Go to ...

on YouTubeRSS Feed

20/04/2019

O que é sexo, o que é gênero? De Beauvoir a Butler


Não foram poucas as teóricas envolvidas em “discussão de gênero” que tomaram a frase de Simone de Beauvoir – “não se nasce mulher, torna-se” – como dizendo que gênero é construção social, e que o sexo, como dado pelo corpo, é o elemento natural sobre o qual o próprio gênero se faz.  Segundo essa via de entendimento, “homem” e “mulher”, o binarismo de gênero, tem as variações de figuras, e isso nós conhecemos bem. Afinal, ser “homem” e ser “mulher”, todos sabemos, é algo variadíssimo na história e na geografia. No entanto, na base “material”, haveria o “feminino” e o “masculino”, ou seja, o corpo-com-o-sexo-que-é-vagina e o corpo-com-o-sexo-que-é-pênis. Essas expressões hifenadas não fariam referência a construções sociais, mas teriam status ontológico básico.

Os conservadores odeiam Simone de Beauvoir. Eles não suportam a ideia de que gênero é socialmente construído. Eles acham que não pode ser assim. Eles acham  que se for assim, por efeito de educação intencional, o que se está fazendo é contrário à “determinação biológica” que diz que menino é masculino, possui pipi e deve usar azul, e que menina é feminino, possui vagina e deve usar rosa. Sair disso é “pecado”, “perversão”, “desnaturalização” e, no limite, segundo Pondés e Carvalhos, “marxismo que quer destruir a família”. Mas, esses são os conservadores estilo Damares, ou seja, os representantes do que há de mais tosco na face da Terra. Há outros conservadores que estão dispostos flexibilizar as coisas.

Estes, os conservadores que se acham menos toscos, aceitam que, quanto a gêneros, cabe falar de “estilos”. Então, admitem que pode haver homens de vários tipos e mulheres de vários tipos, aceitam inclusive que existam, portanto, até outros gêneros (variações do mesmo tema: o homem afeminado, a mulher masculinizada, ou o homem que gosta de homem e a mulher que gosta de mulher etc.). Todavia, para que tais pessoas também fiquem incomodadas, a discussão de gênero passou de Simone de Beauvoir para Judith Butler (não sossegamos!).

A filósofa americana, em artigo publicado em 1986, de título Sex and Gender in Simone de Beauvoir’s Second Sex , não se opôs à filósofa francesa, mas buscou mostrar que a afirmação famosa da filósofa existencialista dava margem para ir além, e dizer que também o sexo é socialmente construído. De fato, não há muito sentido em fazermos referência a um corpo, se é um corpo humano, sem tratá-lo como uma situação, digamos assim. O corpo humano é sempre tratado linguisticamente e portanto, também é socialmente construído, ou seja, já trazido para a linguagem de gênero, “homem” ou “mulher”, de modo que dizer “masculino” ou “feminino” não é uma referência só à existência de vagina e pênis, mas sim uma referência a como entendemos “vagina” e “pênis”. Não olhamos para “vagina” e “pênis”, nos corpos, como não sendo de homens e mulheres, ou seja, com a conotação que isso implica na cultura: que a fenda da mulher faz um serviço e indica uma posição ontológica e o bastão do homem faz outro serviço e indica uma posição ontológica distinta. Em outras palavras, o corpo que mostra o sexo não mostra um sexo que já não é generificado (se esta palavra não existe, eu a crio agora!). Falar “sexo masculino” e “sexo feminino” não é falar em fenda e bastão, mas, sim, falar em homem e mulher, e tudo que isso implica no mundo humano, segundo história e geografia. Tanto é verdade que, de uns anos para cá, a generificação do sexo utilizou uma marca exterior, uma vestimenta: azul para bastão e rosa para fenda.

Essa segunda parte da teoria de gênero, quando o próprio sexo é construção social, é o que os conservadores, mesmos os que não se consideram toscos (mas são), não aceitam. Na verdade, falta aos conservadores uma verdade em filosofia da linguagem em sua associação às ontologias contemporâneas: não se pode falar de nenhuma matéria como matéria, mas sim como um corpo, e este não é o corpo da biometria de cadáveres, mas o corpo que só é acessado pela linguagem, só existe por ela, e por isso mesmo vem já com todo o peso do mundo. No caso, o peso do gênero que se funde com o sexo. Quando falamos em sexo masculino não pensamos num bastão que irá bater em bola como taco de beisebol (ou qualquer outro uso de bastão), mas num bastão que irá penetrar a fenda, de modo que esta é não uma simples gruta, mas um nicho para o bastão, um espaço a ser preenchido pelo bastão de modo a tornar tudo ajustado, justo, de justiça! A linguagem não deixa outra opção, de algum modo sempre generificamos o corpo, o sexo do corpo, pois também “masculino” e “feminino” não são palavras mais básicas, digamos, que “homem” e “mulher”.

Desse modo, se generificamos corpos, e se gêneros podem escapar do binarismo, então também os corpos se sexualizam segundo a ampla liberdade da generificação, que não necessariamente precisa ser binária. Essa conclusão deixa os conservadores de cabelo em pé. Pois eles imaginam que as palavras “feminino” e “masculino” tenham o dom der apontar para a “coisa em si kantiana” e, mesmo sendo “para nós”, traga o milagre de nos dar acesso ao “em si”. Corpo não é algo, sendo humano, que não tenha algum sexo – inevitavelmente generificado. Os limites “homem” e “mulher” desaparecem, e podem desaparecer também da prática linguística como a conhecemos hoje. Nessa hora, os conservadores tremem, ficam com raiva. Alguns, inclusive, porque percebem que irão morrer antes disso ocorrer de vez, e não experimentarão o paraíso.

Paulo Ghiraldelli Jr., 61, filósofo.

14 Responses “O que é sexo, o que é gênero? De Beauvoir a Butler”

  1. Eduardo Henrique
    24/03/2019 at 12:13

    Acredito que existam três tipos de conservadorismo. Pode haver variações, mas penso que os principais são esses:

    Conservadorismo Político-Social: São defensores ferrenhos das hierarquizações sociais e das desigualdades como coisas “naturais”. São contrários a qualquer política de igualdade e justiça social.

    Conservadorismo Cultural: São defensores rígidos de tradições culturais e do moralismo nos valores, costumes e comportamentos.

    Conservadorismo Religioso: São defensores rígidos de valores, costumes e comportamentos religiosos moralistas. Defendem ainda a imposição desses valores à toda sociedade.

    Esses três tipos de conservadorismo não se excluem. Eles podem ser bem afinados entre si. Existe uma boa afinidade entre os conservadores culturais e os conservadores religiosos, eles se complementam. Já os conservadores políticos podem ser afinados com os dois últimos ou não. No caso desse, em específico, não existe uma regra.

    Abraços!

  2. Mill Genesis
    25/01/2019 at 11:24

    O senhor considera contravenção uma pessoa deixar de contratar um indivíduo – por exemplo, um motorista pro filho – por ele ser homossexual? Acho uma questão complicada.

    • 26/01/2019 at 23:12

      Não é uma questão complicada. A pessoa que faz isso é apenas um energúmeno.

  3. andre ribeiro filho
    24/01/2019 at 12:38

    OMISSÃO CÍVICA DO ZOÊRO….. ÔÔÔ Professor…. eu tomei uma decisão importante…. eu vou parar de zoar com o Bolsa…. e eu vou explicar o motivo…. sabe porquê…???? eu vou dar dois exemplos pro Senhor…. olha só…. o primeiro exemplo….eu gostava de zoar com a Dilma também….no final de 2014…. 2015….. eu até gostava dela como pessoa…. dos raros momentos de descontração dela…. dificilmente eu via ela rindo…. eu gostava de ver ela feliz de vez em quando…. com os dentinhos protuberantes dela pra fora….. só que eu parei de zoar com ela…. porque eu fiquei com outras coisas mais importantes pra fazer…. e não tinha tempo nem saco pra fazer mais nada….. e nem televisão eu assistia direito…. só as manchetes de jornais nas bancas nas ruas quando a gente passa…. não tem como não ver as bancas de jornais…. aí aconteceu o que todo mundo sabe…. a Dilma se ferrou… impicharam ela…… eu pensei assim…. comigo mesmo…. “”” será que a Dilma se ferrou porque eu parei de zoar com ela…?????”””” e continuei o pensamento…. “””” será que foi por minha causa…???? por esse motivo…???? da falta de zoação…????””””” ÔÔÔ Professor…. agora vou citar o segundo exemplo… o exemplo do temer…… foram dois anos de terrorismo na mídia…. que o brasil ia pro buraco por causa da previdência…. que o brasil ia falir…. e aquilo já começava a me incomodar….. parecia masoquismo….. era o tempo todo isso repetido na televisão….nos totens na rua… nas revistas…. em propagandas dos ônibus….metrô…. etc….. e eu via essa repetição toda e ficava puto da vida….. e eu pensei comigo mesmo….. assim…. “”” ÔÔÔ Zoêro…. esse temer tá “””nadando de braçada””” no congresso…. vai aprovar essa merda mesmo….!!!! não tem jeito…!!!! faz o seguinte meu filho…. pra não te incomodar mais….tenta se distrair na televisão vendo outras coisas…”””” e sabe o que eu fiz então, professor….????? eu parei de assistir aos telejornais…. o Jornal nacional…. o do Boechat….. o do Boris… e passei a assistir só canais de futebol….. que passam na tv a cabo…. a ESPN… a SPORT TV…. e comecei a melhorar um pouco de astral….. com essa alienação terapêutica…. era legal…. era divertido…. ver os comentaristas maçaricando os dirigentes… os jogadores… era só fofoca o dia inteiro… eu sabia de tudo dos clubes grandes….então…. era bem mais leve…. e o que aconteceu então, professor…????? o que vêio depois…????? ….. o temer se fudeu…!!!! …. apareceu a JBS na vida dele…. de madrugada….. …..no porão do Jaburu…. e a previdencia…. certinha de ser aprovada ….. foi pro vinagre….. aí eu vibrei…. eu vibrei com a merda no ventilador….. e voltei a assistir aos jornalisticos…. claro…. não podia perder….. o joeslei…. o gordinho da pizzaria correndo com a mala de dinheiro…. …. eu ria demais….. eu gritava na frente da televisão…. eu gritava assim…. “””ÔÔÔ temer… tá todo mundo falando mal de voçê, rapaz…!!!!!””””” kkkkkk (ai, que bobeira….) …. eu parecia um doido….!!!! …. ÔÔÔ Professor…. parecia aquele ditado… que diz assim para esses políticos… “””aqui se faz… aqui se paga….”””” ou então aquele… “”Deus tá vendo…!!!!””””” então…. na minha cabeça….eu juntei o primeiro exemplo da dilma e o segundo exemplo do temer…. não tinha como não fazer essa associação….e pensei assim…. “””caramba…. eu parei de acompanhar os dois… a dilma e o temer… e os dois se fuderam….!!!”””” então… por esses motivos professor….. eu até sei…. que isso que narrei…. não é algo racional… que é caso de psicologo…. mas vai que eu repita essa terceira omissão…. que eu me aliene pela terceira vez seguida…. e o Bolsa seja impichimado…..!!!!! entendeu, professor…????? certamente vai valer a pena…..vai que essas besteiras acabem dando certo de novo…..

  4. andre ribeiro filho
    22/01/2019 at 17:43

    A FOTO DO “”AERO-LULA””….. Estavam ali… juntos…reunidos….a cúpula do poder no Brasil….O Bolsa… O bolsinha federal…. o Ministro das Relações exteriores… e o Moro….. são quatro autoridades…. ÔÔÔ Professor…. recentemente… depois que o Bolsa foi eleito…. eu vi um video dele…. saindo de casa… sabe pra quê, professor…?????? para sacar dinheiro no Caixa eletrônico do Banco do Brasil…. e pra depois… pra depois comprar carne pra fazer um churrasco…. pra confraternizar com os policiais que faziam a segurança diária do Bolsa…. até aí…. pode até passar…. é um pouco contraditório…. não tinha tempo pra ir ao banco quando era deputado…. mas agora…. arrumava tempo pra ir ao Banco quando já era presidente eleito…… poderia até ter pago direto as carnes com o cartão…. mas tudo bem…. não é esse é o pormenor…. o detalhe que eu quero destacar é o seguinte …. ÔÔÔ Professor….. o detalhe mesmo…. foi no Bolsa comendo nesse churrasco….!!!! o cara tava sentado na mesa…. numa mesa redonda de madeira…..dessas de beira de piscina…. com um convidado sentado bem na sua frente…. e o Bolsa comia a refeição…. concentrado…. de cabeça baixa…. o Bolsa não dava uma palavra….ficava mudo…. nem conversava com o convidado bem na sua frente nessa mesa….. e o convidado percebia isso…. percebia que o Bolsa queria fazer a refeição dele em silêncio…. e pra não incomodar o chefe…. o convidado também….nem “”puxava”” assunto com o presidente eleito…… o convidado não queria correr o risco de incomodar o Bolsa…. incomodar a sua mastigação… interromper a saborosa mastigação do Bolsa naquele momento…. e o “””Trakina””” devia estar com muita fome…..ÔÔÔ Professor…. o Trakina nem olhava pra câmera….. parecia um náufrago há dias sem comer…. todo esfomiado…. mas o ponto alto foi a etiqueta…. O prato que o Bolsa saboreava o churrasco estava direto sobre a mesa de madeira…. o Bolsa não pediu nem pra forrar uma toalhinha sobre a mesa… nem uma singela toalhinha branquinha…. limpinha…. uma toalhinha simples….. sobre a mesa….. para fazer essa refeição com uma maior dignidade…. não tinha nem aqueles plásticos retangulares baratinhos (dá-se o nome de americanos) pra botar embaixo do prato…. ou seja…. ÔÔÔ Professor…. o Bolsa….. “”parecia um bicho””” comendo ….!!!!! Um bicho do mato todo esfomiado…. E…. quando eu ví esse vídeo…. sobre esse churrasco…. eu fiquei pensando assim….se juntar tudo….. as piadas sem graça dele…. as grosserias com os adversários políticos dele….. o meu pensamento sobre esse churrasco…. foi esse…. “”esse Trakina deve até falar de boca cheia na frente dos convidados …!!!!!”” ….. ÔÔÔ Professor…. sobre a foto…. Eu fiquei imaginando o constrangimento do Moro nesse avião….!!!! …. Ele vendo aqueles três do seu lado… todos juntos cruzando o atlantico… num voo longo…..eles contando piadas juntos…. uns para os outros…. e o Bolsa rindo alto… gargalhando…. incomodando os outros tripulantes… e os outros passageiros sem poder reclamar de nada…. pois o Bolsa é o manda-chuva desse aero-lula….. e as horas passando… e as piadas ficando cada vez mais cabeludas…. e o moro rindo amarelo…..incomodado…. meio constrangido…. meio sem graça… torcendo pras horas passarem logo…. pro avião chegar logo no destino….pra poder sair um pouco de perto deles…. e se perguntando assim…. “”” pôxa…depois de vinte anos de carreira…..deixei a formalidade de ser um juiz federal pra estar aqui nesse avião com esses caras…!!!!!!””””……

  5. Isah
    22/01/2019 at 04:15

    O corpo é sempre, ou quase sempre , aquilo que dizemos para ele ser: quando falta comida, “faminto”. Ou “ em dieta”, quando o corpo se propõe ao emagrecimento. Trabalho em hospital. Lá , o corpo precisa ser “ paciente”. Ele é o objeto de trabalho do médico. Há pacientes, ou impacientes, que tem dificuldade de aceitar isso e precisam passar por um processo de esclarecimento e acordo. Portanto, o médico não está autorizado a fazer tudo que ele quiser pois o paciente pode recusar o tratamento. Então , o corpo é o que se combina socialmente que ele será , também dentro do hospital. Na vida afetiva/ sexual funciona do mesmo jeito: às vezes menina , às vezes menino, às vezes outra coisa. Falta combinar com todo mundo.

    • 22/01/2019 at 17:14

      Isah, não falta combinar. Quando você ganha a linguagem, você combinou. Ela é a combinação. A vigente e as que virão, entende?

  6. 22/01/2019 at 04:00

    Paulo, olha o que houve entre Olavo e Pondé: https://www.youtube.com/watch?v=Po4pNxWWAHc

  7. Pedro cardeal ZEGARELLI
    22/01/2019 at 00:04

    Caro professor,minhas cordiais saudações. Vivemos numa sociedade q adora generalizar tudo; masculino/feminino, preto/branco,pobre/rico. Cada representante dos gêneros citados carregam costumes e linguagens que os diferem. Falta de convergências dentro destas culturas geram conflitos ” raciais “. Seria o conservadorismo o principal problema ? Grato…

    • 22/01/2019 at 01:00

      Não é necessário nenhuma convergência. Ao contrário!

  8. Emerson Siqueira Moro
    21/01/2019 at 23:24

    Excelente artigo, professor.

  9. Gilberto Antunes
    21/01/2019 at 15:19

    Professor Ghiraldelli, em um vídeo recente ( Desmontando o discurso de direita ), o senhor afirma que o termo “conservador” aplica-se àqueles que desejam manter privilégios políticos e econômicos. Mas também esse termo não se aplicaria às pessoas que conservam os costumes morais de nossa sociedade ? Lembro me de tê-lo visto mencionar isso em outro vídeo ( não me lembro qual ), sendo que da maneira que rotulou dá a entender que todo conservador tem seu objetivo calcado – de maneira pejorativa – apenas na premissa de uma vantagem social sobre o proletário. Outra coisa, seria interessante algum dia nos esclarecer suas divergências com seu declarado candidato, Ciro Gomes, uma vez que lhe vi afirmar discordar do nacionalismo do referido como sendo algo ruim, o que me deixa confuso, pois prezo o afã de Ciro em defender o que é nosso dos interesses do mercado externo. Agradeço os esclarecimentos.

    • 21/01/2019 at 19:26

      Gilberto, Ciro sabe o que faz, minhas divergências não cabem muito nessa hora. Sobre conservadorismo, a questão é de ordem estrutural, da manutenção de diferenças entre ricos e pobres (não falei em “proletário”), mas também de ordem dos costumes. É uma questão de dupla mão. E não deve ser pensada de modo separado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *