Go to ...

on YouTubeRSS Feed

19/08/2018

Só os cachorros amam segundo a ordem do amor


[Artigo indicado para o público em geral]

O amor é instintual. Sabemos disso. Tanto é assim que, quando estamos para nos divorciar, queremos que o futuro ex-parceiro ou parceira se conforme com a nossa frase “mas eu amo outro”. Ou seja, o amor moderno guarda algo do deus Eros, do Cupido, que nos flecha sem pedirmos, que nos arranca da razão, que não deixa que possamos decidir pela nossa vontade, uma vez que o desejo é maior. E nesse caso, o outro tem que ceder. É razoável aceitar a irrazoabilidade do coração. Ele, o futuro ex-parceiro, tem que ter, contra o amor negado, o amor próprio de não se arrastar por quem não gosta mais dele.

Mas se o afeto erótico, casamenteiro, é mesmo dessa ordem, e se o divórcio incorporou isso sem traumas e a própria Igreja vai cedendo a tal situação moderna, onde regras de herança já não significam mais nada diante do “casamento por amor”, por que ainda achamos que somos os donos do amor? Por que achamos que, ao sermos dotados de capacidade de contrariar impulsos, talvez de modo mais disciplinado que outros animais, somos os que sabem amar? Se amor é impulso desmedido que tudo justifica, não seriam os praticantes diários dos instintos os verdadeiros amorosos?

Não há dúvida que muitos seres brutos amam melhor que nós. Entre todos os animais, o cão mostra isso, especialmente em relação a nós! Ninguém fica ao lado de seu parceiro (ou agora, pai e mãe) na hora da morte como o cão. Ninguém fica num túmulo, por anos, para sentir a presença do dono, o companheiro, o objeto do amor. Ninguém obedece uma ordem por tanto tempo. Ninguém esquece um ralhação de modo tão imediato. Só o cão faz tudo isso. Ao contrário da subserviência cega, o que o cão faz é obedecer a regra do amor, só aparentemente cega. Esse amor químico – que nós aceitamos para nós, como funcionamento nosso, só parcialmente – se revela agora com evidente. Há pesquisas que mostram que nossa ocitocina (o hormônio da maternidade, do aumento do leite, da alegria) cresce em nosso organismo quando olhamos para os cães, principalmente os filhotes. Nenhum outro animal provoca isso em nós. Nem gatos nem cavalos ou qualquer outro bicho doméstico.

A explicação histórica disso, ao menos na minha escolha de teses, é a de que cão e homem conviveram em mútua ajuda, em intimidade mesmo, antes do homem ser homem e o cão ser cão. Nessa teoria, o encontro da domesticação, que ocorreu já com o homem sendo homem e o cão já sendo uma variante de um tipo de lobo, só foi possível por conta da intimidade existente entre ambos, nos tempos do hominídeo e do pré-lobo. Há algo de fisiológico demasiadamente profundo no amor entre cães e humanos, como se estivéssemos falando de um processo que tem a ver com o que ocorreu com a incorporação de nosso organismo daquilo que, depois, veio a se transformar em mitocôndrias. Há algo de primitivo demais entre nós e o cão. Há algo de instintivo demais neles, e que se desperta e se adapta a nós, numa relação amorosa que se revela como a autêntica e característica relação de amor. Nós só amamos verdadeiramente outros humanos quando os amamos como os cães nos amam. Essa é a chave, esse é o nosso segredo. É isso que titubeamos em aceitar, uma vez que fizemos uma divisão entre a alma nossa e a não-alma canina, por conta de uma metafísica que hoje em dia deveria já ter sido superada (uma forma de pensar que, infelizmente, encontramos em Heráclito e Heidegger; felizmente vemos o oposto em Derrida).

Se quisermos criar uma sociedade sem ódio, vamos ter de estudar melhor essa produção de ocitocina que o cão provoca em nós. E que é a mesma que cresce quando temos nossos bebês. Fora disso, nos restará a pregação do amor, que até hoje não deu muito certo. Ou então vamos ficar aguentando a conversa mole de gente que não sabe de nada, e que vive falando que “há muito ódio na internet”. Nesse último caso,  tal fala só pode vir de gente que não sabe o que é ódio e, por isso, menos ainda o que é o amor.

A química do amor é amor químico. Ser um processo químico não é desmerecimento. Vejam como o amor do cão é lindo. No fim, é o nosso amor também assim, quando estamos no nosso melhor. Só que, no nosso caso, falta evoluirmos na direção do cão. Nós nos desviamos. Os cães funcionam como anjos da evolução, para nos lembrar que nos perdemos, que podíamos ter caminhado mais próximo do que ocorreu com eles.

Paulo Ghiraldelli Jr., 60, filósofo.

Tags: , , , , , ,

4 Responses “Só os cachorros amam segundo a ordem do amor”

  1. João Neto
    11/04/2018 at 10:14

    Viva, Paulo. Ando sempre por aqui a ler teus ótimos textos que me enchem os olhos, o cérebro e a alma. Obrigado eterno.
    Agora esses comentarios me fizeram rir )))
    Quanto aos gatos acho que tu podias partir para essa aventura.
    Se não há antecedente de convivio estreito entre ancestrais de gatos e homens (e nem sei se tu tivestes experiencia com eles nessa vida) há qualquer outra coisa que daria muito o que falar, ainda mais sob o olhar de uma pessoa tao inteligente como tu.
    Eu tiro muitas reflexões com as minhas gatas. Esses dóceis, amáveis, incompreendidos e rebeldes seres dão muito o que pensar e conquistam a cada dia mais o espaço e os corações. Me arrisco a dizer que estão a ocupar grande espaço nas familias e a conquistar o mundo todo.
    Anda lá e adota uns gatinhos(as). Se nao for pela filosofia, basta o ato de amor e o amor faz falta.
    Acho que o amor e atenção de deres receberas de volta.
    Beba água.
    Cumprimento fraternal.
    J

    • 11/04/2018 at 10:54

      Os gatos não tem a ver com os humanos senão após a domesticação, ao menos não há nada que indique essa tese. Além disso, felinos montam grupos, mas não trabalham em conjunto, como faz a alcateia e como fazem os humanos. A semelhante entre homem e cão é algo espantoso, em várias situações mais surpreendente que qualquer semelhança entre humanos e macacos.
      Agora, claro que amor por animais não precisa de fundamento filosófico. Afinal, o que precisa?

  2. Pablo Montana Maranello
    09/04/2018 at 22:41

    O que achas dos cachorros transarem com seus donos? Acho uma prática super saudável!!

    • 10/04/2018 at 00:01

      Bolsonaro acha que o melhor seria com aves e cabritos. Mas eu penso que isso é crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *