Go to ...

Paulo Ghiraldelli on YouTubeRSS Feed

27/05/2017

Claudia Collucci e sua vontade de aparecer, com o c* dos outros


 A jornalista Clauda Collucci escorregou no problema do medo da perda de emprego, que assola os jornalistas brasileiros.

A crise do jornalismo é visível. Está todo mundo na rua, desempregado. Os que possuem suas colunas, então, começam a produzir qualquer coisa que chame a atenção. O desespero faz uma moça especializada em “saúde”, na Folha de S. Paulo, criar uma manchete que contraria tudo o que sabemos,  justamente para dar “ibope”. Eis o título do artigo da moça: “Exame da próstata não faz o homem viver mais” (Folha, 04/11). Genérico para não ser desmentido, mas errado no contexto.

Após décadas de luta médica para que homens façam exame preventivo, a jornalista cria um texto dúbio, com informações não totalmente mentirosas, mas atrapalhadas, que permitem a ela justificar um título que, certamente, foi assim escolhido para que seu blog tivesse alguns acessos a mais no jornal. É um tipo de Pondé, ou mais ou menos isso (será que ele vai dar a linha dos blogs da Folha?!).

O que é correto, segundo todos os médicos, associações e revistas científicas, a respeito de câncer de próstata, é que só o exame de PSA não serve. Ele não é seguro. O que é correto é que a biópsia é um exame invasivo. Mas isso não anula o que é mais correto, e que continua valendo como verdade, e que é a prática indicada: fazer o PSA, fazer sim o exame de toque, como medicina preventiva, e aliar isso ao acompanhamento médio.

Os médicos não optam por exames invasivos como a biópsia, e dependendo da idade nem cogitam. Optam pelo PSA com o toque. Portanto, concluindo: com o PSA, com o toque e mais a CONVERSA COM O MÉDICO periódica além da análise do histórico de família, as chances de prevenção do câncer aumentam muito. Nenhum dos exames separados e sem acompanhamento médico adiantam. Então, de fato, só um exame não resolve. Mas dizer que o exame de próstata, como a jornalista diz, causa mais mal que bem, é um erro crasso.

O texto da jornalista atua de modo a torná-la anunciadora de algo capaz de contrariar o que se quer ensinar de melhor para o brasileiro, e o faz num sentido, digamos, “sensacionalista”. Jornalismo marrom ou quase.

É grande o preconceito contra o exame de toque. Os homens fazem de tudo para não ir realizar a exame. Aliás, no Brasil, também as mulheres não vão regularmente ao ginecologista. E desconsiderando tudo isso, Collucci inventa de achar que é muito melhor ela ter pontinhos a mais no seu “ibope” que cumprir a função do jornalista responsável. Isso é triste.

Resta uma salvação para a jornalista: dizer que fez um texto ruim, que escreveu muito depressa, que foi descuidada. Teimar no que escreveu, só vai piorar. É um desserviço. E o terrível: é o desserviço pseudo-informado que quer se passar por informado, ao citar aqui e acolá, a favor da sua tese esdrúxula, entidades sacadas da cartola de onde ela tira coelhos com medo anal.

Paulo Ghiraldelli, 58, filósofo. exame_prostata

Tags: , , , , ,

39 Responses “Claudia Collucci e sua vontade de aparecer, com o c* dos outros”

  1. Luciano Duro
    06/11/2015 at 07:40

    Caro Ghiraldelli

    Parece-me que o efeito de “aparecer” aconteceu contigo. Poderia eu chamar está minha resposta de “Aparecendo com a c* dos outros.” Sendo que este “c” é de coluna de jornal… Teus posts até então tinham, em média, 4 respostas. Com este da Colluci, foram para 34 até agora. As tuas respostas, em geral, às críticas e tentativas de explicação das posições contrárias ao PSA com ou sem toque retal são, na maioria, voltadas à sexualização do assunto. Seria interessante que tu compreendesses o objetivo de tudo que está postado. Não é verdade que os urologistas não seguem a investigação com biópsia e outras coisas a mais, ao se deparar com exames de rastreio alterados… Na imensa maioria a cascata de investigação continua. Aí que falamos nos danos. Sabemos como funciona. Sugiro que entendas a diferença entre diagnóstico precoce e rastreio, talvez poderá te ajudar.
    Um abraço

    • 06/11/2015 at 13:19

      Duro! As respostas aqui são triadas maquinalmente. Há assuntos que possuem mais respostas (veja os meus últimos artigos falando do assunto). Por exemplo, se faço um artigo sobre sangue na prisão, lota de gente, ou sobre pedofilia. Claro. Mas há uma diferença: eu sou filósofo, não jornalista, não preciso de “ibope”. Agora veja, tudo que você escreveu não vai contra o que eu escrevi, mas sua última frase mostra que talvez você nem tenha lido direito meu texto.

    • DAngelo
      06/11/2015 at 14:03

      Chamarei de covardia sua triagem.

    • 06/11/2015 at 14:37

      DAngelo a triagem é para que o leitor sério não desanime. Por exemplo, uma opinião sua é boa ou não? É mero xingamento? Então, se for engraçado, colocamos. Agora veja, o que você acha, do alto de sua mágoa, não me importa.

    • 06/11/2015 at 14:38

      Dangelo eu não preciso de você como meu leitor. Eu tenho leitores inteligentes. Você não foi convidado para ser meu leitor.

    • 06/11/2015 at 14:39

      Dangelo meu caro pateta, você não foi convidado para ser meu leitor. Não serve. O lugar aqui é para escolarizados.

  2. Graça Xavier
    05/11/2015 at 14:06

    É necessário esclarecer a população sobre essa polêmica! Apoiar ou combater idéias e conceitos pode e deve ser feito desde que com embasamento suficiente sobre o assunto. O artigo da Jornalista Cláudia Colluci está excelente e embasado em pareceres científicos mundiais, atualizados. Lembremo-nos que as verdades científicas são sempre mutáveis, pois, o tempo se encarrega de demonstrar a validade ou não de determinadas práticas, através de resultados mensuráveis e palpáveis e apontar, se necessário, novos caminhos e condutas e nisso se apoia a Medicina Baseada em Evidências. O assunto precisa ser discutido e a população informada desses novos pareceres que afirmam que as atuais evidências científicas apontam para uma indefinição do rastreamento de base populacional. O profissional que recomendar o screening espontâneo deve fazê-lo sob os critérios científicos e racionais, lembrando que cada ser é individual e a medicina deve cada vez mais centrar-se na pessoa.
    À propósito, sou Medica Especialista em Atenção Básica e Saúde da Família.

    • 05/11/2015 at 20:39

      Graça é interessante antes da medicina se alfabetizar.

  3. 05/11/2015 at 11:59

    NOTA DO INCA – Instituto Nacional de Cancer:

    Detecção precoce

    De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: uma destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e outra voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). A decisão do uso do rastreamento do câncer de próstata por meio da realização de exames de rotina (geralmente toque retal e dosagem de PSA) em homens sem sinais e sintomas sugestivos de câncer de próstata, como estratégia de saúde pública, deve se basear em evidências científicas de qualidade sobre possíveis benefícios e danos associados a essa intervenção. Por existirem evidências científicas de boa qualidade de que o rastreamento do câncer de próstata produz mais dano do que benefício, o Instituto Nacional de Câncer mantém a recomendação de que não se organizem programas de rastreamento para o câncer da próstata e que homens que demandam espontaneamente a realização de exames de rastreamento sejam informados por seus médicos sobre os riscos e provável ausência de benefícios associados a esta prática.

    FONTE: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/deteccao_precoce

    • 05/11/2015 at 12:40

      Savassi! O que andam colocando no ânus desse pessoal para eles estarem com tanto medo assim? Savassi, relaxa e faz o exame, vai ser só dedo tá?

  4. Carlos
    05/11/2015 at 11:12

    Mas não projeta teu desejo em políticas públicas…curte toque segue a ficha só não ataca os outros

    • 05/11/2015 at 12:41

      Carlos parece que a projeção foi sua, a recomendação era só médica. Mas veja, não há problema nisso, pode entrar para o clube, sua mãe não vai saber.

    • Maximiliano Paim
      05/11/2015 at 14:36

      E se ele viciar? A pessoa recém viciada em tabaco cheira a cigarros, viciado em toque cheirará a…

  5. Cynthia Ramos Soares
    05/11/2015 at 10:17

    Bom Dia!

    As Sociedades Européia e Americana de Urologia concordam com a não realização de rastreamento para câncer de prostata em todos os homens. O INCA e o Ministério da Saúde

    https://www.auanet.org/education/guidelines/prostate-cancer-detection.cfm

    Há muitas evidencias científicas fortes de que o rastreamento de todos os homens baseado apenas em idade é injustificado e potencialmente danoso ao paciente.

    Informe-se melhor.

    http://www.ufrgs.br/telessauders/acontece-aqui/noticias/novembro-azul-nao-e-outubro-rosa

    http://sbmfc.org.br/media/Novembro%20Azul.pdf

    Cynthia – MFC CURITIBA

    • 05/11/2015 at 12:45

      Cynthia se o seu problema é seu namorado ou marido ou filhos ficarem curitibanos homossexuais por conta do dedo médico, fique tranquila, talvez eles já sejam, dado sua preocupação. Agora veja, PSA e toque não fazem mal, a questão é posterior a isso. Por exemplo, o médico partir para exames invasivos com gente mais velha etc etc. Aprendeu agora? Então, libere seus homens.

    • Maximiliano Paim
      05/11/2015 at 14:33

      Claro. Se ela perder os machos dela pro outro lado, pode ganhar excelentes cabeleireiros na família e que com isso podem render grana. Olha que maravilha é o toque! Hahahahaha!

  6. Daniel
    05/11/2015 at 08:12

    Paulo, você está completamente enganado na sua crítica. Cláudia Collucci está corretíssima de publicar a matéria, não apenas por se embasar no conhecimento científico mas por questionar o atual paradigma, que não não se sustenta mais à luz das evidências. O que não é possível, é debater o assunto à luz do senso comum, como você fez aí no artigo. As evidências mostram é que se compararmos um grupo de homens realizando regularmente os exames preventivos e um grupo não realizando (metodologia utilizada em diversos estudos sobre o assunto), não haverá diferença significativa na mortalidade ou aumento de sobrevida. Assim, a recomendação usual de associações e institutos ligados ou não a governos tem sido pela não realização rotineira de exames de rastreamento (aqueles realizados quando não há nenhum sintoma) de forma universal, e sim pela realização de exames quando houver sintomas ou em grupos de risco mais elevado, como, por exemplo, nos homens com um parente de primeiro grau que tenha desenvolvido a doença. De qualquer forma, Paulo, se enganar não é nenhum problema, basta buscar mais informações sobre o assunto e verá que o caminho é outro.

    • 05/11/2015 at 12:50

      Daniel o que andam enfiando no seu ânus no exame? Olha, é só o PSA e dedo. Nada mais. Ajuda bem. Agora veja, se não está entendendo os textos, aí o problema é ensino fundamental. Faça. Aí você vai entender que o problema do PSA e do toque é que não são decisivos e, então inicia-se a cobiça, ganha-se dinheiro com exames invasivos e perigosos conforme a idade. Agora, PSA e toque NÃO fazem MAL e ajudam bem na prevenção. Todo alfabetizado entende os textos. Então, se o seu problema não é medinho de gostar do dedo, se o seu problema é não entender o texto, faça o ensino fundamental. Vai, faz!

    • Daniel
      05/11/2015 at 14:29

      Que tal você fazer medicina, residência, mestrado e doutorado em epidemiologia e parar de falar asneira em assunto que você já mostrou que não entende? Vai lá, faz! Não quer fazer? Então fica calado, assuma sua ignorância e não critique sem fundamentação quem está falando a coisa certa. Quanto ao ânus, deve ser problema seu. A questão com relação à detecção precoce do câncer de próstata passa longe disso.

    • 05/11/2015 at 20:39

      Daniel não use de diplomas que você talvez nem tenha para evitar o toque. Faça.

  7. Jokas
    04/11/2015 at 13:13

    Paulo, não tem perigo de gostar demais desse exame e virar homossexual?

    • 04/11/2015 at 13:18

      Jokas não é perigoso virar homossexual, faça seu exame. Caso você goste demais, faça mais vezes o exame. Pronto! Você nem precisa dar a bunda por aí. Legal? Então vá!

  8. Antônio Modesto
    04/11/2015 at 11:38

    Paulo, boa tarde. Sou médico de família e comunidade e fui um dos autores da nota da Sociedade Brasileira Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) sobre o assunto. A jornalista está certa: o rastreamento do câncer de próstata através de PSA com ou sem toque retal é contraindicado pelo Ministério da Saúde, INCA, SBMFC, US Preventive Services Task Force, Canadian Task Force on Preventive Health Care e até pela Associação de Urologistas dos EUA, por causar mais danos que benefícios. Fico à disposição para te enviar material sobre o assunto. Abraço!

    • 04/11/2015 at 11:53

      Antônio o que é que o seu médico está enfiando no seu ânus que o está deixando assim? O meu médico faz o toque só com o dedo. Fio-terra uma boa parte dos homens faz, desde que o mundo é mundo. Se você não faz o toque e isso não é por problemas psicológicos, então, concluo, que seu medo do toque vem do fato de seu médico colocar objetos indevidos no seu ânus. Olha Antonio, procure um médico melhor. Você vai mal.

    • 04/11/2015 at 18:06

      eu tive o trabalho de procurar pelos institutos citados, bem como o artigo acadêmico ao qual o Antônio poderia estar se referindo. A unica referencia que encontrei foi que os ditos institutos não recomendam o uso de um determinado antígeno no teste, o que indica que é uma recomendação a pacientes que tem suspeita ou estão com sintomas de câncer na próstata, não que seja uma recomendação contra o exame de toque preventivo.

    • 04/11/2015 at 18:55

      Quincas eu sei, eu sei. Esse pessoal tá com problema mental, mas a jornalista está com outro problema.

    • Rubens Geromel
      05/11/2015 at 09:32

      Paulo, se tu queres ser tocado não precisa da desculpa do exame, nem ocupar o tempo valioso de um urologista ou se preocupar com a carreira de uma jornalista. Mas se pretendes evidências científicas vale se atentar às conclusões desta revisão sistemática: http://cochrane.bvsalud.org/cochrane/main.php?lib=COC&searchExp=rastreamento%20and%20cancer%20and%20de%20and%20prostata&lang=pt

    • 05/11/2015 at 12:47

      Geromel eu e outros alfabetizados fazemos o toque e o fio terra. Alfabetize-se, veja que exame de PSA e toque ajudam e nao fazem mal, e vá em frente. Agora, se está com dificuldade de entender os textos, aí o problema não é toque, é ensino fundamental. OK Faça!

    • Pablo de Lannoy Stürmer
      05/11/2015 at 08:01

      O antígeno a que as referências se referem é o “Antígeno Prostático Específico”, mais conhecido em sua sigla inglês como… PSA!!! Portanto, devemos decidir se vamos fazer uma discussão científica (e reconhecer que diversos estudos mostram que rastrear câncer de próstata não salva vidas) ou sensacionalista (e ficar fazendo piadinhas de mau gosto sobre o c* dos outros).

    • 05/11/2015 at 12:53

      Pablo a questão é simples: PSA e toque ajudam a previnir e não fazem “mais mal que bem”, como aparece por aí e como a jornalista colocou. Todo alfabetizado entende os textos que estão se precavendo contra o rastreamento porque os médicos gananciosos começam com mais exames, não acompanham e fazem exames invasivos indevidos. Agora, isso nada tem a ver com a regularidade do PSa e toque. Veja como o exame da mulher é mais invasivo e não há reação contra. O problema ainda é, em grande parte, de tabuzinho com gente que faz fio terra com a mulher mas não quer fazer com o médico. É só analfabetismo mesmo.

    • Antônio Modesto
      05/11/2015 at 09:53
    • 05/11/2015 at 12:45

      Modesto libera e faça o exame. Você não vai mudar nada. Viu? Vai continuar com essa sexualidade sua mesmo.

    • Mauro
      05/11/2015 at 10:57

      Roberto, a discussão é se TODOS os homens com mais de 45 anos e SEM SINTOMAS devem fazer o rastreamento para cancer de prostata. Novos estudos tem apontado que não, pois devido aos erros dos testes (falso-positivo) isto leva a novos procedimentos desnecessários (biopsias e cirurgias), sem redução de mortalidade. Este rastreamento deve ser discutido caso a caso, entre o médico e o paciente.
      O exame de toque e o exame de PSA, por si mesmo, não causam mal algum: o mal são as biópsias e cirurgias desnecessárias que eles geram se forem feitos indiscriminadamente

      link:
      http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/deteccao_precoce

      http://www.sbmfc.org.br/media/Novembro%20Azul.pdf

    • 05/11/2015 at 12:43

      A biópsia é invasiva e depende da idade. Em geral, não é feita assim na louca não. Este texto do Mauro já melhora bem a informação. É a mais correta. Dizer que toque e PSA fazem mal é ridículo.

    • monica lima
      05/11/2015 at 19:05

      Querido Roberto, de fato vc está certo, corretíssimo, porém diante de uma suspeita já não se trata mais de rastreamento mas de investigação, compreende a diferença. Não estamos aqui tratando de nunca se fazer o PSA ou toque retal, estamos aqui falando que não se faz esses dois exames para a população geral para rastreamento do cancer de prostata, porque as consequencias também de nível populacional são desastrosas.

    • 05/11/2015 at 20:41

      Mônica, sim, é isso.

  9. LUCIANA SANTANA
    04/11/2015 at 10:33

    Bom dia! Compreendo que a questão levantada pela jornalista Cláudia Collucci é impactante, haja visto que a Sociedade Brasileira de Urologia vem a longo tempo trabalhando de forma massiva a ideia do enfrentamento do câncer de próstata por meio do diagnóstico precoce. No entanto, ela está muito bem fundamentada em correntes científicas sérias que vem discutindo a efetividade dos resultados dos exames e, em especial, quando utilizados por meio de campanhas (rastreamento populacional). Sem dúvida é uma questão controversa, polêmica e angustiante, mas é um debate importante.

    • 04/11/2015 at 11:56

      Luciana há coisas que não se fala. A jornalista está errada, o texto dela é confuso e desmobiliza uma prática que ainda não foi substituída por outra. Além disso, as pesquisas que cita são setoriais. Não dá para dizer que o exame faz mais mal que bem. O toque é como qualquer fio terra que todo homem faz. Bem, de qualquer maneira, veja a resposta que dei para o apavorado Modesto.

  10. Maximiliano Paim
    04/11/2015 at 06:32

    O jornalismo e a sua crença de que o melhor é a variedade de opiniões (o desespero pelo ibope que leva esse fenômeno ao extremo), ficando sempre para acessório a presença da verdade. Esse é um caso escancarado disso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

About Paulo Ghiraldelli

Filósofo