Go to ...

on YouTubeRSS Feed

26/09/2018

A imutável Barbie


[Artigo indicado para o público em geral]

A ideia de igualdade entre homens e mulheres diante de condições sociais como o trabalho e afazeres correlatos só vai dar alguma demonstração de realização não quando meninos e meninas brincarem com boneca ou quando ninguém mais brincar com boneca. Veremos isso quando pudermos olhar para a boneca Barbie, ou qualquer sua substituta no mercado, e notar finalmente alguma modificação facial significativa. Toda a questão está no nariz da Barbie.

A Barbie nasceu em 1959. Eu sou de 1957. Ela é quase da minha idade. Aprendi com o tempo que a rosto de Marilyn Monroe não era sexy, mas que o rosto de mulheres como a minha, com o nariz que não é o “nariz de boneca”, é que me dá tesão. Mas o nariz da Fran não pode ser posto na Barbie, porque a boneca se sustenta, mudando de cor, corpo, roupas étnicas e até de formato do rosto, por jamais ousar perder o “nariz de boneca”. Alguns diriam, no passado: nariz feminino. Sim, nariz feminino por conta de não ser um nariz que avança.

Nem mesmo nos anos noventa, quando a Barbie foi atingida pelo grupo “terrorista” OLB, a Organização para a Libertação da Barbie, ela perdeu o nariz. O grupo sabotava bonecas, mudava o som da voz etc. Então, “estragava” o Natal de muita criança. Era a forma de libertar a Barbie de seu próprio esteriótipo e, enfim, mostrar aos pais e as crianças o quanto elas estava submetidas ao “capitalismo selvagem que assola o mundo”. Juro que existiu tal coisa, tal grupo! Nunca passou pela cabeça desse intrépidos “terroristas” o que seria o óbvio, mudar o nariz da Barbie. Isso sim seria terrorismo.

Os homens consomem mais oxigênio porque por conta da massa muscular maior que a das mulheres. Desse modo, possuem narizes maiores. Só isso. Mas a representação social de uma mulher que ocupa o mesmo espaço de oxigênio do homem é a de uma mulher competitiva, realmente competitiva. Alguém capaz de entrar na selva do mercado de trabalho para ocupar o mesmo espaço – literalmente falando. Quando isso der mostras de estar para ocorrer, e só então, a Barbie finalmente poderá ensaiar uma troca de nariz. E só então o rosto feminino será projetado para fora, como já o é o das mulheres em geral, as mulheres de carne e osso. Só então, paralelamente, o feminismo terá ficado relativamente obsoleto.

Nem a Barbie negra e nem a Barbie com jihad ousam colocar o nariz onde não são chamadas. Ninguém coloca os olhos e ouvidos no lugar do nariz, onde não é chamado. Falamos dessa metáfora usando a palavra “nariz”. Pois o nariz não é só o que chega antes, mas é que ele vem para ocupar espaço mesmo. Onde há nariz que ousa respirar, há posição. Um homem de nariz pequeno é como um homem de pau pequeno. Não é masculino, não ocupa espaço, não amedronta. A mulher sabe disso. Mas a mulher logo saberá que seu nariz que não é o nariz de boneca é desejado. E é mesmo, pois os homens não brincam de boneca.

Há mulheres que são tidas como atraentes e que possuem um nariz que está longe de ser o de boneca. Há nariz agressivo na praça, no mercado do desejo sexual inclusive. Mas a Barbie, estranhamente, não as acompanha. A Barbie não ousa acompanhar as mudanças sexuais, pois boneca é para criança. Mas quando a mulher fincar o pé na igualdade, nem a Barbie resistirá.

Quando a indústria do brinquedo der o passo decisivo, o da mudança do nariz da Barbie, haverá realmente algo mudado no mundo que não é de brinquedo.

Paulo Ghiraldelli Jr., 60, filósofo. São Paulo, 03/01/2018

Tags: , ,

5 Responses “A imutável Barbie”

  1. LMC
    08/01/2018 at 12:28

    PG,viu a coluna do Celso
    Rocha de Barros hoje,na
    Folha sobre o Bolsonaro?
    Dá de mil a zero sobre
    aqueles filósofos que
    escrevem no mesmo jornal.

  2. Roberto
    05/01/2018 at 10:21

    Paulo, falando em mudança. O que vc pensa sobre os transexuais homens lutarem contra mulheres no MMA?

    • 05/01/2018 at 12:28

      Roberto, barreiras “biológicas” entre o que feminino e masculino vai cair todas.

    • Roberto
      10/01/2018 at 10:43

      O que? Então vai cair a tese de que o Homem possui mais massa muscular e que por isso possível mais vantagem? vc mesmo disse que homem possui um nariz maior para absorver mais oxigênio.

    • 10/01/2018 at 13:55

      Roberto a conversa do artigo é outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *