Go to ...

on YouTubeRSS Feed

19/09/2019

Amor verdadeiro é como vaca


Procurar um amor verdadeiro é como procurar vaca no telhado. Você sabe muito bem que vacas não ficam no telhado. Primeiro porque não voam e não sobem escada. Segundo porque são pesadas e com pouca habilidade acrobática, então escorregariam ou simplesmente arrebentariam as telhas e cairiam.

Vaca é como amor verdadeiro. O amor verdadeiro faz pouca acrobacia, não voa e é pesado. No telhado é que não pode estar.

Essa sabedoria é milenar. Indus antigos e chineses mais antigos ainda, desses que nem John Lennon na sua fase mais Yoko Ono imaginaram existir, já sabiam. Não houve Brad Pitt no Tibet que não confirmasse isso que todos os cálculos da Nasa fixaram: vaca no telhado é foda, amor verdadeiro no telhado não fica. No telhado é foda, não nem sempre é amor.

Amor de telhado é coisa de gato. E sabemos todos que gatos fazem sexo, nunca amam. Ao menos não no telhado.

O telhado é lugar de chuva, passarinho, antena de TV e moleque com fogo no rabo. Amor verdadeiro não fica no telhado. Afinal, é como vaca.

O amor verdadeiro pesa muito. Mas não é um fardo. Pesa no sentido de que não se desloca. Onde fica ele fica mesmo! O amor verdadeiro não faz acrobacia. Não é triste ou quieto demais, apenas não fica de pantomima em pantomima como esfíncter de adolescente. O amor verdadeiro pode vir do voo do Cupido, mas ele próprio, instaurado, não voa. Pode fazer voar, mas ele próprio fica ali, paradinho. Tudo faz como vaca que, por esses dotes, não fica em telhado.

A sabedoria que Diotima entregou a Sócrates falava de coisas excelentes. Eu também tive uma espécie de Diotima, que me ensinou a arte erótica. Ela já dizia: amor verdadeiro é como vaca, no telhado você não os encontra.

O amor verdadeiro pode ser que eu não encontre mesmo no telhado. Mas de uns tempos para cá, percebi que vaca é diferente do amor. Aprendi isso quando vi que meu filho postou a contraprova.

Como está abaixo.

Até saberemos milenares, coisa que eu nunca achei possível colocar em dúvida, tive então de abandonar. Bem feito. Quem mandou eu teimar em fazer o que Taiguara desautorizou. Fechei meu livro antes de aprender.

Abri meu livro novamente.  Que a minha Diotima vá para aquele lugar!

VACA NO TELHADO

Tags: , , , , , ,

5 Responses “Amor verdadeiro é como vaca”

  1. Henrique
    24/06/2014 at 04:09

    Mas que bela bosta de texto. Até quando mentirá para si mesmo dizendo ser “filósofo”?

    • 24/06/2014 at 10:46

      Henrique, filósofo eu sou, e para tal não preciso agradar você que, enfim, não consegue entender um texto tão fácil e quase que escancarado. O fato de você ter raiva de mim e vir justamente no ponto que é fato de eu ser filósofo, demonstra uma profunda mágoa de um irrealizado, de um fracassado. O Brasil está com muita gente assim ultimamente. Eis aí um fenômeno a ser analisado, os tipos Henrique-Derrotados da vida.

  2. Alberto
    21/06/2014 at 05:19

    Nunca comi uma vaca, ainda mais no telhado, mas na minha infância, no interior do interior do Maranhão, comi muito bezerro, não encima do telhado, mas encima de uns tijolos, somente assim chegava até o bicho. Eita época de zoofilia boa.

  3. Evandro
    20/06/2014 at 11:50

    kkkkkkkkkk

  4. Afonso
    19/06/2014 at 12:30

    Há vacas mais ousadas… por aqui (em minha cidade) já despencaram (de um barranco), digo despencaram porque foi mais de uma vez, vacas no telhado de casas. Talvez tenhamos de apelar a outras metáforas. Dias desses noticiou-se uma vaca numa árvore (levada pela enchente em Santa Catarina).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *