Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

28/06/2017

Os gringos vêm para comer nossas garotas


Os gringos querem o turismo sexual. A FIFA quer o comando o país. E agora? E nós, o que fazemos? Cedemos?

Com a Copa do Mundo no Brasil, o país se descobriu como a pátria do “turismo sexual”. Uma onda incrível de vprostitutas_aprendem_ingles_para_a_copa-3 (1)erdadeira e sincera preocupação com as mulheres misturada a um terrível ranço de moralismo barato infestou nossa mídia. Da noite para o dia, décadas de venda da imagem de um país licencioso em tudo, apareceu como um lugar em que todos são preocupados com a prostituição infantil e com o tal “turismo sexual”.  Bobagem.

Usar da Copa para resolver vários dos problemas de nosso país foi algo que eu defendi quando da briga de Lula para que o Brasil fosse a sede do evento. Ao longo da preparação do evento, fui mudando de opinião. Hoje, sou radicalmente contra a Copa no Brasil.

Tudo ganhou aspecto de mera maquiagem sem maquiador profissional. Ninguém está dando condições para que as jovens que não queiram se prostituir não façam isso. Além do mais, todos os investimentos materiais na Copa não renderam o que deveriam render para a nossa população. Por fim, até mesmo a nossa democracia saiu arranhada. Uma lei inédita (e pior do que aquelas do General Médici) proíbe qualquer tipo de manifestação – mesmo um simples cartaz – não só dentro dos estádios, mas nas periferias de vários lugares decretados como zona protegida para a Copa. Ou seja, por ordem de um tipo de AI-5 setorizado espacialmente, haverá durante a Copa ilhas de ditadura em que a Constituição do Brasil não vale.

Criadas durante décadas para o “turismo sexual”, nossas meninas, agora, são subitamente “protegidas” pelo Estado que resolveu divulgar a notícia de que não há lugar no mundo tão protetor da xoxota infantil quanto o nosso. A FIFA tem esse discurso. Engolimos esse discurso preparado para falarmos aqui e ali, como macaquitos.

A FIFA também tem o discurso mentiroso em que diz que quer o “bem estar” de todos, o fim do racismo, a promoção da paz e a integração dos povos. Tudo isso combina com a ditadura brasileira em meio à democracia. Até pouco tempo queríamos eliminar os chamados tribunais militares para militares. Agora, o governo decreta que tribunais militares vão servir para civis. Especialmente para os que forem presos por estarem atentando contra o país ao protestar contra a Copa. Isso é pior que o “Ame-o ou deixe-os” dos anos setenta. É a institucionalização da seguinte determinação: independentemente de ser da esquerda radical, tendo se sentido prejudicado pela Copa, é melhor ficar quieto, pois poderá ser considerado um subversivo, um terrorista, como ocorreu no Brasil nos anos setenta.  Essas pessoas que hoje estão no governo foram as diretamente prejudicadas naquela época. O que aprenderam? A reproduzir tudo aquilo, não contra a oposição, mas contra qualquer brasileiro que diga “Não vai ter Copa” ou coisa parecida. Que falar “não vai ter Copa” no território sob lei marcial, pagará como os subversivos dos anos setenta pagaram.

prostituiçãoTudo isso é a reprodução do velho? Não! Há uma novidade incrível em tudo isso. No passado tínhamos a ordem internacional e, então, o FMI, como a instância que fazia as exigências para nos emprestar mais dinheiro e, então, nos deixar mais endividados. Hoje é a FIFA quem nos tira a soberania. Ela é que exige o que nossa democracia tem de fazer. Ou seja, na política de pão e circo, agora, diferente da Roma antiga e de tudo que vimos até pouco tempo, o que ocorre é que o circo diz como se deve comer o pão ou se vai ter pão. A situação é realmente nova: uma instância que cuida do puro entretenimento comanda todas as instâncias que, até então, eram tidas como as instituições do trabalho, não as do prazer.

Gostamos de futebol e temos um prazer imenso com o entretenimento causado por ele. Então, um órgão externo percebeu isso, ergueu-se como o organizador desse entretenimento e passou a fazer acordos secretos com todos os países que quiseram, nos últimos anos, sediar a Copa. O Brasil está nessa agora. O governo brasileiro foi pego de calças curtas, e não conseguiu negociar com essa central, esse novo FMI que é a FIFA, em condições favoráveis, e agora está aí: um governo que não governa. Quem governa é a FIFA. Entretenimento deixou de ser brincadeira organizada, mas organização contrária à democracia em função da venda do prazer segundo determinações estranhas ao que é o entretenimento.

Futebol, sexo e obras super faturadas, apimentadas com um AI-5 geográfico. Nunca imaginei que iria viver isso. A criação do mais terrível monstro jamais imaginado. Esse monstro que é a FIFA devorou vários países. Aqui, no entanto, não é o país que foi para o brejo, mas sim a construção histórica da democracia no país, ou seja, sua energia vital. Que tudo isso tenha ocorrido na época do PT como governo não é culpa do PT, é apenas a ironia da história que revela que o Brasil é fraco, e que o PT é parte dessa fraqueza.

Paulo Ghiraldelli, 56, filósofo.

Tags: , ,

2 Responses “Os gringos vêm para comer nossas garotas”

  1. MARCELO CIOTI
    11/06/2014 at 10:48

    O Safatle e o Frei Beto estão
    esperneando contra a Copa
    acho porque a seleção que
    eles torcem,a da Coréia do
    Norte não se classificou pro
    torneio.

    Eu tenho uma frase melhor
    que “Não vai ter Copa”,
    porque vai ter.É FODA-SE
    A COPA.

    • 11/06/2014 at 11:45

      Marcelo, acho que você não conseguiu entender a frase “não vai ter Copa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *