Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

19/08/2017

Direita e esquerda não acompanham a dinâmica brasileira


Dilma e Lula se mostraram corruptos. A decepção com eles foi grande. Claro que não inventaram a corrupção, mas o modo como se mostraram corruptos carregou a sociedade brasileira como um todo para a lama. O esquema se mostrou gigantesco, além da conta. E nos caso de Dilma, além de corrupta também decepcionou o bolso do brasileiro. Resultado: veio o Impeachment capitaneado pela direita, mas com base social e política imensa. Realmente as ruas ficaram cheias, o que deu legitimidade para um processo que, enfim, foi perfeitamente legal. É bobagem alguns tolos não quererem acreditar que Janaína Paschoal não foi a heroína dessa fase. Foi, e com direito.

Isso ocorreu agorinha, no ano passado. Mas em um país como o Brasil, as coisas mudam muito rapidamente. A crise gerada pelo PT é a herança de Temer. Quem é ele? Ninguém. Ele quer tirar o país da situação ruim e, para tal, vai seguir a cartilha do Meirelles, que diz que temos que buscar investimentos do exterior. Para tal, o mecanismo mais rápido, ainda que não seja o melhor e talvez nem mesmo o correto, é o de fazer o estado não gastar mais do que arrecada e, em segundo lugar, flexibilizar os chamados direitos trabalhistas. Se o estado não gera inflação e se o trabalho se enfraquece diante do capital, ainda que isso possa ser mais propaganda do que real, já é o suficiente para que o investidor estrangeiro se interesse de novo pelo Brasil. Essa ação do governo põe para o movimento de rua uma pauta que já não é mais de direita, mas de esquerda. Aposentadoria avançada e terceirização não é coisa que possa agradar trabalhadores reais.

A maior parte do povo brasileiro acha que a Lava Jato vai bem. As denúncias da imprensa pegam, e na  sua maioria são corretas. A investigação não está parada e Moro & Cia estão fazendo o que tem que fazer. Outros juízes andam na mesma linha. E a Polícia Federal mantém sua autonomia. O PT está em péssima situação. Mas a pauta nas ruas é de esquerda. A esquerda não consegue empunhá-la porque se corrompeu e não tem mais prestígio para reclamar de nada. Os sindicatos se mostram descaradamente pelegos. Direita e esquerda estão agora desmobilizadas.

Se a direita quer sair às ruas, não tem mais pauta. Se a esquerda, agora com pauta, quer sair às ruas, não tem prestígio. É interessante ver até candidatos relativamente independentes se afundarem nessa lama matreira. Dória se elegeu como relativamente “neutro”. Agora, erradamente começa a fazer declarações ideológicas demais e reclamar de Lula. Ciro continua tentando, mas vira e mexe lambe botas do PT e de uma esquerda ruim e corrupta, e chega mesmo a atacar Moro, herói nacional.

A população não é de direita ou esquerda. A população é pragmática. Quer viver bem. Um bom político é aquele que, sem populismo, sem corrupção, consegue captar as mudanças de agenda, e busca apontar caminhos para a população viver bem. Não temos essa pessoa no Brasil atual entre as lideranças políticas que estão por aí. Até por uma razão simples: a política não se renova entre nós, pois todos os candidatos saem do bolso de colete de caciques e do poder econômico. Eu disse todos, até ou talvez mais os que de partidos pequenos, tradicionais ou não. Nós nos metemos num beco e este beco parece não ter saída, uma vez que o sistema partidário que temos está inteiro apodrecido por um terrível neocoronelismo.

O Brasil continua sendo o que Zweig disse, o “país do futuro”, mas o problema é que o futuro tá passando.

Paulo Ghiraldelli, 59, filósofo. São Paulo, 27/03/2017

12 Responses “Direita e esquerda não acompanham a dinâmica brasileira”

  1. LMC
    29/03/2017 at 11:12

    Por quê será que sites como o DCM
    atacam o João Doria?Simples:é o único
    que pode derrotar o Lulla,ora bolas!

  2. Fabrício Alves Peixoto
    28/03/2017 at 21:28

    Não sobrou uma negativa aí “É bobagem alguns tolos não quererem acreditar que Janaína Paschoal não foi a heroína dessa fase”? hehehe
    Textos sempre interessantes.

  3. Gerson Lofhagen
    28/03/2017 at 11:32

    Bolsonaro seria o salvador da Patria! e um Ministério com Generais no comando.

    • 28/03/2017 at 12:19

      Ah, sim Gerson, agora tá explicado seu comentário anterior, do desprezo pelo pensamento. De fato, é uma característica de adeptos do Bolsonaro terem dificuldade ao pensar.

  4. Guilherme Picolo
    28/03/2017 at 09:40

    Com a nova lei de terceirização, já podemos contratar o Obama como presidente freelancer??

  5. Orquidéia
    28/03/2017 at 08:36

    Ele não está errado.
    Precisamos não de um só,mas de alguns salvadores da pátria,ou seja,uma nova raça de políticos.

    • LMC
      29/03/2017 at 13:33

      Pois é….o brasileiro comum acha
      o futebol a coisa mais importante
      do mundo(isso vem desde 1970)
      e acha que um livro escrito por um
      midiagogo é “cultura”(???).

  6. JOSÉ DELFINO DE SAMPAIO NETO
    27/03/2017 at 09:52

    Dentro da classe dos estudiosos será que não tem uma pessoa com qualificação o sufieciente para governar nossa nação?

    • 27/03/2017 at 10:09

      Todos os estudiosos já governaram. Tivemos presidentes doutores.

  7. JOSÉ DELFINO DE SAMPAIO NETO
    27/03/2017 at 09:49

    Dentro da classe dos estudiosos será que não pode sair uma pessoa com vossas indicações para ser candidato?

    • Tony Bocão
      27/03/2017 at 10:35

      José Delfino quer um salvador da pátria… 😛

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *