente impotência e, com tudo isso, sentir que o nosso planeta não poderia mais abrigar gente fora da zona de conforto. Há muita coisa no planeta. Não é possível ver cães e humanos abandonados nas ruas num planeta como o nosso, em que tudo que jogamos no chão vira comida. É muita falta de inteligência termos essa cena da foto, se podíamos não tê-la.

O problema todo, sabemos, é que o garoto branco que olha para o menino negro, mais ou menos de sua idade, entende que se trata de um igual, ou quase igual. Mas nenhum respaldo ele irá encontrar no rosto visivelmente robotizado do pai, e de uma mãe que segue o marido como quem segue um chefe nazista. Ela, a mulher de classe média, está ali totalmente desgastada para a sua idade, com um semblante triste, pois ela sabe que seu marido tem uma amante e que quando os filhos crescerem vão apanhar desse pai, por serem homossexuais. Extrapolei? Talvez não! Extrapolo agora: aposto que o garoto no chão um dia crescerá e então, num assalto, atirará na barriga dos filhos desses garotos loiros, já então homossexuais ricos, expulsos de casa. Esse destino pode estar todo ali, estampado na foto. Seria também mais uma interpretação, tudo que disse. Mas, uma interpretação que nos mete medo, pois ela diz respeito ao que não aconteceu, mas sabemos que pode acontecer. Irá acontecer.

Estamos encalacrados em nossas peles brancas e negras. Só um Deus pode nos salvar. É meio chato isso, uma vez que sabemos que Deus está morto.

Paulo Ghiraldelli, 58, filósofo.

Tags: , , , , , , , ,

22 Responses “A imagem contra os fatos – protestos de março”

  1. Juquinha
    17/03/2016 at 19:48

    Caro Paulo, o que vc tem a dizer sobre esse video?(1)

    https://www.youtube.com/watch?v=zvQuzgO1m6Q

    E sobre esse(2)?Onde a PM bate continência?

    https://www.youtube.com/watch?v=zmOujjRhhJg

    Na Av. Paulista, quando a manifestação é contra o governo Federal tá tudo tranquilo, mas quando é contra o Alckmin(no caso das escolas), o argumento oficial é que a Av. não pode ser fechada.

    • 17/03/2016 at 21:36

      Claro Juquinha, a Fiesp está lá não à toa. Mas veja, no Brasil todo a polícia não está intervindo porque o governo extrapolou em arrogância e corrupção. O clima de fim do governo Collor também foi assim.

  2. Luciano
    16/03/2016 at 09:45

    Perfeito Paulo.

    É uma imagem, a interpretação dela é vendida de acordo com a conveniência.

  3. Angeli
    15/03/2016 at 22:33

    O que mais me entristece ao ler um texto desses é que ao analisarmos a situação o própio narrador e preconceituoso!!! Sua analise demonstra uma visão da sociedade em que ele mesmo vive o fato de que já tenha passado por tantas amarguras.Que não consegue realizar uma interpretação diferente…. E se por ventura esse garoto ” branco” ao olhar para o garoto ”negro” pense que um dia ele irá crescer e fazer algo para que isso mude???Para que sua realidade seja diferente? Penso que se o pai do garoto age com essa passividade e com essa indiferença e porque quando garoto, a ele essa realidade era diferente…Ninguém ia a manifestações com cachorros, babás e crianças como se fosse um passeio de domingo na maior e mais movimentada das avenidas!!! E quanto a prever de uma forma filosófica futuro dos garotos…Acredito que o maior ”pre conceito’ parte justamente de quem não deveria partir!!! Os que se julgam estudiosos é quem mais marginalizam a nossa sociedade… São os formadores de opinião que analisam dissertam textos tristes e cheios de desesperança!!! A arte de interpretar que algo poderá ser diferente e realmente para bem poucos!

    • 15/03/2016 at 23:33

      Angeli, toda vez que você ler um texto meu, diga para você mesmo: sei que sou burro e não consigo entender texto de filósofo. OK? Agora termine o supletivo, diminua sua mágoa pessoal contra você mesmo e depois volte.

    • Angeli
      16/03/2016 at 10:00

      Com certeza!!! Estou no último ano do Supletivo e logo estarei assintindo a uma de suas palestras…E concordo sou burro porque o fato de não entender um texto filosófico realmente dá o direito de um grande filosófo já qualificar as pessoas.Lembre-se que o ”Senhor” não é detor do saber. A arrogância não é uma característica positiva mas(…) Quem sabe daqui há algumas décadas o nome do senhor seja citado em algum livro!? Porém assim como na Grécia Antiga alguns díscipulos seguiam os filosófos por não terem opção….Ah! Propósito o Senhor me ajudou a me curar da minha mágoa pessoal.

    • 16/03/2016 at 10:01

      Angeli, não adianta voltar antes de completar o supletivo. Essa tentativa não foi válida.

  4. Rodrigo
    15/03/2016 at 20:31

    Paulo, o diálogo a República de Platão, no grego é chamado de politeia que por sua vez significa formas de governo?

    No termo grego politeia, o diálogo fica bem mais fácil de ser compreendido.

    Eu não tinha percebido ainda. Neste sentido, o conceito de justiça fica bem mais claro.

  5. Romildo
    15/03/2016 at 19:40

    Legal são os manifestantes ignorando a miséria das ruas de um Estado(SP) que tem políticos tão corruptos quanto os do PT e nada aparece de indignação contra esses.

    • Romildo
      15/03/2016 at 19:42

      PS: A propósito, Paulo, viu o video do Karnal falando da ressurreição do extremismo de direita e sobre o Bolsonaro?

    • 15/03/2016 at 21:18

      Poucas vezes eu escuto a besta do Karnal. Ele é apenas um falador de auto-ajuda.

    • LMC
      16/03/2016 at 10:42

      Segundo Karnal,quem escreve
      livros de auto-ajuda ganha
      dinheiro,logo é auto-ajuda,
      ou seja ajuda a quem
      escreve livros desse tipo.

    • LMC
      16/03/2016 at 10:09

      Ontem,na Folha,foi dito que
      chamaram Lula de cachaceiro
      nos protestos de domingo
      em SP.Eles fizeram um
      favor ao Lula,que agora pode
      ser ministro da Dilma(isso
      mesmo!)Help!

    • 15/03/2016 at 21:18

      Romildo, acorda né? Repetindo isso? Tem dó.

  6. Thiago Carlos
    15/03/2016 at 18:51

    Um comentário que eu li agorinha em minha timeline: “Sabe porque você só viu brancos nas manifestações? porque quando você vê um moreno, você ignora o fato de ele ser afro-descendente. Você não vai me contar nos negros. Só que o governo conta. A definição de negros, pro ministério da justiça que elabora aquele mapa da violência que fala que 70% de tudo que acontece no brasil é contra negros, é que pardos + pretos = negros. Na real, segundo o último censo, brancos são maioria,eles representam 48% da população, nós pardos somos em torno de 44% enquanto pretos são apenas 8%. Se você só viu brancos nas manifestações é porque tá considerando os pardos como brancos. Ou simplesmente ignorando a cor parda como um todo. Eles não são brancos, mas tb não são afro-descendentes, não são negros.
    A sua visão da realidade tá meio ofuscada.”

    • 15/03/2016 at 21:19

      Thiago, uma besta desta, que escreveu isso, deve ser deixada de lado.

  7. Guilherme Picolo
    15/03/2016 at 18:26

    “somos parte do Espírito e este, ao se desdobrar, vai interpretando seu próprio trajeto, sua própria existência, e nós, então, ajudamos nisso. Podemos ir além?”. Bela a referência!

  8. G. De Jesus
    15/03/2016 at 17:19

    “Deus está morto, Marx também, e eu não me sinto nada bem.”

    • 15/03/2016 at 18:11

      A frase é velha demais, e não cabe mais, acredite.

  9. João Paulo
    15/03/2016 at 12:55

    Professor, você demonstrou todas as possíveis visões, que a direita e a esquerda, demonstrariam facilmente. E depois trouxe a visão do filósofo. Dá um frio na barriga pensar que a visão do filósofo seja real, a mais real, talvez. E que neste momento estejamos despreparados para enfrentar as consequências dela.

    • 15/03/2016 at 13:41

      João Paulo, talvez não seja a real, uma vez que é propositalmente ficcional. Agora, o fato de seu conteúdo se repetir é que mata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *