Go to ...

on YouTubeRSS Feed

23/10/2018

Ana Paula Arósio não quer comer pastel e nem tocar flauta!


Carmem Lúcia era uma garota linda. Ela era branquinha, seus cabelos longos eram mais ou menosKiss loiros e tinha os olhos que lembravam suavemente uma expressão asiática. Sua boca era sensual mesmo sem batom. Ela gostava de mim. Começamos a namorar, mas ela me achava criança. E eu era mesmo! Tinha quatorze anos e ela dezesseis. Todavia, eu conseguia comer um pastel na frente dela, enquanto que ela não conseguia realizar tal proeza. Mastigar um pastel podia sujar a boca e, pior, obrigar o rosto a fazer caretas. Era uma vergonha para uma moça uma coisa dessas. Estávamos em 1972.

Vi uma vergonha igual com o general Alcibíades. Ele não tocava flauta. Tocar a flauta o faria ter de fazer a bochecha ganhar alguma deformidade. Ainda que só por instantes, isso macularia sua beleza. Inclusive, ele dizia que povos cujos homens tocavam flautas eram povos imbecis. Não sabendo conversar, os homens precisavam manter a boca ocupada com outra coisa, algo que lhes desse uma desculpa para se acreditarem civilizados. Essa atitude esquisita do general grego, que fora discípulo mal sucedido de Sócrates, não era uma sua exclusividade. Já havia sido adotada também por uma deusa, pelos mesmos motivos. Li isso muito tempo depois de 1972 e, recentemente, li de novo, por causa de um escrito sobre a vergonha em Sócrates.

Que vaidade a da Carmem Lúcia e a de Alcibíades. Que vergonha de tipo infantil. Mas, enfim, que vergonha duradoura no Ocidente! Durantes séculos fomos ensinados a nos comportar comedidamente, sem gestos faciais que pudessem nos comprometer com máscaras teatrais. Por isso mesmo, por a língua para fora era uma ofensa sem tamanho. Piscar era um gesto francamente de sedução, só possível de ser executado por uma prostituta. Sorrir de modo largo, um impedimento para moças de boa família. Soltar os cabelos, isso as garotas só podiam levar adiante em situações especiais. Uma geração antes havia queimado sutiãs, mas não tinham conseguido mudar o meu mundo.

As mulheres tinham de ser recatadas. E isso era sinônimo de recolhidas. Uma mocinha não tinha que ser vista na rua todos os dias. Somente em fins de semana. Durante os dias de semana, que fosse vista indo e voltando da escola. O direito à reclusão era sagrado. Tão sagrado que muitos pais punham isso para as filhas como um dever. Por isso, até mesmo os artistas da TV tinham vida particular real. Estranhávamos a exposição exagerada já existente nos artistas da América.

Esse mundo da careta proibida desapareceu. A Banda Kiss chocou o mundo com aquela baita língua percorrendo os palcos. Tudo que era solidamente constituído desmanchou-se diante de flashes. Ninguém mais iria se esconder e a vergonha pereceria – aí estava o destino traçado quando a TV começou a ser fazer profissional no Brasil. Assim, quando veio a Internet e, depois, as redes sociais, duraram poucos meses o estranhamento de alguns com o total fim da privacidade. Hoje todos tocam flautas diante de todos e todos comem pasteis diante de todos.

Por isso mesmo, se Ana Paula Arósio está deprimida e reclusa, isso é incompreensível. Dizem por aí: “linda, boa atriz, mas com chiliques”. Como não estar todos os dias diante de todos, comendo pasteis e tocando flauta? Ninguém tem o direito à privacidade e justamente uma artista, e ainda por cima bela, quer ficar escondida? Quem ela pensa que é para não fazer sexo em público? Que idiossincrasia seria essa, a de uma moça bela que vai para uma fazenda se esconder entre cavalos, enquanto deveria estar aqui, entre nós, mostrando sua bunda provavelmente branquinha?

Em algumas boates europeias os telões já não apresentam cenas de sexo, mas cenas interiores de órgãos sexuais e órgãos que podem servir como sexuais. Como que alguém ousa não ver o pastel não sendo comido, mas digerido?

Num mundo em que todo mundo é big brother do outro, o que a Ana Paula Arósio está imaginando que é? Será que ela acredita que é uma deusa para jogar a flauta ou a bela Carmem Lúcia, a Carminha, para se envergonhar com o pastel nas mãos? Está louca a Ana Paula? Deve estar! Precisa urgentemente de um corretivo. Ouço a imprensa dizendo isso.

Nossa sociedade ainda vai construir túmulos de vidro, acreditem.

Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo, escritor, cartunista e professor da UFRRJ

Blog pessoal: http://ghiraldelli.pro.br

Tags: , , ,

17 Responses “Ana Paula Arósio não quer comer pastel e nem tocar flauta!”

  1. 24/06/2016 at 21:51

    Amo música.

  2. Danilo Henrique
    14/10/2013 at 14:57

    Como Kant parece tão atual, quando escreveu sobre a obediência privada e o esclarecimento na esfera pública!

    O problema é que ele escreveu aquilo em pleno regime despótico, esperando que a república democrática de direito, trazendo a vontade para o público, tornaria desnecessária a arrogante “tolerância”.

    Penso que ele não tenha cogitado a hipótese de um regime democrático pleno com pessoas não esclarecidas. Será que ainda precisemos de um Frederico para trazer equilíbrio aos recém libertos, que outrora oprimidos não gozam de sua liberdade senão para oprimir àqueles que os cativavam, ou precisamos mesmo é um de regime efetivamente democrático?

    Quem sabe? Bom seria que o povo chegasse ao esclarecimento quando deixado livre, assim como já dizia o alemão.

    Nos resta saber o que é mais provável: Que Kant tenha se enganado ou que ainda estejamos sob a batuta de um déspota, ou pior de muitos

    • 14/10/2013 at 19:43

      Danilo, mas que loucura é essa? Filosofia não é história, o texto filosófico é sempre atual, de certo modo.

    • Danilo Henrique
      15/10/2013 at 15:58

      Sim, isso é verdade, filosofia jamais nunca se torna desatualizada.

      O que quero dizer em meu texto é que Kant da uma luz sobre certos comportamentos sociais, que são motivados por certa emancipação dos não esclarecidos.

      Em outras palavras, vemos grupos que antes eram oprimidos passarem a ser opressores, pois apesar de terem os direitos que lhe eram outrora negados não atingiram certo esclarecimento(no sentido kantiano).

      Acabam portanto se tornando tão opressores quanto os que antes lutavam, pois não se esforçam em esclarecer os demais, mas sim, forçar-lhes certos comportamentos

    • 15/10/2013 at 16:51

      Sim, entendi.

  3. Rogério
    13/10/2013 at 22:05

    mas na época do Nietzsche já existia as primeiras tentativas do Big Brother, a dona da pensão o espiava pelo buraco da fechadura, o filósofo do bigodão dançando nu (espetáculo dantesco) rss rss rss

  4. MÚMIA
    07/10/2013 at 15:45

    Sem querer ser chato, mas o que tem a ver Ana Paula Arósio com a ex-ministra Carmén Lúcia? NADA A VER!!!

    • 07/10/2013 at 19:51

      Você não é chato, você é uma múmia, portanto, como poderia entender alguma coisa?

  5. Thiago Leite
    04/10/2013 at 17:13

    Paulo, a expressão túmulos de vidro ficou meio vaga pra mim…

  6. Takarracha
    04/10/2013 at 10:16

    “Nossa sociedade ainda vai construir túmulos de vidro, acreditem.”.

    Ué? Não foi o que Chavez fez?

    • 04/10/2013 at 16:14

      Takarracha, antes dele, Lênin, antes, Bela Adormecida, antes …

  7. Thiago Leite
    04/10/2013 at 00:48

    Paulo, o caso de Ana Paula Arósio me lembra um pouco o de Adriana Esteves. Acho a última um bom exemplo de superação para a primeira.

    • 04/10/2013 at 01:19

      Bem, Thiago, ela está deprimida. Mas eu usei isso para lembrar como que estamos realmente lidando com a nova noção de privacidade.

  8. Guilherme Assis Aroeira
    03/10/2013 at 16:20

    Eu estava justamente falando sobre isso ontem, com uma amiga, sobre pessoas que tem uma rede social (Facebook, Twitter e Ask.fm, obvio), que, como todos, vive com sua vida constantemente exposta, e se expondo, e diz que “ninguém tem que tomar conta da minha vida”. Oras, como você diz Paulo, num mundo de YouTube, e smartfones que filmam em tempo real, é impossível desejar uma total privacidade.

    Acredito que eu entendi seu texto melhor que nossa amiga Elza.

    • 03/10/2013 at 19:47

      Guilherme, a Elza está se repetindo. Ela não lê. Ela está gagá. Às vezes melhora, volta ao normal, depois recai e manda essa mensagem repetida. Mas ela não era assim. É só caduquice mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *