Go to ...

on YouTubeRSS Feed

16/12/2018

Democracia corre risco? Contra Maria Hermínia Tavares de Almeida.


[Artigo para o público em geral]

A democracia brasileira está sob risco, segundo Maria Hermínia Tavares de Almeida (“A derrocada”, na Folha em 10/10/2018). A coisa mais fácil é, sendo de esquerda no quadro atual, escrever algo desse tipo. Afinal, estamos em um segundo turno em que Bolsonaro, candidato da extrema direita, leva uma vantagem enorme nas pesquisas, diante de Haddad, do PT. Mas, há verdade nisso, de que a democracia de fato corre risco? Em parte, sim. Mas, só em parte. Por conta desse tipo de analista não ter escrito o mesmo na época do “mensalão”, um tal texto, agora, soa caolho. E assim a análise não é tão feliz como poderia ser.

Por quê?

Primeiro, temos que notar que na esquerda as pessoas ou negaram o “mensalão” ou, sabendo dele, nunca o levaram a sério como um caso de tomada de poder e destruição do Congresso. Tudo bem que o nasceu disso o PSOL, mas, cá entre nós, este é um partido cujo funcionamento não é diferente do funcionamento do PT inicial – e que deu no que deu. Agora, o que temos de lembrar, é que o projeto do “mensalão” não era um projeto só de corrupção no sentido de fazer enriquecer alguns. De fato, tratava-se de um enorme projeto de poder de Zé Dirceu, no sentido de trucidar a democracia “por debaixo dos panos”, e foi realmente o que ocorreu enquanto o esquema foi exercido. O Congresso funcionou atrelado ao Executivo. Tanto é verdade, que quando se cogitou no Impeachment de Lula, FHC deu um cala boca no PSDB e tudo seguiu como seguiu. Dizer que não houve um golpe, que a democracia continuou funcionando enquanto existiu o “mensalão”, é uma tolice imensa. Na prática, o “mensalão” fez serviço equivalente ao dos senadores biônicos da Ditadura Militar. Naquele tempo, havia Congresso, mas este funcionou amordaçado. Também com o PT foi assim. Lula chegou a dizer: “não sei o que o Zé faz, mas ele vai lá no Congresso e consegue aprovar tudo”. Marcos Valério sabia bem o que ocorria. Lula ficou sabendo, e depois de concordar que sabia, inventou que não sabia e que havia tudo sido um mentira. “Vou provar  que o mensalão não existiu”, disse ele enebriado, no segundo mandato, por conta da aprovação popular e pela adulação de instituições estrangeiras.

Para qualquer analista, dizer com ares de espanto que hoje a democracia está mais ameaçada que ontem, é ser falso com a história. Pois a verdade é que a democracia foi muito mais ameaçada no tempo em que o Congresso funcionou comprado, no Governo Lula.

Mas, há ainda outro problema com a análise de Maria Hermínia. Ela está cacifando demais o desejo de ditadura por parte de Bolsonaro. E isso é um erro levado adiante por conta do viés ideológico da professora. Ela despreza a racionalidade da vida. Explico.

Bolsonaro está há trinta anos no Congresso. Vive da política. Por que ele iria querer interromper isso? Ele pode fazer um governo autoritário,  um governo anti-pobre e anti-minorias – e de fato vai assim fazer -, mas, cessar com  o ganha pão de sua família, toda ela engajada na vida política democrática, é algo bem tolo de se imaginar. Bolsonaro está ganhando no voto. E assim está fazendo porque conseguiu fazer oposição correta às esquerdas, não só cativou o voto conservador mas como, na onda do antipetismo, trouxe ainda mais gente para concordar com certas teses ultra reacionárias que defende. Em que medida Bolsonaro é mais reacionário que Paulo Maluf ou Antonio Carlos Magalhães? Em que medida ele fala mais bobagem de direita que não tenha sido falada por outros políticos de direita, que adoraram a democracia e as eleições?

Não há razão para temer o fim da democracia formal. Há razão, sim, para se opor contra Bolsonaro porque o clima de fascismo que ele alimenta, isso sim, é bem ruim. Mas, em termos formais, o PT fez cessar a democracia na época do “mensalão”, e quanto à existência de “milícias” petistas, ora bolas, eu fui vítima delas em sala de aula, e também na imprensa, por conta do banditismo do Nassif. Muitos colegas, identificados com a esquerda, quando criticaram o PT, sofreram o mesmo. Quem não lembra dos ataques sofridos por Luis Eduardo Soares quando de seu engajamento na candidatura da Marina? Aquilo foi democrático? De modo algum!

Precisamos aprender que se é para todo mundo ser de centro, de modo que a alternância no poder nada signifique, então a democracia não vale nada como democracia, ela já é uma ditadura.

Paulo Ghiraldelli Jr., 61, filósofo.

Tags: , , , ,

15 Responses “Democracia corre risco? Contra Maria Hermínia Tavares de Almeida.”

  1. Períodos militaristas mantenho sigilo
    16/10/2018 at 11:43

    Se a democracia não estiver ameaçada provavelmente ela não é democracia. Essa é sua beleza e fragilidade.

    Mas quem ameaça mais?

    A)Um populista com um partido e trinta milhões de pessoas dispostas a ir às ruas, xingar e twittar

    ou

    B)um populista com as forças armadas, 60 milhões de pessoas dispostas a xingar, twittar e atirar?

    Só mesmo o ódio antipetista pode fazer alguém marcar a opção A.

    Pessoalmente eu votaria até no daciolo ou na vera lúcia para evitar o extremismo militarista que nos aguarda.

    E olha que a última vez que votei no PT foi em 2002.

    • 16/10/2018 at 16:34

      Quando você conseguir ao menos assinar o nome talvez você consiga obter resposta.

  2. Joao Bosco
    12/10/2018 at 01:53

    Eu fico assistindo aula de filosofia do ensino medio no youtube, ja que nao tenho grana pra pagar cursinho, assisto muito video seu, todo dia, assisti muitas vezes aqueles videos, filosofos essenciais, alias gostaria de comprar os dvds, tem muitos professores bons que ensinam os conceitos classicos, outro dia vi um video com as concepcoes de homem de acordo com o tempo, segundo cada filosofo…vou mostrar o link https://m.youtube.com/watch?v=CX10SELOWoU ja assisti vc algumas vezes falando da concepcao de homem no mundo antigo, e a virada que houve no renascimento com os modernos, onde vc fala do conhece te a ti mesmo do socrates, como aquele que tem que conhecer seu comportamento, atitudes integradas na polis, na sociedade da epoca, homem como animal politico de aristoteles seria a mesma coisa, a concepcao do homem seria a busca do bem comum, a eudaimonia, felicidade ou prosperidade seria uma vida que contribui com a polis…ja com o descartes seria diferente, onde aparece o individuo como concepcao de homem, que se realiza no seu interior, e se conhece olhando para dentro e nao para fora como no mundo antigo…os rosa cruzes fazem essa confusao, nos rituais tem a frase do templo de delfos, eles acham que o conhece te a ti me mesmo do socrates e` olhar para dentro e avaliar meus desejos, meus valores e me modificar num processo de auto analise kkkkk quanta gente burra que acha que faz filosofia na rosa cruz, as bobagens de auto ajuda que eles vendem como auto ajuda, me irritam tanto, que me afastei, eu sempre quis a filosofia…de verdade, dentro da universidade

  3. Joao Bosco
    12/10/2018 at 01:13

    Bom, eu estou lendo Discurso sobre a origem da desigualdade entre os homens, de Rousseau, alem de saber que e` um romance que vai me fazer pensar e agir, mas um romance, uma obra de literatura, uma utopia, o que mais eu deveria saber sobre essa obra ou sobre a regra geral de como se le filosofia?

    • 12/10/2018 at 01:41

      Se você não tiver uma boa cultura geral do currículo do ensino médio, pode parar. Volte e faça cursinho.

  4. Alexandre Duarte Rodrigues
    11/10/2018 at 20:53

    Se eu choro por dentro que chega doer, imagino como deve ser para um professor olhando estes corpos desperdiçando seus cérebros. Antigamente ficamos com vergonha quando não entendíamos oq os grupos mais cultos falavam agora quanto mais besteira se fala mais Cult é pra galera. Leem Olavo de Carvalho pra não serem idiotas e oque ele fala é exatamente que seu livro é para idiotas.

  5. josé fernando
    11/10/2018 at 19:17

    De um lado um homem ignorante, truculento e dono de um léxico digno de uma criança de dez anos; de outro, uma máfia com “know-how” para aparelhar o estado e dele extrair (novamente!) o máximo de dividendos possíveis, e o que é mais indigno, comandada por por um presidiário que dedicou a vida a realizar falas incendiárias e a exercitar sua habilidade de promover conchavos ilícitos. Entre uma besta e mafiosos sem escrúpulos, eu anulo o voto (assim, referendo sigo Karl Kraus: “não existe mal menor: mal é mal”.

  6. JOSE DELFINO DE SAMPAIO NETO
    11/10/2018 at 17:39

    Estimado Professor Paulo Ghiraldelli.

    Que lição você nos trouxe, mostrando os dois lados da política, a manipulação que ocorre dentro do sistema, e que muitos de nós não vemos devido a falta de parar para pensar e reflexir; e como faz falta a educação que não tivemos, para que pudessémos analisar tudo isso conforme você está nos ensinando.

    Um grande abraço e muito obrigado.

    José Delfino.

  7. alexandre duarte rodrigues
    11/10/2018 at 14:58

    Como podemos analisar a manifestação dos fãs do Roger Waters – Pink Floyd será que eles pelo jeito nunca entenderam como ele expressava sua arte e posições politicas para o combate ao Neofascismo e de governos autoritários através de suas músicas?, imagino como fosse o mesmo que ir no show do Legião Urbana e escutar a música Meninos e Meninas e sair depois pra bater em Gays, mas depois diz pra todos que adora a banda. Tempos sombrios.

    • 11/10/2018 at 16:39

      Alexandre, você já imaginou o grau de burrice da juventude bolsonarista?

  8. LMC
    11/10/2018 at 12:00

    Antigamente,pra ser um ditador,
    faziam um golpe com tanques
    nas ruas.Hoje,é mais moderno.
    Você pode ser um ditador disputando
    uma eleição sem fechar o Congresso
    como Trump,Chavez,Maduro,Erdogan,
    Putin,Bolsonaro,etc.

  9. Carlos Simões
    11/10/2018 at 06:26

    Caro Professor, você abordou um tema que canaliza para a situação de falta de autocrítica do PT acerca do mensalão ( e poderíamos mencionar outros, com os casos de corrupção da Petrobrás). Essa falta de autocrítica foi tão nefasta que bloqueou completamente a esquerda, como um todo, de prosseguir com o espalhamento de suas ideias e ações. Ou seja, ficou sem legitimidade quanto à disseminação dos seus programas. Se integrarmos o fato (também mencionado no seu texto) de que a esquerda acabou se posicionando a favor do Lula, então, diria que se formou uma “tempestade perfeita”, a qual explica o atual descrédito político-eleitoral das ideias emanadas dos partidos de esquerda. Urgentemente, cabe um reposicionamento da esquerda. Diria, até, que há uma janela de oportunidade perfeita para esse reposicionamento, pois, de forma clara agora, teremos um governo (caso bolsonaro ganhe o pleito) no qual a esquerda facilmente consegue se posicionar de forma contrária e prospectiva.

    • 11/10/2018 at 06:38

      Carlos, talvez não possamos entender que a crítica do PT a si mesmo jamais poderia existir. Eles chegaram num grau de corrupção que não tinham mais como se corrigir.

  10. Rafael Salles
    10/10/2018 at 22:08

    Tenho acompanhado nos últimos dias seus vídeos no canal do YouTube. Após ter assistido alguns deles e ter tido um pouco mais de contato com sua linha de raciocínio, me.identifiquei com ela. Ou seja, acho o Bolsonaro completamente despreparado. Na verdade acho ele pífio como político. Resultado da apologia ao incultismo que define os caminhos cognitivos da maioria de nós brasileiros. Penso que em uma situação de normalidade política (atualmente anormal em razão dos esquemas de corrupção ptistas terem chegados à mídia) e econômica (estamos em meio a uma crise e sem luz no fim do túnel) a figura do bolsonaro seria comoarada à do Daciolo. Nada além disso. Estariam os dois disputando quem não estaria nas últimas posições da eleição presidencial. Do outro lado temos a realidade já é crua (e não a projeção trazida por bolosnaro): o.crime consumado, o dano causado e a prova material, o PT. Indefensável moralmente. Juridicamente todos tem direito à defesa. Foi baseado nessa imagem que tenho do atual cenário que me senti identificado com suas ideias, Paulo. Aliás, cabe dizer, sobre as ideias seria parcial e sem credibilidade dizer que são boas, uma vez que seguem o mesmo sentido das minhas, mas a cultura que lhes são adjacentes e a forma com que as apresenta são qualidade dignas de aplausos. Tenho aprendido muito com seus vídeos que me tem servido como aulas. Voltando ao texto acima, incrivel (no sentido de não se puder acreditar) como a esquerda não percebeu que o caminho da honestidade seria o melhor. Lógico, a direita também não enxergou isso. Mas da esquerda esperamos mais! Igual aquele amigo em que confiamos e emprestamos a chave de nossa casa. Assim esquerda chegou ao poder. Se esse amigo valendo de nossa confiança nos furta algum objeto a recepção é maior do que quando a subtração é empenhada por um estranho. Esse era o partido dos trabalhadores, o amigo em que muitos de nós confirmou e personificava a esquersa no Brasil. Em lugar de tentar retomar a dignidade e assumir seus erros, preferiu insistir com a patética retórica de se vitimizar de um jogo sujo político. Meu Deus! Em que século está essa gente?! No mundo da informação, em que todo mundo lê na palma da mão (verdades e mentiras) o que acontece no mundo inteiro o tempo inteiro, será que acreditavam mesmo que essa conversa fiada iria convencer alguém?
    O resultado: quando um amigo te trai a consequência não é perder a confiança nele, mas no mundo. Se ele foi capaz de me trair, quem não seria. “O mundo não presta. Ninguém vale nada. Vou ser mau, pelo menos assim não me decepcione mais. Vou votar no Bolsonaro.” E assim nasceu um “mito” de que minha decepção criou um mundo melhor.

    • 11/10/2018 at 06:42

      Sim, há uma vídeo do Bolsonaro onde ele confessa isso: ninguém vale nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *