Go to ...

on YouTubeRSS Feed

20/04/2019

André Lara Resende: A crise da macroeconomia


[Sobre a MTT, que guia falas da parlamentar Ocasio Cortez na esquerda americana atual]

A teoria macroeconômica está em crise. A realidade, sobretudo a partir da crise financeira de 2008 nos países desenvolvidos, mostrou-se flagrantemente incompatível com a teoria convencionalmente aceita. O arcabouço conceitual que sustenta as políticas macroeconômicas está prestes a ruir. O questionamento da ortodoxia começou com alguns focos de inconformismo na academia. Só depois de muita resistência e controvérsia, extravasou os limites das escolas. Embora ainda não tenha chegado ao Brasil, sempre a reboque, nos países desenvolvidos, sobretudo nos Estados Unidos, já está na política e na mídia.

A nova macroeconomia que começa a ser delineada é capaz de explicar fenômenos incompatíveis com o antigo paradigma. É o caso, por exemplo, da renitente inflação abaixo das metas nas economias avançadas, mesmo depois de um inusitado aumento da base monetária. Permite compreender como é possível que a economia japonesa carregue uma dívida pública acima de 200% do PIB, com juros próximos de zero, sem qualquer dificuldade para o seu refinanciamento. Ajuda a explicar o rápido crescimento da economia chinesa, liderado por um extraordinário nível de investimento público e com alto endividamento. Em relação à economia brasileira, dá uma resposta à pergunta que, há mais de duas décadas, causa perplexidade: como explicar que o país seja incapaz de crescer de forma sustentada e continue estagnado, sem ganhos de produtividade, há mais de três décadas?

Em artigo recente, “Consenso e Contrassenso: Dívida, Déficit e Previdência”, que circula como texto para discussão do Iepe/Casa das Garças, procuro ligar alguns pontos que podem vir a consolidar um novo paradigma macroeconômico. Como foi escrito com o objetivo de embasar a argumentação na literatura econômica, pode exigir do leitor conhecimentos específicos e ser mais técnico do que seria desejável. Por isso volto ao tema, de forma menos técnica, para dar ideia desse novo arcabouço macroeconômico e de suas implicações para a realidade brasileira. As conclusões são surpreendentes, muitas vezes contraintuitivas, irão provocar controvérsia e correm risco de ser politicamente mal interpretadas.

Não tenho a intenção, nem seria possível, responder às inúmeras dúvidas e perguntas que irão, inevitavelmente, assolar o leitor. Ao fazer um resumo esquemático das teses que compõem as bases de um novo paradigma macroeconômico, pretendo apenas estimular o leitor a refletir e a procurar se informar sobre a verdadeira revolução que está em curso na macroeconomia. É da mais alta relevância para compreender as razões da estagnação da economia brasileira. Na literatura econômica fala-se numa armadilha da renda média, constituída por forças que impediriam, uma vez superado o subdesenvolvimento, que se chegue finalmente ao Primeiro Mundo. Há razões para crer que não se trata de uma armadilha objetiva, mas sim conceitual.

Pilares de um novo paradigma

O primeiro pilar do novo paradigma macroeconômico, a sua pedra angular, é a compreensão de que moeda fiduciária contemporânea é essencialmente uma unidade de conta. Assim como o litro é uma unidade de volume, a moeda é uma unidade de valor. O valor total da moeda na economia é o placar da riqueza nacional. Como todo placar, a moeda acompanha a evolução da atividade econômica e da riqueza. No jargão da economia, diz-se que a moeda é endógena, criada e destruída à medida que a atividade econômica e a riqueza financeira se expandem ou se contraem. A moeda é essencialmente uma unidade de referência para a contabilização de ativos e passivos. Sua expansão ou contração é consequência, e não causa, do nível da atividade econômica. Esta é a tese que defendo no meu livro “Juros, Moeda e Ortodoxia”, de 2017.

Moeda e impostos são indissociáveis. A moeda é um título de dívida do Estado que serve para cancelar dívidas tributárias. Como todos os agentes na economia têm ativos e passivos com o Estado, a moeda se transforma na unidade de contabilização de todos os demais ativos e passivos na economia. A aceitação da moeda decorre do fato de que ela pode ser usada para quitar impostos.

O segundo pilar é um corolário do primeiro: dado que a moeda é uma unidade de conta, um índice oficial de ativos e passivos, o governo que a emite não tem restrição financeira. O Estado nacional que controla a sua moeda não tem necessidade de levantar fundos para se financiar, pois ao efetuar pagamentos, automática e obrigatoriamente, cria moeda, assim como ao receber pagamentos, também de maneira automática e obrigatória, destrói moeda. Como não precisa respeitar uma restrição financeira, a única razão macroeconômica para o governo cobrar impostos é reduzir a despesa do setor privado e abrir espaço para os seus gastos, sem pressionar a capacidade de oferta da economia. O governo não tem restrição financeira, mas é obrigado a respeitar a restrição da realidade, sob pena de pressionar a capacidade instalada, provocar desequilíbrios internos e externos e criar pressões inflacionárias.

O terceiro pilar é a constatação de que o Banco Central fixa a taxa de juros básica da economia, que determina o custo da dívida pública. Desde os anos 1990, sabe-se que os bancos centrais não controlam a quantidade de moeda, nenhum dos chamados “agregados monetários”, mas sim a taxa de juros. O principal instrumento de que dispõe o Banco Central para o controle da demanda agregada é a taxa básica de juros.

O quarto pilar é a constatação de que uma taxa de juros da dívida inferior à taxa de crescimento da economia tem duas implicações importantes. A primeira é que a relação dívida/PIB irá decrescer a partir do momento em que o déficit primário – aquele que exclui os juros da dívida – for eliminado, sem necessidade de qualquer aumento da carga tributária. Portanto, se a taxa de juros, controlada pelo Banco Central, for fixada sempre abaixo da taxa de crescimento, a dívida pública irá decrescer, sem custo fiscal, a partir do momento em que o déficit primário for eliminado. Este é um resultado trivial e mais robusto do que parece, pois independe do nível atingido pela relação dívida/PIB, da magnitude dos déficits e da extensão do período em que há déficits. A segunda implicação, tecnicamente mais sofisticada, é que será possível aumentar o bem-estar de todos em relação ao equilíbrio competitivo através do endividamento público. Em termos técnicos, diz-se que o equilíbrio competitivo não é eficiente no sentido de Pareto.

Sobre esses quatro pilares, acrescenta-se o que foi aprendido sobre a inflação nas últimas três décadas. Ao contrário do que se acreditou por muito tempo, a moeda não provoca inflação. Inflação é essencialmente questão de expectativas, porque expectativas de inflação provocam inflação. As expectativas se formam das maneiras mais diversas, dependem das circunstâncias, e os economistas não têm ideias precisas sobre como são formadas. A pressão excessiva da demanda agregada sobre a capacidade instalada cria expectativas de inflação, mas não é condição necessária para a existência de expectativas inflacionárias. Alguns preços, como salários, câmbio e taxas de juros, funcionam como sinalizadores para a formação das expectativas. Se o banco central tiver credibilidade, as metas anunciadas para a inflação também serão um sinalizador importante. Uma vez ancoradas, as expectativas são muito estáveis. A inflação tende a ficar onde sempre esteve. Por isso é tão difícil, como sempre se soube, reduzir uma inflação que está acima da desejada. Depois da grande crise financeira de 2008, ficou claro que é igualmente difícil elevar uma inflação abaixo da desejada.

Novas ideias, antigas raízes

Embora grande parte das teses do novo paradigma contradigam o consenso econômico-financeiro, elas não são novas. Têm raízes em ideias esquecidas, submersas pela força das ideias estabelecidas e insistentemente repetidas. A tese de que a moeda é essencialmente uma unidade de conta, cuja aceitação deriva da possibilidade de usá-la para pagar impostos, é de 1905. Foi originalmente formulada pelo economista alemão Georg F. Knapp, no livro “The State Theory of Money”. Ficou conhecida como “cartalismo” e foi retomada recentemente pelos proponentes da chamada moderna teoria monetária, MMT em inglês.

Já a tese de que o governo que emite a sua própria moeda não tem restrição financeira, portanto não precisa equilibrar receitas e despesas, é de 1943. Seu autor, Abba Lerner, foi um economista que, como Clarice Lispector, nasceu na Bessarábia, estudou na Inglaterra e deu contribuições de grande relevância para os mais diversos campos da teoria econômica. No ensaio “Functional Finance and the Federal Debt”, Lerner enuncia os princípios que devem guiar o governo no desenho da política fiscal. Segundo ele, os déficits fiscais podem e devem sempre ser usados para garantir o pleno emprego e estimular o crescimento.

A primeira prescrição de Lerner, a sua “primeira lei da finanças funcionais”, é macroeconômica: o governo deve sempre usar a política fiscal para manter a economia no pleno emprego e estimular o crescimento. A única preocupação em relação à aplicação dessa prescrição deve ser com os limites da capacidade de oferta da economia, que não podem ser ultrapassados, sob pena de provocar desequilíbrios internos e externos e criar pressões inflacionárias. A segunda prescrição, ou a segunda “lei das finanças funcionais”, é microeconômica: os impostos e os gastos do governo devem ser avaliados segundo uma análise objetiva de custos e benefícios, nunca sob o prisma financeiro.

Todo banqueiro central com alguma experiência prática na condução da política monetária sabe que o banco central controla efetivamente a taxa de juros básica da economia. Os mais atualizados sabem ainda que, desde que não haja pressão sobre a capacidade de oferta, é possível criar qualquer quantidade de moeda remunerada sem provocar inflação. Trata-se de um poder tão extraordinário, que convém a todos, para evitar pressões políticas espúrias, continuar a sustentar a ficção de que o banco central deve controlar, e que efetivamente controla, a quantidade de moeda.

Já o fato de que o governo – que emite a sua própria moeda – não está submetido a qualquer restrição financeira, é bem menos compreendido. Talvez porque seja profundamente contraintuitivo, dado que todo e qualquer outro agente, as empresas, as famílias, os governos estaduais e municipais, estão obrigados a respeitar o equilíbrio entre receitas e despesas, sob pena de se tornar inadimplentes.

Quando se compreende a proposição que a moeda é um índice da riqueza na economia, que sua expansão não provoca inflação e o seu corolário, que governo que a emite não tem restrição financeira, há uma mudança de Gestalt.

A compreensão da lógica da especificidade dos governos que emitem sua moeda provoca uma sensação de epifania, que subverte todo o raciocínio macroeconômico convencional. Toda mudança de percepção que desconstrói princípios estabelecidos é inicialmente perturbadora, mas uma vez incorporada, abre as portas para o avanço do conhecimento. Como observou o Prêmio Nobel de Física, gênio inconteste, Richard Feynman, num artigo de 1955, “O Valor da Ciência”, o conhecimento pode tanto ser a chave do paraíso, como a dos portões do inferno. É fundamental que essa mudança de percepção seja corretamente interpretada para a formulação de políticas. Assim como Ivan Karamazov concluiu que se Deus não existe, tudo é permitido, de forma menos angustiada e mais afoita, não faltarão políticos para concluir que se o governo não tem restrição financeira, tudo é permitido.

Do ponto de vista macroeconômico, se o governo gastar mais do que retira da economia via impostos, estará aumentando a demanda agregada. Quando a economia estiver perto do pleno emprego, corre o risco de causar desequilíbrios e provocar pressões inflacionárias. Do ponto de vista microeconômico, a política fiscal tem impactos alocativos e redistributivos importantes. Embora o governo não esteja sempre obrigado a equilibrar receitas e despesas, a composição de suas despesas e de suas receitas, a forma como o governo conduz a política fiscal, é da mais alta importância para o bom funcionamento da economia e o bem-estar da sociedade. A preocupação dos formuladores de políticas públicas não deve ser o de viabilizar o financiamento dos gastos, mas sim a qualidade, tanto das despesas como das receitas do governo. A decisão de como tributar e gastar não deve levar em consideração o equilíbrio entre receitas e despesas, mas sim o objetivo de aumentar a produtividade e equidade. Por isso, é fundamental não confundir a inexistência de restrição financeira com a supressão da noção de custo de oportunidade. O governo continua obrigado a avaliar custos e benefícios microeconômicos de seus gastos. Um governo que equilibra o seu orçamento, mas gasta mal e tributa muito, é incomparavelmente mais prejudicial do que um governo deficitário, mas que gasta bem e tributa de forma eficiente e equânime, sobretudo quando a economia está aquém do pleno emprego.

É possível argumentar que seria melhor não desmontar a ficção de que os gastos públicos são financiados pelos impostos, pelo “o seu, o meu, o nosso dinheiro”, para criar uma resistência da sociedade às pressões espúrias por gastos públicos. Afinal, pressões políticas, populistas e demagógicas, por mais gastos nunca hão de faltar. O problema é que quando se adota um raciocínio torto, ainda que com a melhor das intenções, chega-se a conclusões necessariamente equivocadas.

Uma armadilha brasileira

Desde o início dos anos 1990, a taxa real de juros foi sempre muito superior à taxa de crescimento da economia. Só entre 2007 e 2014 a taxa real de juros ficou apenas ligeiramente acima da taxa de crescimento. A partir de 2015, quando a economia entrou na mais grave recessão de sua história, com queda acumulada em três anos de quase 10% da renda per capita, a taxa real de juros voltou a ser muito mais alta do que a taxa de crescimento. A economia cresceu apenas 1,1% ao ano em 2017 e 2018. Hoje, com a renda per capita ainda 5% abaixo do nível de 2014, com o desemprego acima de 12% e grande capacidade ociosa, a taxa real de juros ainda é mais do dobro da taxa de crescimento. Como não poderia deixar de ser, a relação dívida/PIB tem crescido e se aproxima de níveis considerados insustentáveis pelo consenso macro-financeiro.

O diagnóstico não depende do arcabouço macroeconômico adotado, é claro e irrefutável: as contas públicas estão em desequilíbrio crescente e a relação dívida/PIB vai continuar a crescer e superar os 100% em poucos anos. Já o desenho das políticas a serem adotadas para sair da situação em que nos encontramos é completamente diferente caso se adote a visão macroeconômica convencional ou um novo paradigma. O velho consenso exige o corte a despesas, a venda de ativos estatais, a reforma da Previdência e o aumento dos impostos, para reverter o déficit público e estabilizar a relação dívida/PIB. É o roteiro do governo Bolsonaro sob a liderança do ministro Paulo Guedes. A partir de um novo paradigma, compreende-se que o equívoco vem de longe.

A inflação brasileira tem origem na pressão excessiva sobre a capacidade instalada, durante as três décadas de 1950 a 1980 de esforço desenvolvimentista. Foi agravada pelo choque do petróleo na primeira metade da década de 1970, quando adquiriu uma dinâmica própria, alimentada pela indexação e pelas expectativas desancoradas. Altas taxas de inflação crônica têm uma forte inércia, não podem ser revertidas apenas através do controle da demanda agregada, com objetivo de provocar desemprego e capacidade ociosa. Para quebrar a inércia é preciso um mecanismo de coordenação das expectativas. No Plano Real, esse mecanismo foi a URV, uma unidade de conta sem existência física, corrigida diariamente pela inflação corrente. A URV foi uma unidade de conta oficial virtual, com poder aquisitivo estável, uma moeda plena na acepção Cartalista, que viabilizou estabilização da inflação brasileira. Quando a URV foi introduzida, a economia não crescia, havia desemprego e capacidade ociosa. A causa da inflação não era mais o gasto público nem o excesso de demanda. Quando se compreende que o governo emissor não tem restrição financeira, fica claro que não havia necessidade de equilibrar as contas públicas para garantir a estabilidade da moeda. A criação do Fundo de Estabilização Social e posteriormente a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal, apenas satisfizeram as exigências do consenso macroeconômico e financeiro da época.

Como se acreditava na necessidade de equilíbrio financeiro do governo, para garantir a consolidação da estabilização, a carga tributária foi sistematicamente elevada. Chegou a 36% da renda, comparável às das mais altas entre as economias desenvolvidas. Durante os governos do PT, opção demagógica pelo aumento dos gastos com pessoal e por grandes obras, turbinadas pela corrupção e sem qualquer avaliação de custo e benefícios, combinada com a ortodoxia do Banco Central, aprofundou o desequilíbrio das contas públicas. O quadro foi agravado pela rápida queda do crescimento demográfico e do aumento da expectativa de vida, que tornou a Previdência crescentemente deficitária.

Uma vez feita a transição da URV para o Real, teria sido necessário manter uma âncora coordenadora das expectativas. Retrospectivamente, o correto teria sido adotar um regime de metas inflacionárias, para balizar as expectativas, que só veio a ser adotado no segundo governo FHC. A opção à época foi por dispensar um mecanismo coordenador das expectativas e confiar nas políticas monetária e fiscal contracionistas. Optou-se por combinar uma política de altíssimas taxas de juros com a austeridade fiscal. O resultado foram mais de duas décadas de crescimento desprezível, colapso dos investimentos públicos, uma infraestrutura subdimensionada e anacrônica, Estados e municípios estrangulados, incapazes de prover os serviços básicos de segurança, saneamento, saúde e educação. Mas como não vale a pena chorar sobre o leite derramado, passemos a políticas a serem adotadas para sair da armadilha em que nos encontramos, com base no novo arcabouço conceitual macroeconômico.

Reformas voltadas para o futuro

Comecemos pela questão que ocupa as manchetes, a reforma da Previdência. Sim, é preciso uma reforma da Previdência, não porque ela seja deficitária, mas porque ela é corporativista e injusta e porque o aumento da expectativa de vida exige a revisão da idade mínima. O déficit do sistema previdenciário, como todo déficit público, não precisa ser eliminado se a taxa de juros for inferior à taxa de crescimento. Como estamos com alto desemprego, significativamente abaixo da plena utilização da capacidade instalada e com expectativas de inflação ancoradas, o objetivo primordial das “reformas” deve ser estimular o investimento e a produtividade.

Em paralelo à reforma da Previdência, deve-se fazer uma profunda reforma fiscal segundo os preceitos das finanças funcionais de Abba Lerner. O objetivo da reforma tributária não deve ser maximizar a arrecadação, mas sim o de simplificar, desburocratizar, reduzir o custo de cumprir as obrigações tributárias, para estimular os investimentos e facilitar a inciativa privada. Enquanto não houver pressão excessiva sobre a oferta e sinais de desequilíbrio externo, a carga tributária deve ser significativamente menor.

A taxa básica de juros deveria ser reduzida, acompanhada do anúncio de que, a partir de agora, seria sempre fixada abaixo da taxa nominal de crescimento da renda. Simultaneamente, deveria-se promover a modernização do sistema monetário, substituindo as LFTs e as chamadas Operações Compromissadas, que hoje representam metade da dívida pública, por depósitos remunerados no Banco Central. Adicionalmente, seria dado acesso direto ao público, não apenas aos bancos comerciais, às reservas remuneradas no Banco Central. A modernização do sistema, com redução de custos e grandes ganhos de eficiência no sistema de pagamentos, passaria ainda pela criação de uma moeda digital do Banco Central, que abriria o caminho para um governo digital e desburocratizado.

Para garantir a eficiência dos investimentos e o ganho de produtividade, deveria-se promover uma abertura comercial programada para integrar definitivamente a economia brasileira na economia mundial. O prazo de transição para a completa abertura comercial deveria ser pré-anunciado e de no máximo cinco anos.

Por fim, mas não menos importante, seria fundamental criar mecanismos eficientes, idealmente através da contratação de agências privadas independentes, para avaliação de custos e benefícios dos gastos públicos em todas as esferas do setor público. A política fiscal é da mais alta relevância para o bom funcionamento da economia e para o bem-estar da sociedade. Compreender que o governo não tem restrição financeira não implica compactuar com um Estado inchado, ineficiente e patrimonialista, que perde de vista os interesses do país. Ao contrário, redobra a responsabilidade e a exigência de mecanismos de controle e avaliação sobre a qualidade, os custos e os benefícios, dos serviços e dos investimentos públicos.

Estas linhas gerais de políticas, sugeridas pelo novo paradigma macroeconômico, correm o risco de desagradar a gregos e troianos. Não se encaixam, nem no populismo estatista da esquerda, nem no dogmatismo fiscalista da direita. Como observou, de maneira premonitória, Abba Lerner, em seu ensaio de 1943, os princípios das Finanças Funcionais são igualmente aplicáveis numa sociedade comunista, como numa sociedade fascista, como numa sociedade capitalista democrática. A diferença é que se os defensores do capitalismo democrático não os compreenderem e adotarem, não terão chance contra aqueles que vieram a adotá-los. No primeiro ensaio de “Juros, Moeda e Ortodoxia”, sustento que, durante o século XX, o liberalismo econômico perdeu a batalha pelos corações e pelas mentes dos brasileiros. Embora a história tenha mostrado que seus defensores, desde Eugênio Gudin, estavam certos sobre os riscos do capitalismo de Estado, do corporativismo, do patrimonialismo e do fechamento da economia à competição, foram derrotados porque adotaram um dogmatismo monetário quantitativista equivocado. Tentaram combater a inflação promovendo um aperto da liquidez. O resultado foi sempre o mesmo: recessão, desemprego e crise bancária. Expulsos do comando da economia pela reação da sociedade, seus defensores recolhiam-se para lamentar a demagogia dos políticos e a irracionalidade da população. Quase sete décadas depois de Gudin, os liberais voltam a comandar a economia. O apego a um fiscalismo dogmático e a um quantitativismo anacrônico pode levá-los, mais uma vez, a voltar para casa mais cedo do que se imagina. (Valor Econômico – 08/03/2019)

André Lara Resende é economista, participou da criação do Plano Real.

Tags: , , ,

12 Responses “André Lara Resende: A crise da macroeconomia”

  1. Assis
    14/04/2019 at 16:11

    Boa tarde, professor!

    Talvez o rigor dos preceitos neoliberais seja aplicado bem mais em países subdesenvolvidos, como o Brasil, do que em desenvolvidos onde há as matrizes destas ideias. Basta ver o caso dos USA, que possuem dívida pública superior a 100% do PIB; tal fato mostra que o ideário neoliberal quer que façamos o que diz, mas não o que faz nos seus lugares de origem. Há algo de estranho nisto!

    Realmente o mantra de que a economia de um país é igual ao de uma casa parece falso. Se numa casa que apresenta renda advinda de salários fixos é necessário gastar menos do que o que se ganha, já que não existe crescimento de receita, num país isso pode não ser a melhor solução. Se o país possuir malha rodoviária extensa e ferroviária minúscula, o que torna o transporte de mercadorias e pessoas excessivamente caro, e quiser construir mais ferrovias para inverter essa relação desfavorável, através de empréstimos, certamente a longo prazo o gasto que gerou déficit inicialmente será fonte de maior eficiência na economia e terá sido bem vindo. O mesmo pode ser dito em relação à educação pública. Se houver investimento hoje, ainda que via endividamento, a longo prazo haverá retorno de benefícios para a sociedade, resolvendo muitos problemas relativos à qualidade de vida e à evolução dos direitos civis.

    Então, precisamos de um grupo político sério que coloque essas ideias da moderna teoria monetária em prática, e afaste de vez o maléfico encilhamento fiscal.

  2. Cida
    14/04/2019 at 16:05

    Sou uma simples dona de casa e aposentada que acompanho as notícias de é economia e o que vejo todos querem ações mirabolantes e isso so serve para acentuar a crise” fhc foi um dos maiores vendedor das empresas públicas e continuam nos demais resolveu o problema do Brasil não ficamos mais pobres porque às multinacionais vende nos produtos e investem no país de origem e para nos só fica o caus e degradação a Vale foi dada de presente veja que um de seus acionistas recebeu uma indenização a mais do que ela foi vendida 2 bilhões mais ou menos então existe certas atividades que deveriam ser exploraras para bancar a previdência e assistência temos um país riquíssimo que tem um povo que paga os mais altos tributos e miséria para quem precisa da contra partida do estado não tem saúde educação e segurança o pré sal foi vendido e hoje não temos este bem que poderia estar sendo revertido em dividendos para educação que temos crianças em contêiner onde a temperatura chega a 50 graus celsius agora querem fazer uma deforma na previdência e não uma reforma isto é cruel cadê a revisão do judiciário e dos legislativos e os militares só para me engana que eu gosto infelizmente nosso país e uma “Ferrari administrada por macaco “ henri Ford disse. Fiquei magoada mas tenho que concordar

  3. Edimar
    14/04/2019 at 14:43

    Tomara que essa nova corrente chegue ao Brasil, pois estamos totalmente na mão do mercado financeiro especulativo, enquanto não for feito nada para mudar essa realidade o capital produtivo não crescerá, ele citou as operações compromissadas que são o estopim do juro alto e do endividamento público.

  4. 14/04/2019 at 13:44

    Ao longo do texto o autor diz:
    “Como observou o Prêmio Nobel de Física, gênio inconteste, Richard Feynman, num artigo de 1955, “O Valor da Ciência”, o conhecimento pode tanto ser a chave do paraíso, como a dos portões do inferno.”
    ___
    Há uma interessante ilustração disso em um estórinha da tradição Zen Budista, o ramo Japonês (e o mais interessante) do Budismo:

    Havia um famoso samurai japonês, que todos consideravam o mais corajoso, poderoso e implacável samurai do Japão.

    Tendo ouvido falar do sábio Mestre Zen, que vivia em um mosteiro remoto nas montanhas, ele o procurou e lá chegando disse ao sábio:

    Tomei conhecimento que o senhor é muito sábio e tenho uma pergunta, que me atormenta:
    – “Como posso eu distinguir onde é o portal do paraíso e onde esdtá o portal do inferno?!
    O Mestre olhou-o de cima a baixo e disse:
    “- Quem é você?”
    – “Sou o maior samurai do país, o mais corajoso, o maior guerreiro”.
    O Mestre disse:
    -” Samurai? Vc me parece mais um mendigo, idiota, um joão ninguém, um bobo.”
    Quando um samurai é ofendido, desrespeitado, a tradição é que ele imediatamente corte a cabeça do ofensor com sua espada afiadíssima.

    E assim ele desembainhou a espada e qdo a levantou para decapitar o sábio, este disse:
    -” Você agora está diante do portal do Inferno!”

    O samurai parou, refletiu e fez uma reverência ao Mestre Zen, expressando sua admiração e respeito.
    E o Mestre Zen acrescentou:
    -” E agora você está diante do Portal do Paraíso!”

    Em seguida o Mestre Zen explicou que as portas do inferno e do paraíso estão sempre dentro de nós, estão na forma como vemos o mundo, as pessoas e tudo o que ocorre em nossa volta.
    Nós projetamos infernos e paraísos de acôrdo com nosso interior, nosso coração e nossa sabedoria.

    Realmente, Richard Feynman, um gênio, sabia disso. O conhecimento pode aprisionar (o samurai tem conhecimento de que é o maior samurai) e manter-nos sempre às portas de um inferno que construímos, ou pode libertar, permitir que criemos nosso paraíso interior, que não pode ser destruído por agentes externos.

    Essa estorinha ouvi de um mentor meu, que também foi mentor do… Peter Sloterdijk, em sua juventude.
    “Pêiter Shloterdéik”… como se pronuncia no país de origem do pai holandês desse fantástico filósofo alemão contemporâneo.

    E finalmente, só para mostrar a relação do “conhecimento” descrito pelo Dr. Feynman com a estorinha – porque sempre tem bobinhos na esquerda e direita que não entendem nada – que não é o caso de 99% de quem está lendo o artigo do Economista André Lara Rezende:

    O Samurai detinha enorme conhecimento nas artes da guerra, do uso da espada, tinha conhecimento de sua fama de ser o melhor, etc, etc… e isso o atormentava.
    O Mestre Zen sabiamente transmitiu-lhe um NOVO conhecimento, o de que você mesmo é que cria inferno ou paraíso com qualquer conhecimento.

    Conhecimento pode ser bom, o conhecimento sobre para que serve o conhecimento melhor ainda ajuda distinguir quando ele cria paraíso e quando cria inferno.

    —-

  5. 13/04/2019 at 23:37

    Enquanto isso, os cães do mercado financeiro ladram e a caravana da Economia Real no Japão segue firme, forte e pujante: 3o maior PIB do mundo, desemprego na casa dos 2%, com Dívida Pública superior a 200%. Grande exemplo de que a MMT funciona!

  6. Ana Multini
    13/04/2019 at 19:48

    Fundamentação e muito mais: propostas
    Excelente!
    Quanto mais instrumentos para pensar e agir , melhor

  7. Mariniel
    13/04/2019 at 17:38

    O texto é excelente. O autor consegue fazer uma síntese do que temos hoje em termos de política monetária e suas teorias ao mesmo tempo que apresenta a crítica. Pra mim essa é a melhor forma de ensinar conceitos de economia. Porém não posso concordar com todas as suas propostas.

    No final ele propõe que agências privadas independentes fiscalizem a eficiência dos gastos públicos. Isso não tem cabimento na cultura brasileira, o ideal é que os indicadores de eficiência sejam definidos por lei e o controle seja feito por órgãos públicos.

    Mas mesmo com todas essas medidas, sem uma reforma no sistema financeiro não iríamos conseguir baixar os juros para o empresariado e consumidores. O que significa que a questão fiscal e de trajetória da dívida pública é somente um dos problemas. A não ser que o Estado fosse o principal responsável pela criação de moeda através de déficits públicos enormes, o que poderia colocar pressão sobre a taxa básica de juros.

    Como política pra aumentar a produtividade ele sugere a abertura do mercado interno. Pra mim isso é mais um dogma da ortodoxia que invariavelmente leva a destruição da indústria nacional. Nesse quesito uma política industrial consequente, aliada a uma estratégia acertada com as universidades seria a solução.

  8. CLAUDIO FIOREZE
    13/04/2019 at 16:12

    Aleluia irmão! Finalmente, alguém da trupe neoliberal enxerga o óbvio: o Estado é insubstituível em seu papel anti-cíclico, deve emitir moeda sim, deve se endividar sim, desde que isso combine com respeito aos limites da capacidade produtiva e combine com diminuição do déficit primário (Lula e Dilma obtiveram quase 1 trilhão de superávit primário entre 2003 – 2014)

    • 14/04/2019 at 01:13

      Acho que você não entendeu o texto, principalmente citando Lula e Dilma. Além disso, falar de André como neoliberal, piorou.

  9. Marcos Antonio Pinheiro
    13/04/2019 at 14:49

    Luz no final do túnel??
    Tomara que sim!!!

  10. Ezequiel dos S. Mello
    13/04/2019 at 14:23

    Essa emissão pelo governo, na situação financeira/econômica atual, não poderia ser feita com o estímulo ou pressão do Governo sobre os bancos, para que estes ao invés de especularem, ofertem mais ao sistema de investimento.

  11. José Carlos da Silva
    13/04/2019 at 11:54

    Muito obrigado.

    Precisamos destas informações pra não esmorecermos diante do que vivemos como nação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *